Rússia ataca Kiev durante visita de secretário-geral da ONU

Dois mísseis atingiram a capital ucraniana durante visita oficial de António Guterres à cidade na quinta-feira
-Publicidade-
António Guterres promete que a ONU vai intensificar ajuda a ucranianos
António Guterres promete que a ONU vai intensificar ajuda a ucranianos | Foto: Reprodução/Twitter

A Rússia atingiu Kiev com pelo menos dois mísseis durante a visita do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) à capital ucraniana, na quinta-feira, 28. António Guterres esteve na cidade se reunindo com autoridades locais para tratar do conflito, que já dura dois meses.

A ofensiva russa lançou o ataque a Kiev logo depois de Guterres realizar uma entrevista coletiva com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, na qual o chefe da ONU prometeu aumentar a ajuda à Ucrânia.

Um dos mísseis atingiu um prédio residencial no distrito de Shevchenkivskyi, em Kiev. Os ataques aconteceram a cerca de 3,5 quilômetros do local onde Guterres e Zelensky se proninciaram à imprensa. A Rússia confirmou oficialmente a ação.

-Publicidade-

No pronunciamento em Kiev, o secretário-geral do ONU prometeu intensificar os esforços para ajudar o lado ucraniano do conflito, como foco na ação humanitária.

“Fiquei comovido com a resiliência e bravura do povo da Ucrânia. Minha mensagem para eles é simples: não vamos desistir”, afirmou o português Guterres por meio das redes sociais.

“A ONU redobrará seus esforços para salvar vidas e reduzir o sofrimento humano. Nesta guerra, como em todas as guerras, os civis sempre pagam o preço mais alto.”

No início da visita oficial, Guterres esteve nas cidades de Irpin e Bucha. Nesta última, estima-se que 300 pessoas foram mortas enquanto a localidade estava ocupada pelas forças russas.

Antes de passar por Kiev, o secretário-geral esteve na Rússia para uma reunião com o presidente Vladimir Putin. Guterres solicitou que os países em conflito colaborem com a ONU e pediu que os civis sejam retirados das zonas bombardeadas. 

Desde o início da invasão, em 24 de fevereiro, mais de 1.400 ucranianos foram mortos, de acordo com a sub-secretária-geral da Organização das Nações Unidas, Rosemary DiCarlo. 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Acho que quem promove sempre esses regimes autoritários é a cambada comunista de quem vc faz parte. E sempre com essa tara de citar Bolsonaro. Assim vcs. vão elege-lo no primeiro turno, claro se não fraudarem as eleições como fizeram com Biden e o esquerdista do Chile entre outros.

  2. Domingos a nota não tem nada à haver com o Bolsonaro, mas vc. faz questão em falar dele.
    É incrível esta sua fixação com o nosso Presidente, vc. gosta de sempre promove-lo.
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. EU NUNCA gostei do sistema soviético ou atual russo de controle de sua sociedade.
    É DANTESCO…É TIRÂNICO…MAAaaasss….
    O PIOR INIMIGO DO BRASIL , DA AMÉRICA LATINA ..DO OCIDENTE…está na figura de JOE BIDEN. O fraudador de eleições! e seus asseclas europeus. FRANçA. Alemanha, Inglaterra/Holanda e países nórdicos.
    A RUSSIA TÁ CERTA!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.