PDT tenta barrar Marco do Saneamento

Partido entra com ação no STF para questionar medida que prevê a universalização do saneamento no Brasil até o fim de 2033
-Publicidade-
Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi | Foto: Renato Araújo/EBC
Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi | Foto: Renato Araújo/EBC

Partido entra com ação no STF para questionar medida que prevê a universalização do saneamento no Brasil até o fim de 2033

Carlos Lupi
Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi | Foto: Renato Araújo/EBC
-Publicidade-

O PDT ingressou nesta quinta-feira, 23, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal questionando o Novo Marco Legal do Saneamento Básico.

O texto, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 15 de julho, prevê a universalização do saneamento até o fim de 2033 e é considerado uma das maiores ações de enfrentamento à pobreza no Brasil.

LEIA MAIS: A votação do saneamento prova: o PT tem compromisso com o erro

O anúncio da ação foi feito pelo presidente nacional do partido, Carlos Lupi. Segundo ele, a sigla quer impugnar “todos os trechos” em que ele avalia que o direto à água foi violado.

“O acesso ao saneamento deve ser universal e não permitiremos que seja tratado como mercadoria!”, disse Lupi nas redes sociais.

Além do PDT, de Carlos Lupi e Ciro Gomes, apenas partidos de esquerda como o PT e o PCdoB foram contra a proposta que deve modernizar o setor no Brasil.

O novo marco possibilita que a iniciativa privada atue no setor de saneamento e deve injetar até R$ 700 bilhões no Brasil nos próximos 12 anos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já afirmou que o novo marco do saneamento seguirá exemplos de outros setores. Ele lembrou do caso da telefonia celular, que só expandiu no país após privatização das companhias telefônicas.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.