Senado da Argentina ratifica cruzada pró-aborto no país

Em meio ao surto de covid-19, passa a valer a interrupção da gravidez até a 14ª semana de gestação
-Publicidade-
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner | Foto: DIVULGAÇÃO/INSTAGRAM/ALBERTO FERNÁNDEZ
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner | Foto: DIVULGAÇÃO/INSTAGRAM/ALBERTO FERNÁNDEZ | O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner | Foto: DIVULGAÇÃO/INSTAGRAM/ALBERTO FERNÁNDEZ

Em meio ao surto de covid-19, passa a valer a interrupção da gravidez até a 14ª semana de gestação

senado da argentina
Do lado de fora do parlamento, feministas e outros movimentos de extrema esquerda comemoraram
Foto: Divulgação/Instagram/Alberto Fernández
-Publicidade-

Por 38 votos a favor, 29 contra e uma abstenção, o Senado da Argentina aprovou na madrugada desta quarta-feira, 30, o aborto no país. A partir de agora, as mulheres poderão interromper a gravidez até a 14ª semana de gestação. Depois desse período, só será permitido em casos de “risco de vida para a gestante ou quando a concepção é fruto de um estupro”. O texto prevê que os médicos contra o aborto não são obrigados a executar o procedimento, mas os serviços de saúde precisam apontar outro profissional disposto a fazê-lo. Se a paciente tiver menos de 16 anos, precisará de consentimento dos pais. A sessão de votos foi comandada pela líder da Casa, Cristina Kirchner.

A medida é de autoria do presidente peronista Alberto Fernández, que celebrou nas redes sociais a chancela concedida pelos parlamentares do Congresso. “O aborto seguro, legal e gratuito é lei. Hoje, somos uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública”, escreveu o chefe do Executivo, no Twitter. Do lado de fora do parlamento, feministas e outros movimentos de extrema esquerda comemoraram a decisão. Conservadores prometeram reagir. Em 2018, ainda no governo Macri, uma proposta semelhante passou na Câmara dos Deputados, mas acabou rejeitada no Senado da Argentina, liderado pela então vice-presidente, Gabriela Michetti.

Leia também: “O populismo pobre da Argentina”, reportagem publicada na edição n° 30 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.