Agronegócio brasileiro deve exportar US$ 100 bi em 2020

China, Sul da Ásia, Sudeste Asiático e África Subsaariana impulsionam o crescimento
-Publicidade-
Colheita de grãos | Foto: Arquivo/Agência Brasil
Colheita de grãos | Foto: Arquivo/Agência Brasil

China, Sul da Ásia, Sudeste Asiático e África Subsaariana impulsionam crescimento

pib do agronegócio - cna - 2021
Colheita | Foto: Agência Brasil

O Insper Agro Global projeta US$ 100,4 bilhões em exportação pelo agronegócio brasileiro em 2020. Um acréscimo de 3,5% sobre o faturamento de US$ 97 bilhões em 2019. A quantia deste ano deve ficar apenas abaixo dos US$ 101,3 bilhões de 2018 — ano recorde para o registro. Os dados foram publicados pela coluna Radar, de Veja, na segunda-feira 14.

-Publicidade-

Estima-se que o volume de exportações para a China e Hong Kong, que são nossos principais parceiros desde 2013, deve atingir US$ 36 bilhões,  um crescimento de 9% em relação à 2019. Em 2020, também deve aumentar o apetite por produtos agrícolas brasileiros na África Subsaariana (+14%), no Sudeste Asiático (+30%) e no Sul da Ásia (+32%). No Leste Asiático, no entanto, com exceção dos chineses, os países devem diminuir o valor comprado da produção agrícola brasileira em 9%. A mesma situação  acontece com Estados Unidos (-5%), União Europeia (-2%), América Latina (-3%) e o bloco formado por nações do Oriente Médio e norte da África (-6%).

Álcool e açúcar foram os itens que mais ganharam espaço nas exportações, com um aumento de US$ 3,5 bilhões em 2020. A cadeia produtiva da soja continua responsável pelo maior faturamento — US$ 35,2 bilhões. Entretanto, algumas mercadorias estão menos apreciadas. O milho e os produtos florestais representam as maiores perdas externas do agronegócio: diminuição de US$ 1,5 bilhão e 1,4 bilhão, respectivamente.

Leia também: “Produção brasileira de soja foi mais eficiente que a norte-americana em 2020”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. Prezado Artur Piva. Eu já indaguei por diversas vezes aqui nos comentários uma questão relevante sobre o agronegócio brasileiro ,com o qual guardo profunda admiração e respeito. Não obstante, para a população , fica essa dúvida latente ainda não respondida pelo Governo: se somos assim tão pungentes no agronegócio com os números e índices cada vez mais efusivos, o quê explica realmente a alta acelerada e exponencial dos preços aqui no Brasil desses mesmos produtos? Carne bovina, carne suína, grãos em geral com preços altíssimos? Alguém poderá posta um comentário que se tratam de comódites com preços em dólar regulados pelo mercado internacional. Sim, mas antes também não era? Nos Governos passados ,sobretudo nos militares , haviam os chamados estoques reguladores que mitigavam essas altas. Essa alta de preços não é inflação por demanda, pois como mostra a reportagem a produção continua de vento em popa. O quê exatamente os Ministérios da Agricultura de da Economia estão fazendo nesse sentido? É uma pauta que interessa a todos nós.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro