Gilmar Mendes desbloqueia bens da mulher e do filho de Beto Richa

Eles são réus em operação que apura pagamento de propina a agentes públicos por empresas de pedágio no Paraná
-Publicidade-
Ministro do STF Gilmar Mendes preside sessão da Segunda Turma | Foto: Nelson Jr./SCO/STF
Ministro do STF Gilmar Mendes preside sessão da Segunda Turma | Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes determinou o desbloqueio, em até R$ 166 milhões, dos bens e contas financeiras de Fernanda Richa e de André Richa, esposa e filho do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB).

A decisão é de 16 de dezembro, mas foi publicada na segunda-feira 10. O bloqueio havia sido determinado pela 23ª Vara Federal de Curitiba, em 2019, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), registra o portal G1.

-Publicidade-

Os três são réus na Operação Integração, que apura pagamento de propina a agentes públicos por empresas de pedágio no Paraná.

O desbloqueio decidido por Gilmar Mendes também se estende para a concessionária Viapar, que administra rodovias na região norte do Estado, do ex-presidente Marcelo Stachow e do ex-diretor Jackson Luiz Ramalho Seleme.

Segundo o MPF, o esquema desviou, desde 2000, R$ 8,4 bilhões por meio do aumento de tarifas de pedágio do Anel de Integração, e de obras rodoviárias não executadas.

A propina paga em troca dos benefícios, conforme os procuradores, foi estimada em pelo menos R$ 35 milhões.

As denúncias sustentam que o esquema de pagamentos de propina pelas concessionárias de pedágio teve início há cerca de 20 anos.

Conforme os procuradores, a corrupção elevou as tarifas de pedágio pagas pelos usuários e fez com que apenas 25% das obras previstas fossem realizadas.

Em delação, o ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), Nelson Leal Júnior, afirmou que as irregularidades começaram em 1997, na apresentação de propostas das concessionárias, que foram superfaturadas.

Além disso, os investigadores dizem que o método usado para calcular o investimento que as concessionárias deveriam fazer em obras nas rodovias permitiu que as empresas se desobrigassem de concluir obras iniciadas, sob alegação de que já haviam cumprido a meta financeira estipulada por elas mesmas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. É óbvio , o stf só serve a isso, desbloquear bens roubados…uma quadrilha que tem esse stf não precisa de mais nada…por quanto saiu mesmo💰💰💰💰

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.