Europa prepara-se para aliviar isolamento social

Se países desenvolvidos debatem a retomada das atividades produtivas, vê-se que a pauta não deve ser ignorada no Brasil
-Publicidade-
| Foto: DIVULGAÇÃO?FLICKR
| Foto: DIVULGAÇÃO?FLICKR

Se países desenvolvidos debatem a retomada das atividades produtivas, vê-se que a pauta não deve ser ignorada no Brasil

As autoridades buscam modelos que permitam a volta gradual da atividade de certos estabelecimentos | Foto: DIVULGAÇÃO?FLICKR

Governos europeus começam os preparativos para a redução dos níveis de isolamento social. Ainda que a expectativa seja de reação lenta da economia, dado que um expressivo contingente de pessoas continuará voluntariamente em confinamento domiciliar, Espanha, Bélgica, França e Finlândia, entre outros países, estudam medidas de flexibilização.

-Publicidade-

As autoridades buscam modelos que permitam a volta gradual da atividade de certos estabelecimentos, como escolas, creches e algumas empresas. O fundamental é que seja possível evitar uma segunda onda de infecções capaz de sobrecarregar ainda mais os serviços de saúde.

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez estendeu ontem, 4 de abril, a paralisação de seu país por mais duas semanas, até o dia 26. Sánchez disse que a proibição imposta no mês passado a todo trabalho não essencial, incluindo manufatura e construção, será revista após a Páscoa.

“Quando tivermos a curva [infecção] sob controle, mudaremos para uma nova normalidade e para a reconstrução de nossa economia”, disse Sánchez ao jornal britânico Financial Times. “Uma equipe específica de epidemiologistas trabalha há duas semanas em um plano para reiniciar a atividade econômica e social”.

Angelo Borrelli, chefe da Agência de Proteção Civil da Itália, encarregada de coordenar a resposta nacional ao surto, sugeriu que uma “segunda fase” do bloqueio do país poderia começar no próximo mês.

A Dinamarca, que foi um dos primeiros países da Europa a encerrar as atividades e fechar suas fronteiras, na semana passada, foi a primeira a estabelecer um cronograma para o relaxamento das restrições.

Se países ricos, com “estoque de riqueza” para queimar tempos de crise, têm debatido o relaxamento das medidas de isolamento social, vê-se que a pauta deve ser ignorada no Brasil. Em países emergentes, a paralisação da economia tem potencial para ceifar tantas vidas — ou até mais — que a pandemia. É claro que restrições a aglomerações fazem sentido, bem como o confinamento domiciliar temporário. No entanto, é urgente que as autoridades encontrem alternativas para o retorno das atividades produtivas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.