Médicos anunciam 4º paciente curado do HIV

Ele foi diagnosticado com o vírus em 1988
-Publicidade-
Há 17 meses o vírus deixou de ser detectado no paciente
Há 17 meses o vírus deixou de ser detectado no paciente | Foto: Reprodução/Shutterstock

Na Califórnia, Estados Unidos, médicos anunciaram o quarto caso de um paciente curado do HIV. O vírus parou de ser encontrado no corpo dele depois de um transplante de medula.

O procedimento ocorreu para tratar um câncer. Entre as caraterísticas do doador está ser resistente ao vírus. É a segunda vez que a técnica resulta na remissão do HIV. A primeira aconteceu em 2011, na Alemanha, em outro caso de leucemia. Mais três processos semelhantes foram registrados nos últimos três anos.

Para não ser identificado, ele está sendo chamado de Paciente City of Hope (“Cidade da Esperança”, em português). O nome é uma homenagem ao hospital que o tratou.

-Publicidade-

De acordo com a BBC, trata-se de um homem com 66 anos de idade. Há 17 meses, o vírus deixou de ser identificado nele. O Paciente City of Hope disse que está “mais que grato” por estar curado do HIV.

“Quando fui diagnosticado com HIV, em 1988, como muitos outros, pensei que era uma sentença de morte”, disse em comunicado. “Nunca imaginei que viveria para ver o dia em que não tivesse mais HIV.”

A equipe médica que fez o tratamento comemorou o resultado. “Ficamos entusiasmados em informá-lo que seu HIV está em remissão e que ele não precisa mais tomar a terapia antirretroviral que estava usando havia mais de 30 anos”, disse Jana Dickter, infectologista do Hospital City of Hope.

A médica alerta, entretanto, que a técnica ainda oferece vários riscos. “É um procedimento complexo, com efeitos colaterais significativos”, explicou. “Portanto, não é realmente uma opção adequada para a maioria das pessoas que vivem com HIV”, afirmou Jana.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Toda doença tem cura. Só que não é interessante para as bigfarmas, não dá lucro. Manter os doentes com paleativos é infinitamente mais lucrativo.

  2. Uma farmacêutica nos EUA, a Oagenync, já descobriu uma cura funcional para a infecção do HIV, mas por causa da disputa entre farmacêuticas mundiais, a Oyageninc não tem conseguido o montante necessário para a produção de sua descoberta.
    E que descoberta é esta?
    Uma descoberta sensacional! Cada ser humano tem em seu código genético um gene (Apobec) que produz uma família de proteínas onde uma delas, a Apobec3G (ou A3G) seria capaz de interferir no ato da reprodução do HIV, mudando seu código genético de infectante para inofensivo (não infectante). Acontece que no capsídeo (cápsula) onde o código genético do HIV está também estão outras partículas que o HIV usa para driblar nossa defesa natural. Uma dessas partícula do HIV se chama Vif (fator de interferência viral) que se acopla na A3G codificando-a para destruição pelo nosso próprio sistema.
    Um processo muito inteligente de um retrovírus que se desenvolveu ao longo dos milhares de anos até se tornar no HIV, poderoso retrovírus que consegue se mudar e se tornar resistente aos fármacos.
    Pois a Oyageninc tem um composto que neutraliza o Vif deixando o A3G livre para acabar com a infecção.
    Mas volto à questão da disputa entre as farmacêuticas que estão, de forma selvagem, contribuindo para que um paciente fique dependente para o resto da vida do coquetel e com inúmeros efeitos colaterais ruins (problemas ósseos, renais, cardíacos, entre outros).
    Então não é a cura o objetivo, mas a concorrência das farmacêuticas e o infectado relegado so esquecimento.
    Esse transplante de medula é um procedimento muito perigoso e impraticável para todos os operadores do HIV.
    E para quem não ser lembra, o HIV ataca exatamente as células de defesa do organismo deixando nos vulneráveis a todas as doenças e inevitável óbito.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.