Guedes: PEC dos Precatórios é vítima de ‘narrativas falsas e politizadas’

Ministro da Economia discordou dos que chamam o projeto de 'PEC do calote' e disse que, na verdade, o texto 'evita o calote'
-Publicidade-
Ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Reprodução/Abiquim Oficial
Ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Reprodução/Abiquim Oficial

Nesta sexta-feira, 3, um dia depois da aprovação da PEC dos Precatórios no Senado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a rebater críticas à proposta.

Para o ministro, estão sendo construídas “narrativas falsas e politizadas” sobre o tema. Ele discordou dos que chamam o projeto de “PEC do calote” e disse que, na verdade, o texto “evita o calote”.

-Publicidade-

“O que está acontecendo com o atual ritmo de crescimento dos precatórios é que muito rapidamente a inflação subiria, colocando em ameaça, aí sim, o recebimento dos precatórios, e, aí sim, a ameaça de um calote”, afirmou.

Durante participação em um evento da indústria química, Guedes também pontuou que o projeto aprovado não é a versão inicial apresentada pelo governo, mas considerou o texto final satisfatório.

“A versão final aprovada não é a nossa versão original, mas ela é satisfatória. Sabemos agora que as despesas com precatórios vão subir também obedecendo ao teto”, afirmou.

“Isso nos dá previsibilidade pelo menos pelos próximos quatro ou cinco anos. Gostaríamos que fosse para sempre, mas aprovaram só até 2026”, lamentou.

Uma das mudanças feitas pelo Senado foi em relação ao tempo em que os pagamentos de precatórios ficarão limitados ao teto. Os senadores reduziram o período e, pelo texto aprovado, a medida valerá até 2026.

Ontem mesmo, Guedes disse que preferia a versão inicial da PEC, mas destacou que, como o texto passa pelo Legislativo, “mexem aqui e mexem ali” e, neste sentido, acabou sendo “o mal menor”.

Entre outros pontos, a proposta limita o pagamento anual dos precatórios, que são dívidas da União reconhecidas pela Justiça e altera a fórmula para calcular o teto de gastos, o que dará mais dinheiro para o governo em 2022.

Na prática, o texto abre caminho para o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400. O programa substituiu o Bolsa Família.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Um país sério não faria uma revisão judicial provocada pelo MPF, dos precatórios “assustadores”? Alguém lembra daquela CPI de JUDICIÁRIO que o famoso senador Antonio Carlos Magalhães (Toninho Malvadeza) conseguir abrir no Senado em 1999 e livrou o BANCO DA AMAZÔNIA de indenizar a bagatela de R$106 BI à madeireira Sabin ex devedora do Banco?
    Esse METEÓRO de R$ 90 bi colocados no colo do governo Bolsonaro, em seu ultimo ano do mandato é provocador demais, e deveria ser denunciado aos tribunais internacionais.

  2. Por conta de uma cruel doutrinação de mais de 30 anos em nossas escolas, do marxismo cultural incrementado pelo gramscismo e pelo fabianismo, adaptado aqui por Paulo Freire, deixamos de produzir menos pessoas capazes de reagirem como adultos responsáveis e mais a agirem como idiotas plenos. Esse é o nosso maior problema, quer seja por absoluta ignorância aliada à falta de bom senso e/ou por corrupção e má-fé.
    A enorme maioria dos que se chegaram a alguma boquinha pública tem esse viés de nada entender em relação a qualquer área do conhecimento, e sem lógica, atuam apenas em criticar aqueles que não lhes são iguais.
    É a “Educação Crítica” que tanto destruiu a instrução do brasileiro!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.