Anvisa alega falta de documentos e suspende prazo de análise da Sputnik V

União Química e Fundo Soberano da Rússia fizeram pedido de uso emergencial do imunizante na sexta-feira 26
-Publicidade-
Sputnik V é a vacina produzida pela Rússia
Sputnik V é a vacina produzida pela Rússia | Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ontem, sábado 27, a suspensão do prazo de análise de pedido de uso emergencial da vacina contra covid-19 Sputnik V, desenvolvida na Rússia, por falta de apresentação de dados solicitados pela reguladora. O órgão regulador diz que, apesar da suspensão, continua a análise das demais informações entregues pela União Química. Com a decisão, o prazo inicial, de sete dias, é interrompido e só volta a contar com a complementação da documentação pela empresa.

Na sexta-feira 26, a União Química, que será responsável por fabricar a Sputnik no Brasil, e o Fundo Soberano da Rússia fizeram novo pedido à Anvisa de uso emergencial. Em janeiro, a agência devolveu uma primeira solicitação de mesmo teor, sob alegação de que não recebeu dados mínimos para a análise. Em painel disponível no seu site, a Anvisa informa que, dos documentos exigidos da empresa, 62,02% estão em análise, 18,21% estão pendentes de complementação e 18,67% não foram apresentados.

-Publicidade-

Leia também: “União Química deve produzir 100 milhões de doses da Sputnik V em 2021”

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.