Congresso se une para evitar desabastecimento no país

Entre Câmara e Senado, há, pelo menos, oito propostas apresentadas que defendem a suspensão da cobrança de pedágio para caminhoneiros enquanto o estado de calamidade pública permanecer decretado
-Publicidade-
Deputado Filipe Barros (PSL-PR) foi um dos que anunciou que mantém apoio ao governo | J.Batista/Câmara dos Deputados
Deputado Filipe Barros (PSL-PR) foi um dos que anunciou que mantém apoio ao governo | J.Batista/Câmara dos Deputados
Deputado Filipe Barros (PSL-PR) | J.Batista/Câmara dos Deputados

A necessidade em manter o abastecimento de alimentos e insumos médicos de norte a sul do país uniu o Congresso. É raro dizer isso, mas é o que acontece na Câmara e no Senado em relação à defesa da suspensão do pedágio para os caminhoneiros. Parlamentares da esquerda, de centro e da direita entendem que é preciso aprovar matéria neste sentido para dar estímulos aos transportadores, sobretudo os autônomos, e evitar o encarecimento da mercadoria na ponta.

-Publicidade-

No Senado, há propostas nesse sentido dos senadores Angelo Coronel (PSD-BA) e do Major Olimpio (PSL-SP). O senador Paulo Paim (PT-RS) apresentou uma proposta em linha semelhante, pleiteando que o governo federal garanta as condições mínimas de infraestrutura nas rodovias para a categoria não parar.

Na Câmara, os deputados Kim Kataguiri (DEM-SP), Carlos Chiodini (MDB-SC) e André Javones (Avante-MG) também protocolaram matérias na mesma linha. Na última semana, somaram-se a eles os deputados José Guimarães (PT-CE), líder da minoria, e Filipe Barros (PSL-PR).

Ressarcimento

Além de estabelecer a isenção do pedágio, o texto de Barros (leia abaixo na íntegra) prevê ressarcimento a caminhoneiros que vierem a pagar a taxa cobrada nas praças durante o período de calamidade pública. Para isso, deverão apresentar comprovantes de pagamento emitidos no período.

“É o mínimo a ser feito por uma categoria profissional que, pelo bem de toda a sociedade, não pode parar de trabalhar e cumprir quarentena. Os únicos que podem impedir o agravamento do problema são os caminhoneiros. Nessa crise, o trabalho deles precisa ser ainda mais valorizado”, defende Barros.

PL- Pedágio Caminhoneiros Durante Estado de Calamidade Pública.-convertido by Revista Oeste on Scribd

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Essa é sem dúvida uma atitude digna de aplausos. O transposrte rodoviário de carga é fundamental pra o abstecimento do país. À classe dos caminhoneiros externamos nosso profundo respeito e agradecimento pela sua devoção .
    Devido a dezenas de anos de descaso das autoridades com os transportes ferroviário e pluvial, são os caminhoneiros a alternativa que mantém o país funcional. Um viva a todos eles.

  2. Sou do acôrdo de colocar todo esse pessoal do transporte, tanto o terrestrre como o marítimo e o aereo em quarentena tambėm, porquē só eles tem que ficar exposto a doença?ou entåo liberar para todo aquele que não estiver no grupo de risco.Duvido que a quarentena permaneça mais que três dias.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site