-Publicidade-

J.R. Guzzo: O que são ‘fake news’?

Para o colunista de Oeste, a única coisa boa que poderia acontecer com o projeto de lei que trata desse assunto é cair no arquivo morto
Projeto de lei está em discussão no Congresso Nacional | LEWIS OGDEN/CREATIVE COMMONS/FLICKR
Projeto de lei está em discussão no Congresso Nacional | LEWIS OGDEN/CREATIVE COMMONS/FLICKR | Projeto de lei está em discussão no Congresso Nacional | LEWIS OGDEN/CREATIVE COMMONS/FLICKR

Para o colunista de Oeste, a única coisa boa que poderia acontecer com o projeto de lei que trata desse assunto é cair no arquivo morto

j.r.guzzo
Guzzo argumenta que, nas redes sociais ou em qualquer meio de comunicação, o juiz tem de ser o público
Foto: LEWIS OGDEN/CREATIVE COMMONS/FLICKR

Está em discussão no Congresso Nacional o projeto de lei das fake news. Em síntese, a medida proíbe os brasileiros de mentirem nas comunicações que fazem na internet.

“Nunca se viu nada parecido neste país, em seus 520 anos de história oficial: políticos querendo que se diga a verdade”, observa o colunista de Oeste J.R. Guzzo em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com ele, só é possível proibir legalmente alguma coisa se a lei diz, com 100% de clareza, o que é essa coisa. Por exemplo: todos sabem o que é um homicídio. “Mas o que são fake news?”, indaga o jornalista.

Guzzo recorda que, em 2018, vários veículos de comunicação informaram que Jair Bolsonaro perderia contra qualquer candidato no segundo turno. Portanto, seria isso notícia falsa? Com certeza é notícia errada.

Leia mais: Entenda o que é a lei das fake news

A lei poderia separar a falsidade do erro?

“Aparentemente, o que distingue uma coisa de outra é a intenção de quem publica a notícia. Mas como seria possível a Justiça descobrir qual é a intenção de alguém num caso desses?”, interpela Guzzo.

O colunista argumenta que, nas redes sociais ou em qualquer meio de comunicação, o juiz tem de ser o público.

“É justo proibir o uso de robôs, identidades falsas e outras patifarias eletrônicas. Mas para que todo o resto? A única coisa boa que poderia acontecer com a lei das fake news é cair no arquivo morto.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Poderíamos comparar a eventual lei das Fake News com a Lei do Desarmamento e indagar o seguinte: a lei do desarmamento é eficaz? Absolutamente não. Quem são aqueles que têm vantagens com o desarmamento? E os que têm desvantagens? Com a lei das fake news, certamente já poderemos antecipar quem terá vantagens e incolumidade, e quem terá desvantagens e cerceamento da liberdade. Todos nós pagamos impostos e desejamos responsabilidade e decência nos atos administrativos.

  2. Fake News mais propagadas em passado recente : ” Foi Golpe “, ” Ele é preso político”, ” O Homem mais puro da humanidade “, ” O País é auto suficiente em Petróleo”

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês