Banco Central eleva a estimativa de crescimento do PIB brasileiro

A instituição cita um conjunto de fatores que 'indicam perspectivas favoráveis para a economia'
-Publicidade-
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Banco Central (BC) elevou a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto brasileiro em 2021 de 3,6%, valor estimado em março, para 4,6%, projeção divulgada nesta quinta-feira, 24. Em seu mais recente Relatório Trimestral de Inflação, a instituição cita um conjunto de fatores que “indicam perspectivas favoráveis para a economia”.

Leia também: “Ipea prevê crescimento de 2,6% no PIB do agro brasileiro em 2021”

“Indicadores recentes da atividade econômica interna, apesar da intensidade da segunda onda da pandemia, continuam mostrando evolução mais positiva do que o esperado, implicando revisões relevantes nas projeções de crescimento para o ano”, afirma o BC no relatório. “Adicionalmente, a recuperação parcial da confiança dos agentes econômicos, as medidas de preservação do emprego e da renda, o prognóstico de avanço da campanha de vacinação, os elevados preços de commodities e os efeitos defasados do estímulo monetário indicam perspectivas favoráveis para a economia. Nesse contexto, a projeção central para a variação do PIB em 2021 passou de 3,6% no Relatório de Inflação anterior para 4,6%.”

-Publicidade-
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. E por que mesmo com esse resultado favorável o desemprego atingiu o nível recorde de 14,7% no primeiro trimestre, com 14,8 milhões de desocupados? A alta generalizada dos preços das commodities agrícolas e minerais, principais produtos da pauta de exportação brasileira tiveram reflexos diretos na alta da inflação de alimentos nos supermercados, a mais alta dos últimos anos. O quê impulsionou o consumo segundo a CEF e BB foi a grande retirada da poupança dos pobres que sacaram dinheiro para sobreviver. De janeiro a março desse ano, no entanto, os brasileiros sacaram R$ 27,5 bilhões da caderneta. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumula alta de 6,76% em 12 meses até abril e os alimentos e bebidas – itens de maior peso na cesta de consumo dos mais pobres -, subiram 12,31% no mesmo período. Os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira somaram US$ 34,167 bilhões em 2020, queda de 50,6% frente a 2019, informou o Banco Central nesta quarta-feira (27). Portanto, projeção não gera emprego nem faz os preços dos supermercados baixar.

    1. JR
      24 JUN 2021 ÀS 14:13- Seu vigarista! que analise maniqueísta e porca! toma vergonha e aprenda a ser gente e procure a verdade e a realidade! se ficar se enganando e tentando enganar os outros só lhe resta pastar, porque de quatro já esta!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.