Coreia do Sul oferece ajuda em troca da desnuclearização da Coreia do Norte

As duas nações estão separadas desde o fim da Segunda Guerra Mundial
-Publicidade-
Kim Jong-un, ditador da Coreia do Norte | Foto: Korea Central News Agency
Kim Jong-un, ditador da Coreia do Norte | Foto: Korea Central News Agency

Yoon Suk-yeol, presidente da Coreia do Sul, anunciou nesta segunda-feira, 15, que vai oferecer um pacote de ajuda à Coreia do Norte. Em contrapartida, ele espera a desnuclearização do país vizinho. As duas nações estão separadas desde o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

O plano inclui “um programa de grande escala para fornecer infraestrutura a alimentos, fornecer assistência para construir infraestrutura, para a produção, transmissão e distribuição de energia elétrica, e projetos de modernização de portos e aeroportos”, disse Yoon, em discurso pelo aniversário de 77 anos do fim do domínio colonial japonês. “Também ajudaremos a melhorar a produção agrícola da Coreia do Norte, forneceremos assistência para modernizar seus hospitais e infraestrutura médica e realizar iniciativas financeiras para permitir investimentos internacionais e apoio”, acrescentou, insistindo que tais programas melhorariam “significativamente” as vidas norte-coreanas.

De acordo com a agência de notícias RTP, as chances de o governo norte-coreano aceitar a oferta são escassas. O país comunista investe grande parte do Produto Interno Bruto no programa de armamento.

-Publicidade-

Tensões entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte

Na semana passada, o governo da Coreia do Norte ameaçou “erradicar” funcionários sul-coreanos, acusando Seul de estar por trás do surto de covid-19 no país. Em julho, o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, disse estar “pronto a mobilizar” sua capacidade nuclear em caso de guerra com os Estados Unidos ou a Coreia do Sul.

Os peritos regionais afirmam que as hipóteses de Pyongyang aceitar a oferta apresentada no discurso inaugural de Yoon são escassas, uma vez que a Coreia do Norte, que investe grande parte do Produto Interno Bruto no programa de armamento, há muito deixou claro que não celebraria esse acordo.

A Casa Branca e Seul advertiram repetidamente, nos últimos meses, que a Coreia do Norte se prepara para realizar outro ensaio nuclear. Seria o sétimo teste com esse tipo de armamento do país.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Seria uma tragédia humana sem precedentes.
    Especialistas militares, conforme imprensa, a Coréia do Norte seria varrida em 18 minutos. E daí?
    Os Chineses não estão nem aí. Governo e povo, são de má índole milenar. Não dá para separar um do outro. O episódio da Praça Celestial foi só uma exceção. A turma é sanguinária, egoísta.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.