Cristina Kirchner admite que não tem dinheiro para pagar o FMI

País deve US$ 44 bilhões ao órgão estrangeiro
-Publicidade-
O ministro da Economia do país, Martín Guzmán, está nos Estados Unidos com a finalidade de reestruturar a dívida
O ministro da Economia do país, Martín Guzmán, está nos Estados Unidos com a finalidade de reestruturar a dívida | Foto: Divulgação/Flickr

A vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, afirmou que o governo não tem recursos de modo a quitar o empréstimo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). “Não temos dinheiro para pagar a dívida”, declarou ela, na quarta-feira 24, em um evento no feriado de memória ao golpe militar de 1976. Hoje, o país deve US$ 44 bilhões ao órgão, um saldo contraído durante a gestão de Mauricio Macri. À época, o liberal obteve o montante na tentativa de tirar o país da crise. A peronista entregou o poder com inflação de quase 27% em 2015. Naquele ano, a pobreza atingia 40,5% da população (cerca de 40 milhões de habitantes) e o desemprego beirava 10%, segundo informações divulgadas à época pelo Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina. O ministro da Economia do país, Martín Guzmán, está nos Estados Unidos, com a finalidade de reestruturar a dívida.

Leia também: “O populismo pobre da Argentina”, reportagem de Silvio Navarro publicada na Edição 30 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.