-Publicidade-

Senado quer saber motivos da renúncia do ex-presidente do Banco do Brasil

Rubem Novaes deixou o Banco do Brasil na última semana afirmando que não se adaptou “à cultura de privilégios, compadrio e corrupção de Brasília”
Rubem Novaes estava à frente do BB desde o início da gestão Bolsonaro| Foto: Governo do Estado de São Paulo
Rubem Novaes estava à frente do BB desde o início da gestão Bolsonaro| Foto: Governo do Estado de São Paulo | rubem novaes, banco do brasil, economia, retomada,

Rubem Novaes deixou o Banco do Brasil na última semana afirmando que não se adaptou “à cultura de privilégios, compadrio e corrupção de Brasília”

rubem novaes, banco do brasil, economia, retomada,
Rubem Novaes estava à frente do BB desde o início da gestão Bolsonaro| Foto: Governo do Estado de São Paulo

Integrantes do Senado querem ouvir o ex-presidente do Banco do Brasil Rubem Novaes sobre a motivação de sua demissão. Para isso, os senadores Jorge Kajuru (Cidadania-GO) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentaram requerimentos de audiência.

Novaes pediu demissão na última semana. Ele estava à frente da instituição desde o início da gestão de Jair Bolsonaro. Em recentes entrevistas, Rubem Novaes afirmou que decidiu deixar o banco por não ter se adaptado “à cultura de privilégios, compadrio e corrupção de Brasília”.

“Pela dimensão do Banco do Brasil, uma das maiores instituições financeiras da América do Sul, temos a obrigação de ouvir o senhor Rubem Novaes para que ele detalhe o que viu de privilégios, compadrio e corrupção nos 18 meses em que esteve na presidência do banco oficial”, justifica Kajuru no requerimento.

De acordo com outros senadores que também se manifestaram, o Banco do Brasil esteve no centro de algumas polêmicas nos últimos meses. Uma delas foi a venda, por R$ 371 milhões, de uma carteira de crédito que tem R$ 2,9 bilhões em dívidas vencidas.

Além disso, outro fato citado como desgaste para a saída foi a investigação do Tribunal de Constas da União (TCU) sobre gastos do banco com publicidade em sites de “notícias falsas”. O TCU determinou a suspensão dos contratos de publicidade em sites, blogs, portais e redes sociais que propagam fake news.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.