Governo realiza nesta semana 28 leilões que podem injetar R$ 10 bilhões na infraestrutura

Em apenas 3 dias, ministério da Infraestrutura pretende assegurar um montante superior ao orçamento da Pasta para um ano inteiro
-Publicidade-
Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas | Foto: Ricardo Botelho/MInfra
Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas | Foto: Ricardo Botelho/MInfra

Nesta semana, entre 7 e 9 de abril, o governo federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, vai realizar uma série de leilões para conceder à iniciativa privada 28 ativos de infraestrutura, entre aeroportos, terminais portuários e uma ferrovia.

A expectativa é que os certames, que ocorrerão na B3, a bolsa de valores de São Paulo, injetem mais de R$ 10 bilhões em investimentos no Brasil. Em apenas 3 dias, o ministério pretende assegurar um montante superior ao orçamento da Pasta para um ano inteiro – em torno de R$ 7 bilhões.

-Publicidade-

Leia mais: “Colômbia pedirá prisão de 3 empresários da Odebrecht”

Segundo o ministério, essas concessões vão gerar mais de 200 mil empregos, de forma direta, indireta e efeito-renda, ao longo dos contratos de arrendamento e concessões.

“No dia 7 de abril teremos o leilão de 22 aeroportos. É a mesma quantidade do que em todas as rodadas anteriores que já fizemos. De uma só vez. No dia 8 de abril a gente faz a Ferrovia de Integração Oeste-Leste. No dia 9, fazemos 5 terminais portuários”, explica o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Aeroportos

Os leilões de 22 aeroportos serão divididos em três blocos: Sul, Norte I e Central. O Bloco Sul é formado por 9 aeroportos: Curitiba, Bacacheri, Foz do Iguaçu e Londrina (PR), Navegantes e Joinville (SC), e Pelotas, Uruguaiana e Bagé (RS).

Sete compõem o Bloco Norte I: Manaus, Tabatinga e Tefé (AM), Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), e Rio Branco e Cruzeiro do Sul (AC). E outros seis formam o Bloco Central: Goiânia (GO), Palmas (TO), São Luís e Imperatriz (MA), Teresina (PI) e Petrolina (PE).

Fiol

No dia 8, será a vez do leilão da Fiol 1, o primeiro trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, entre Ilhéus e Caetité, na Bahia. A concessão do trecho de 537 quilômetros vai garantir R$ 3,3 bilhões de investimentos, sendo R$ 1,6 bilhão para a conclusão das obras. O prazo de concessão será de 35 anos.

Portos

No dia 9, acontece o arrendamento de 5 terminais portuários: 4 no Porto de Itaqui, no Maranhão, e um no Porto de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Estão previstos mais de R$ 600 milhões em melhorias nesses terminais. Desde 2019, já foram contratados R$ 10 bilhões para o setor, que, mesmo em ano de pandemia, cresceu 4,2% em 2020.

Concessões

Segundo o Ministério da Infraestrutura, em dois anos, o programa de concessões da Pasta já leiloou 41 ativos e contratou R$ 44 bilhões em investimento – e outros R$ 13 bilhões de outorga –, garantindo a ampliação da logística de transportes do Brasil. Em 2021, a expectativa é que sejam concedidos mais de 50 empreendimentos, o que garantiria mais R$ 140 bilhões para o setor.

A expectativa da Pasta é chegar até o final de 2022 com a contratação de R$ 250 bilhões em infraestrutura – mais de 35 vezes o orçamento público para investimentos na área por ano.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 comentários

  1. Meus amigos. Vamos deixar o Ministro Tarciso por mais 4 anos na Infraestrutura ate´2026 junto como o nosso Capitão. Depois o elegemos o nosso Presidente.

  2. Como explicar para os tradicionais meios de comunicação que o alegado fascista e até nazista autoritário e insano conseguiu formar um ministério, com técnicos civis e militares como Tarcísio Freitas, Paulo Guedes e equipe de secretários, Tereza Cristina, Damares Alves, Ricardo Salles, Augusto Heleno, Braga Netto, Roberto Campos Neto, Marcos Pontes, Bento Albuquerque, Andre Mendonça e outros que seguramente são democratas.
    Que loucura foi essa do ditador Bolsonaro, que tem sido até impedido de governar pelos outros poderes, estes sim autoritários?

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.