Deputados querem nova CPMF para manter auxílio emergencial

Dupla do Solidariedade apresenta medida para extensão do benefício até 2022
-Publicidade-
Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil | nova cpmf - auxílio emergencial - deputados do solidariedade - paulinho da força e zé silva

Dupla do Solidariedade apresenta medida para extensão do benefício até 2022

nova cpmf - auxílio emergencial - deputados do solidariedade - paulinho da força e zé silva
Foto: Agência Brasil
-Publicidade-

Dois deputados federais pelo Solidariedade defendem a manutenção do auxílio emergencial pago pelo governo federal a famílias de baixa renda até dezembro de 2022. Para manter ativo o benefício por esse período, Paulinho da Força (SP) e Zé Silva (MG) defendem a criação de imposto nos moldes da antiga CPMF.

Leia mais: “A matemática fantasiosa dos votos na eleição da Câmara dos Deputados”

Ou seja, a dupla de parlamentares defende a existência do auxílio emergencial até o fim do atual mandato de Jair Bolsonaro à frente da presidência da República. Em emenda à Medida Provisória sobre o benefício, os dois deputados sugerem que o valor a ser pago mensalmente pelo Poder Executivo seja de R$ 300.

“Propõe-se também a criação de uma contribuição””

“Como forma de angariar recursos para seu financiamento, propõe-se também a criação de uma contribuição”, afirmam os congressistas em trecho da emenda, conforme informa o portal UOL, como se os pagadores de impostos pudessem decidir em aderir ou não ao imposto chamado, nesse caso, de “contribuição”.

Em nota, Paulinho da Força explicou como se daria a cobrança da nova CPMF. “Uma vez que boa parte dos recursos empregados retornam aos cofres públicos por meio da arrecadação de impostos, tendo em vista que a maior parte deste benefício é utilizado no consumo, propomos a prorrogação do auxílio até 31 de dezembro de 2022”, afirmou.

A Medida Provisória sobre a continuidade — ou não — do auxílio emergencial chegou a ser inserida na pauta da Câmara dos Deputados na última sexta-feira, 18. O tema, contudo, não chegou a ir à votação.

Caciques do partido

Além de deputados federais, Zé Silva e Paulinho da Força ocupam posições de destaque dentro do Solidariedade. O primeiro é líder da bancada da legenda na Câmara. O segundo é o presidente nacional do partido.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comments

  1. Esses parlamentares mantém os vícios brasileiros da esmola permanente, ou seja, quem de baixa renda vai procurar emprego se tem essa mamata até 2022?.
    Eu concordo com a tributação não sonegável do estilo CPMF, alias como propôs Paulo Guedes para cobrir a DESONERAÇÃO da folha para todos os setores empresariais. Ai, nossos nobres parlamentares, parte do empresariado e imprensa derrubam qualquer projeto de tributação exitoso no combate a sonegação e que tributa a todos. Um pais que sobrevive com esmolas, jamais será desenvolvido.

  2. Mais dois imbecis opinando bobagens. Estão querendo aparecer? Coloquem uma melancia na cabeça e vão às ruas. Vão procurara o que fazer, babacas!

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site