Reforma tributária pode acelerar crescimento econômico

Para o Ipea, PIB poderá crescer, no acumulado até 2033, 5,42% a mais do que cresceria num cenário sem reforma, com taxações consideradas verdadeiras anomalias.
-Publicidade-
Reforma tributária pode acelerar crescimento econômico, diz Ipea | Foto: Domínio Público/PxHere
Reforma tributária pode acelerar crescimento econômico, diz Ipea | Foto: Domínio Público/PxHere | reforma tributária, ipea, unificação de impostos

Para o Ipea, PIB poderá crescer, no acumulado até 2033, 5,42% a mais do que cresceria num cenário sem reforma, com taxações consideradas verdadeiras anomalias

reforma tributária, ipea, unificação de impostos
Reforma tributária pode acelerar crescimento econômico, diz Ipea | Foto: Domínio Público/PxHere

Ao simplificar e racionalizar o sistema de cobrança de impostos no país, a reforma tributária poderá acelerar o crescimento econômico. Caso vingue, a proposta de um imposto unificado sobre o consumo, com taxa de 25% e implantação total em até dez anos, o PIB poderá crescer, no acumulado até 2033, 5,42% a mais do que seria possível num cenário sem reforma, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

-Publicidade-

O estudo, em nota técnica do pesquisador João Maria de Oliveira, considera apenas a unificação dos impostos federais, estaduais e municipais sobre o consumo, embutidos nos preços finais de mercadorias e serviços. Ficaram de fora os tributos sobre renda e patrimônio e sobre a folha de pagamentos.

No Brasil, os diferentes impostos sobre o consumo respondem por aproximadamente 50% da arrecadação total, uma anomalia internacional. Entre os membros da OCDE, a maior parte da arrecadação vem de impostos sobre renda e patrimônio, ainda segundo o Ipea.

Uma consequência disso é que os preços em geral ficam mais elevados, prejudicando os mais pobres. Eles pagam mais impostos proporcionalmente à renda, porque os tributos embutidos nos produtos são os mesmos para pobres e ricos.

Além disso, “benefícios fiscais, regimes especiais e isenções”, previstos numa “montanha de leis, decretos, regulamentos e portarias”, geram distorções na economia, aponta o instituto.

“É uma oportunidade de, ao fazer esse rearranjo, possibilitar que a economia se movimente com uma alocação mais eficiente dos investimentos”, frisou Oliveira.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Igual às reformas trabalhistas e da Previdêmcia que iriam gerar milhões de empregos? kk Só sendo muito GADO para acreditar nestas vigarices da Direita.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.