Falas de militante da questão climática minimizam crimes reais contra a humanidade

No passado, assassinatos em massa, extermínio, escravização e deportação forçada de um povo eram considerados nesses termos
-Publicidade-
Caroline Lucas, política do Reino Unido, deu uma declaração polêmica sobre o fim das minas de carvão | Foto: Reprodução/Instagram
Caroline Lucas, política do Reino Unido, deu uma declaração polêmica sobre o fim das minas de carvão | Foto: Reprodução/Instagram

Em artigo publicado na Edição 148 da Revista Oeste, o colunista Brendan O’Neill afirma que alguns militantes da questão climática minimizam crimes reais contra a humanidade ao defender as pautas ambientalistas. O’Neill cita uma declaração de Caroline Lucas, política do Reino Unido, em que ela se refere à construção de uma nova mina de carvão como um “crime contra a humanidade”.

Segundo o colunista, no passado, assassinatos em massa, extermínio, escravização e deportação forçada de um povo eram considerados crimes contra a humanidade. Agora, a construção de uma mina em Cumbria, no noroeste da Inglaterra, que vai gerar 500 novos empregos e produzir 28 milhões de toneladas de carvão por anos, é tratada nesses termos.
-Publicidade-
“Talvez os chefes da mina de carvão devam ser mandados para (o Tribunal Internacional de) Haia”, disse O’Neill. “Talvez os homens que vão extrair o carvão devam ser obrigados, com figuras do Estado Islâmico, a assumir responsabilidade por seu comportamento genocida.”

Leia um trecho

“O discurso apocalíptico desgastado de figuras como Lucas causa dois males. Primeiro, ele demoniza da forma mais histérica esforços totalmente normais e, na verdade, bons. A mina de carvão de Cumbria vai gerar centenas de empregos bem remunerados. E vai ajudar a reduzir a dependência do Reino Unido de carvão importado. São coisas positivas. Devem ser celebradas.

A segunda coisa ruim que esse tipo de conversa causa é a minimização de crimes reais contra a humanidade. Lucas não é a única ativista verde que faz uso de obscenidades da História para tentar dar algum peso moral à sua fúria burguesa contra a modernidade. O arcebispo da Cantuária certa vez comparou a mudança climática ao Holocausto (ele pediu desculpas depois). Esses ativistas usam livremente termos como ‘ecocídio’, como se derrubar árvores fosse a mesma coisa que matar pessoas.”

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 148 da Revista Oeste vai além dos textos de Brendan O’Neill. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J.R. Guzzo, Cristyan Costa, Rute Moraes, Paula Schmitt, Ana Paula Henkel, Rodrigo Constantino, Roberto Motta, Pedro Henrique Alves, Ricardo Gomes, Jeffrey Tucker, Bruno Meyer e Evaristo de Miranda.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Todos os ativistas ambientais deveriam passar por testes de sanidade. Todos gostam de aparecer e escondem alguma coisa. São manipulados por “patrocinadores” tipo Soros pensam ser porta-vozes das árvores, animais e charcos…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.