As escolhas sobre o que Twitter, Facebook e Instagram aceitam são políticas

A chave da questão toda está nas escolhas feitas pelas redes sobre que tipo de mensagens elas aceitam ou não aceitam – algo que definitivamente está no reino da política
-Publicidade-
Redes sociais | Foto: DIVULGAÇÃO/FLICKR
Redes sociais | Foto: DIVULGAÇÃO/FLICKR | Redes sociais | Foto: DIVULGAÇÃO/FLICKR

Por J. R. Guzzo

Publicado no jornal ‘Gazeta do Povo’, em 11 de janeiro de 2020

-Publicidade-
esquenta
Redes sociais | Foto: Divulgação/Flickr

O presidente Donald Trump foi expulso, já nestes últimos dias de seu mandato, das redes sociais que utilizou durante anos como a pedra fundamental de sua comunicação com o público — Twitter, Facebook, Instagram, instrumentos que lhe permitiram uma audiência espetacular e inédita de 100 milhões de seguidores. Trump foi condenado pelos diretores das redes por ter, no seu modo de ver as coisas, incentivado a recente invasão do Congresso norte-americano com mensagens no seu perfil.

Segundo disseram os dirigentes, as manifestações do presidente violam a linha de conduta das redes; sua política, afirmam, não permite o “incentivo à violência”, e no seu julgamento é justamente isso que Trump tem feito. Não há possibilidade de apelação dessa sentença. Trump foi desligado da tomada e não pode fazer nada a respeito; vai ter de encontrar uma outra rede para se comunicar.

A situação, no conjunto, é para lá de complicada. Twitter, Facebook etc. são organizações privadas; têm portanto o direito, assegurado pela liberdade de expressão, de não transmitir mensagens cujo conteúdo não aprovam, da mesma forma que um jornal tem o direito de não publicar matérias que não quer publicar.

As redes sociais não são órgãos de imprensa, é verdade; são um serviço de entrega de mensagens, como os Correios, por exemplo, ou como as empresas privadas de courier do tipo DHL, Federal Express ou a firma de motoboy da esquina. Mas, a exemplo de todos esses serviços, não se vê como elas possam ser obrigadas a transportar mercadoria que não queiram — drogas, armas ou material pornográfico, digamos. Ou mensagens de Trump, do Zé, do Mané ou de quem quer que seja.

A chave da questão toda está nas escolhas feitas pelas redes sobre que tipo de mensagens elas aceitam ou não aceitam — algo que definitivamente está no reino da política. Twitter, Facebook ou Instagram têm aceitado, sem nenhuma restrição, mensagens de violência aberta expedidas por movimentos terroristas disfarçados em “causa social”, ou propaganda de ditaduras como as do Irã ou Venezuela — alegando, aí, que não lhes cabe interferir em questões “políticas” ou de “opinião”. É óbvio que não cola.

Não apareceram até agora ideias realmente coerentes, práticas e eficazes para regular legalmente este novo mundo. Enquanto isso, o melhor — ou o possível — é deixar a questão toda a cargo do público, que dará sua confiança às redes que respeitar, e do avanço da tecnologia, que continua sendo a melhor arma para assegurar a livre concorrência.

Alguém acredita que Twitter etc. vão estar aí para sempre, iguaizinhos ao que são hoje?

 

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 comentários

  1. Quando uma empresa se torna monopólio, e quando alguns monopólios se unem para aplicar coisas em comum que visam eliminar concorrência, como no caso do Parler, cabe ao estado acabar com o Trust! Espero que estas empresas deixem de existir o mais breve possível, eu estou migrando e os deixando, assim como deixei a FSP, Globo, Estadão, Antagonistas, etc..

    1. Comentário perfeito! Sempre que grandes empresas resolvem juntar-se, entra o estado para viabilizar ou não a união. O que está acontecendo é exatamente o mesmo: Empresas se unem para calar outras empresas que não seguem as normas ideológicas delas. Aí a desculpa de que são empresas livres muda completamente.

  2. Como diriam os antigos: há males que vêm para o bem.

    Bendita censura essa que foi feita, pois (ainda) há tempo de buscar formas alternativas de comunicação.

  3. Essas redes são um aparelho do Partido Democrata e de um sistema globalmente coordenado que visa a implantação de um modelo globalista no Ocidente. Não são neutras e servem como válvulas de controle do fluxo de informação e opinião. Mas esse processo de censura está sendo conduzido de uma maneira muito desastrada. A credibilidade dessas redes despencou, e a partir de agora só vão servir àqueles que postam fotos de viagem e dos cãezinhos.

  4. Realmente. Enquanto os CEOS das tais redes não perceberem a queda em suas receitas pela debandada consciente de seus usuários, a censura unidirecional há de continuar. Os detentores do monopólio, oligopólio ou truste ainda não se convenceram que as “restrições” unilaterais ainda arruinará, cedo ou tarde suas redes. O que mais impressiona é que pensam estar “passando a limpo” o mundo político com um pano ideológico sujo como esse…

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.