Revista Oeste - Eleições 2022

A bandidolatria em sala de aula

Professor de escola secundária de Roraima afirmou que um assaltante tem o direito de roubar as pessoas, porque está ‘trabalhando’
-Publicidade-
Professor disse que os bandidos têm o 'direito' de assaltar
Professor disse que os bandidos têm o 'direito' de assaltar | Foto: Reprodução/Pixabay | Imagem ilustrativa

(J.R. Guzzo, publicado no jornal Gazeta do Povo em 2 de junho de 2022)

A notícia saiu na Gazeta do Povo, e foi confirmada pelas autoridades competentes: um professor de escola secundária de Roraima afirmou, em plena sala de aula, que um assaltante tem o direito de roubar as pessoas, porque está apenas “trabalhando”. Ele é um cidadão injustiçado e carente que, em seu entender, precisa ganhar a vida etc. etc. etc.; não há nada de errado, nem de anormal, em sair por aí metendo um revólver na cara dos outros para roubar o que precisa etc. etc. etc. Qual é o problema? Ele tem o direito de prover o seu sustento como todo mundo, não é mesmo? Um aluno perguntou se estaria certo ele trabalhar dez anos seguidos para comprar um carro, por exemplo, e ter de entregar o seu carro para o ladrão. Tudo o que o professor fez foi dizer que “ninguém” consegue comprar um carro no Brasil com dez anos de trabalho, diante de toda essa injustiça social que, segundo ele, está aí. Fora isso, deu uma bronca no aluno.

É possível fazer todo o tipo de comentário diante de um despropósito desses, mas com certeza há um que estará errado: dizer que isso só acontece em Roraima ou em algum outro fim de mundo do Brazilsão atrasado. Falso. Pode acontecer em São Paulo, no Rio de Janeiro ou em Brasília, em qualquer escola e em qualquer dia do ano letivo. Na verdade, o manifesto social do professor de Roraima é tão parecido com a posição semioficial da esquerda brasileira sobre crime e criminosos, mas tão parecido, que não dá para ver bem qual é a diferença. Afinal das contas, gente muitíssimo mais conhecida do que ele diz basicamente a mesma coisa — e é considerada a quinta essência do “progressismo” nacional. O professor está apenas repetindo o que ouve falarem nestas cumeeiras de sabedoria.

-Publicidade-

Como esperar outra coisa? Um dos peixes mais graúdos da advocacia criminal brasileira, devoto fervoroso da candidatura Lula à Presidência, não disse recentemente, na frente de todo mundo, que os crimes pelos quais a Justiça brasileira condenou o ex-presidente deveriam ser esquecidos? “Já aconteceu”, disse ele. “O que adianta punir?”  Ou seja: o sujeito mata a mãe, mas já que a mãe está morta mesmo, não adianta nada punir o filho, certo? O advogado em questão julgou oportuno, também, dar uma lição de ciência penal ao público. “Não se ache que a punição irá combater a corrupção”, afirmou. Na sua opinião, segundo se pode deduzir, o corrupto está apenas ”trabalhando” para assegurar o próprio sustento — algo mais ou menos na mesma linha de raciocínio exibida pelo professor que defende os assaltantes. Qual é a grande diferença?

Num país em que um condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, em três instâncias e por nove juízes diferentes, é candidato à Presidência da República, é possível esperar tudo — a começar pela defesa do crime nas salas de aula. Essa indulgência plenária para os delinquentes vale, até mesmo, quando as suas vítimas estão dentro dos círculos mais elevados da esquerda lulista. Como se noticiou amplamente, um filho do ex-presidente foi assaltado há pouco no centro de São Paulo e, automaticamente, absolveu os bandidos. De quem é a culpa, então? Segundo o filho de Lula, o culpado é “o Bolsonaro” — ele “não adota políticas sociais” e, em consequência disso, os cidadãos saem por aí assaltando os outros. O professor de Roraima, como se vê, poderia ser um consultor valioso da campanha de Lula.

Leia também: “A linguagem neutra é uma farsa”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários Ver comentários

  1. Concordo em parte com este “miserávi” professor. A ladroagem virou uma profissão, com PHD e tudo. Basta circular em por Brasilia e vocẽ se depara com inúmeros profissionais desse setor.

  2. =>”O professor está apenas repetindo o que ouve falarem nestas cumeeiras de sabedoria.”<=. Exatamente isso. Esse professor, tanto quanto outros de mesma doença mental, já foi aluno de maneira que numa sala de aula se viu obrigado a ouvir e participar de absurdos similares. Provavelmente convicto de que estar falando algo extremamente inteligente e pertinente, propaga suas ideias, frutos de sua mente contaminada -doentia-, no sentido de também deturpar a formação mental de seus jovens ouvintes. Desse sistema perverso de alienação mental, que saíram para nos prejudicar, o Fachin, Lewandowski, Carmen Lúcia, Rosa Weber e Barroso, entre outros tantos desclassificados com visibilidade nacional.

  3. Esse pseudo professor, defende o ato de roubar, defende o ladrão e, tá na cara que é de esquerda e admira e apoia o maior ladrão do país. O que será que ele rouba ou roubou, além de fazer esse mal terrível a esses adolescentes? Já deve ter perdido o emprego. Esse caso aconteceu já há uns três meses atrás. Mas essa doutrina é a psolista, que idólatra o ladrão e tem muitas outras percepções totalmente equivocadas e danosas, ainda mais com um STF desses que acata todos os pedidos colocados na corte.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.