Eletrobras e empregados travam disputa sobre volta ao trabalho presencial

Categoria conseguiu liminar contra a volta às instalações da empresa desde o início da pandemia de covid-19
-Publicidade-
Fachada da Eletrobras, no centro do Rio de Janeiro | Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Fachada da Eletrobras, no centro do Rio de Janeiro | Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Os empregados da Eletrobras conseguiram na Justiça o direito de não assinar um documento imposto pela holding para quem não se sente seguro de voltar ao trabalho presencial, o que está previsto para a próxima segunda-feira, 3.

Esta já é a sexta liminar obtida pela categoria contra a volta às instalações da empresa desde o início da pandemia de covid-19.

-Publicidade-

De acordo com a Advocacia Garcez, que representa os Sindicatos dos Trabalhadores das Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia-RJ), o documento imposto pela Eletrobras aos funcionários que não se sentem seguros para voltar ao trabalho presencial — seja por terem comorbidades ou conviverem com pessoas com comorbidades —, teria cláusulas onerosas para os empregados.

“O documento é praticamente draconiano, cheio de responsabilidades para o trabalhador, sem garantias por parte da empresa nem negociação com as autoridades sindicais, o que contraria o acordo coletivo que prevê, quando há alteração de normas, a negociação prévia com a autoridade sindical”, explicou ao jornal O Estado de S. Paulo o advogado Diego Bochnie, sócio da Advocacia Garcez.

Segundo Bochnie, a Eletrobras avisou que o empregado que não assinasse o documento teria de voltar ao trabalho no dia 3 de janeiro. Por isso, a liminar foi obtida com urgência no plantão da 74ª Vara da Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro na última quinta-feira, 30.

Com informações do Estadão Conteúdo

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

16 comentários Ver comentários

  1. Outra casca de banana pro governo, que se resistir até julho- caso não haja uma atitude criminosa contra o capita- é reeleito.
    Queremos todos nós com um pouco de lucidez a PRIVATIZACAO.
    A PREVARICACAO QUER O PSOL, PT, PCDOB E PDT.
    Há instituição que lhes dê ouvidos.

  2. Ta ai ficamos carregando estas estatais nas costas, esta ai é a turminha do Fica em Casa, o salarinho pinga certinho todo mês na conta, trabalhar pra que, tem estabilidade, não podem ser exonerados, é o estado inchado que a petezada tanto ama, e que vai piorar se os urubus voltarem, pois vão ter que acomodar novamente os cumpanheiros.

  3. Depois de quase dois anos em lockdown, alguém aí acha que esses caras vão voltar àquela vidinha de antes? Agora é home office e olhem lá!

  4. Sério???? Teve gente que nunca parou…. Ficaram espostos no auge da pandemia e essa burguesia se recusa a trabalhar???? A luta do governo federal para privatizar esta estatal está sendo árdua, cabe a nós população começar a pressionar os congressistas e ficar de olho neles. Ano que vem terá eleições…

  5. Espero que até os fãns da esquerda percebem que a Verdadeira Burguesia é o servidor publico e não o empresario que tem de enfrentar um leão por dia pra pagar as dividas contraidas + contas + impostos que infelizmente alimentam essa “PORCA GORDA JÁ NÃO ANDA” (musica.calice gilberto gil+caetano veloso)

      1. Nao tem nada de generalização 90% dos funcionarios publicos sao vagabundos esquerdistas q nao cumprem suas tarefas

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.