-Publicidade-

Após dois anos de licença, Kassab deixa Casa Civil de Doria

Ex-prefeito de SP pediu licença do cargo em 2018 após se tornar alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal
O ministro de Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab durante a solenidade de entrega da Ordem Nacional do Mérito Científico.
O ministro de Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab durante a solenidade de entrega da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Ex-prefeito de SP pediu licença do cargo em 2018 após se tornar alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal

Gilberto Kassab
Presidente Nacional do PSD, Gilberto Kassab | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Secretário licenciado desde o começo da gestão João Doria (PSDB), o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) oficializou sua saída da Casa Civil.

A iniciativa de deixar o governo em definitivo partiu do próprio Kassab, segundo comunicado divulgado pelo governo do Estado nesta sexta-feira, 18. A nota diz que “mesmo distante, Kassab colaborou com a administração estadual nestes dois anos”.

Leia mais: Deputada do Psol denuncia parlamentar por assédio

Escolhido por Doria para a pasta, Kassab pediu licença do cargo antes mesmo do início da gestão, em 27 de dezembro de 2018. A decisão foi tomada, após o ex-prefeito se tornar alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, relacionada a uma delação do grupo J&F.

Presidente nacional do PSD, partido que compõe a base aliada de Doria em São Paulo e do presidente Jair Bolsonaro no cenário federal, Kassab deve se dedicar a partir de agora ao planejamento da sigla para 2022.

O partido teve um crescimento considerável nas eleições municipais deste ano, saltando de 538 para 634 prefeitos eleitos, mantendo-se como o 3º partido do país com mais municípios.

Apesar da saída oficial do principal líder do governo, a tendência é que o PSD mantenha o espaço na gestão Doria, uma vez que o atual secretário-executivo da Casa Civil, Antonio Carlos Rizeque Malufe, é filiado ao partido e aliado do ex-ministro das gestões Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB).

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês