USP exclui notas e frequência de alunos sem comprovante de vacina contra a covid

A universidade adotou a prática em outubro de 2021
-Publicidade-
A USP alega que esses estudantes não apresentaram a comprovação das duas primeiras doses dos imunizantes
A USP alega que esses estudantes não apresentaram a comprovação das duas primeiras doses dos imunizantes | Foto: Reprodução

A Universidade de São Paulo (USP) puniu os estudantes que não comprovaram ter sido vacinados contra a covid-19. Na sexta-feira 30, a USP informou que removeu as notas e as frequências em aula de 275 alunos do sistema da faculdade.

A USP alegou que esses estudantes não apresentaram a comprovação das duas primeiras doses dos imunizantes. A exigência da terceira dose de reforço contra o coronavírus será cobrada neste segundo semestre.

“Temos, no momento, 275 alunos com registros irregulares de nota e frequência cancelados, mas o número ainda pode diminuir, pois há alunos que estão apresentando os comprovantes agora, depois da retirada dos registros, embora tenham sido vacinados há bastante tempo”, informou a universidade, em nota.

-Publicidade-

A comprovação da vacinação é uma exigência que passou a vigorar na universidade em outubro de 2021, quando foram retomadas as aulas presenciais em todos os campi da universidade.

A universidade informou que a medida está em conformidade com as “orientações e normativas relativas às atividades presenciais na USP”. O número de pessoas com os registros cancelados corresponde a cerca de 0,45% do corpo discente da universidade, que tem 60 mil alunos de graduação.

Leia também: “Liminar contra passaporte vacinal na USP”, texto publicado na edição 106 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários Ver comentários

  1. E foi nessa universidade que o professor excluiu a roupa ( ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR) para defender o indefensável nesses moldes.?
    Afinal ARGUMENTAÇÃO, DIÁLOGO, RESPEITO aos alunos , pais e as leis tambem foram excluídos.
    A vacina como forma de prevenção ainda é opcional , não entrou no calendário do P. N. I. e portanto não pode ser cobrada, além dos alunos que tiveram COVID OS COM DOENCAS AUTOIMUNES( HERPES, TIREOIDE HISMOTO ..DEVEM SE ABSTER?).

  2. A Declaração de Helsink foium marco importantíssimo na pesquisa clínica, assegurando que o mundo não veria mais os horrores e sofrimentos impostos a alguns em tantos experimentos. Teoricamente, haveria liberdade de escolha, voce participaria se quisesse. Mas a cada dia vemos mais e mais absurdos e, o pior de tudo, ainda veremos tudo isso virar filme como por exemplo ‘”O jardineiro fiel”…

  3. A usp é realmente um lixo, dirigida por pessoas ignorantes e nefastas. Arruinar a vida de um aluno por conta de um xilique autoritário de protótipos de ditadores. Vergonha usp, vergonha dirigentes a usp. O destino da usp nas mãos dessas pessoas é o esgoto.

  4. Esse negócio das universidades terem suas próprias leis tem que acabar! Que criou esse absurdo? Polícia não pode entrar no campus, punição para alunos e funcionários que optaram por não se vacinar…
    Quem eles pensam que são? Onde eles pensam que estão?

  5. Achei ótimo assim os miquinhos e carneirinhos amestrados do quadrilátero infectado pela esquerda sentem na pele a ditadura dos donos da USP.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  6. Viva a DITADURA. Tem que EXTINGUIR as universidades públicas, antros de vagabundos comunistas e parasitas de toda ordem. De produção científica, mesmo, NADA.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.