Petrobras vende 1ª refinaria do Brasil por R$ 10,1 bilhões

Negócio foi adquirido por grupo dos Emirados Árabes
-Publicidade-
A refinaria foi a primeira criada no Brasil na década de 1950
A refinaria foi a primeira criada no Brasil na década de 1950 | Foto: Divulgação/Petrobras

A Petrobras finalizou na terça-feira 30 a venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), em São Francisco do Conde, na Bahia e seus ativos logísticos.

A aquisição foi concluída pelo Mubadala Capital, dos Emirados Árabes, com o pagamento de US$ 1,8 bilhão (R$ 10,1 bilhões) para a Petrobras, valor que reflete o preço de compra, de US$ 1,65 bilhão.

O contrato ainda prevê um ajuste final do valor de aquisição, que se espera seja apurado nos próximos meses.

-Publicidade-

A estatal informou que nenhum empregado da Petrobras será demitido por conta da transferência do controle da RLAM para o novo dono.

Os empregados poderão optar por transferência para outras áreas da empresa ou aderir ao Programa de Desligamento Voluntário, com pacote de benefícios.

A Acelen, empresa criada pelo Mubadala Capital para a operação, assume a partir desta terça-feira, 1º, a gestão da RLAM, que passa a se chamar Refinaria de Mataripe.

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse que a conclusão da venda reflete a importância da gestão de portfólio e fortalece a estratégia da companhia.

“Esta operação de venda é um marco importante para a Petrobras e o setor de combustíveis no país. Acreditamos que, com novas empresas atuando no refino, o mercado será mais competitivo e teremos mais investimentos, o que tende a fortalecer a economia e gerar benefícios para a sociedade.”

De acordo com o presidente do Mubadala Capital no Brasil, Oscar Fahlgren, “a prioridade é garantir excelência na produção e operação da refinaria, além de uma transição estruturada, serena e sem ruptura.”

Começo de tudo

Criada em 1950, a Landulpho Alves foi a primeira refinaria nacional de petróleo, impulsionada pela descoberta de grandes jazidas na Bahia. Localizada no Recôncavo Baiano, possibilitou o desenvolvimento do primeiro complexo petroquímico planejado do país e maior complexo industrial do Hemisfério Sul, o Pólo Petroquímico de Camaçari.

Nela são refinados, diariamente, 31 tipos de produtos, das mais diversas formas. Além dos conhecidos GLP, gasolina, diesel e lubrificantes, a refinaria é a única produtora nacional de food grade, uma parafina de teor alimentício utilizada para a fabricação de chocolates, chicletes, entre outros, e de n-parafinas, derivado utilizado como matéria-prima na produção de detergentes biodegradáveis.

Há 26 unidades de processos espalhadas por 6,5 quilômetros quadrados, 201 tanques de armazenamento e 18 esferas de armazenamento e atende os Estados da Bahia e Sergipe, além de outros Estados da Região Norte e Nordeste. Alguns produtos são ainda exportados para Estados Unidos, Argentina e países da Europa.

Vendas

A refinaria é a primeira dentre as oito que estão sendo vendidas pela Petrobras a ter o processo concluído.

Além da Refinaria Landulpho Alves, outras duas refinarias já tiveram seus contratos de venda assinados: a Refinaria Isaac Sabbá (Reman), no Amazonas, cuja assinatura ocorreu em 25 de agosto deste ano, e a Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná, com contrato assinado em 11 de novembro.

Quando também forem concluídos os processos de desinvestimento dessas duas unidades, a Petrobras responderá por cerca de 50% do abastecimento do mercado de combustíveis no país.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Todas as empresas de precificação, incluindo bancos, além do TCU definiram o valor da RLAM em 3 bilhões de dólares e eles ficam divulgando e comemorando uma entrega de um patrimônio, pago pelo povo, para os chineses, por 1,6 bilhão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.