-Publicidade-

Processo de ‘impeachment’: Alerj recorre de decisão favorável a Witzel

A Alerj quer restaurar comissão contra o governador
O governador Wilson Witzel | Foto: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
O governador Wilson Witzel | Foto: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL | governador wilson witzel - rio de janeiro - alerj - processo de impeachmet - stf - josé cruz - agência brasil

A Alerj quer restaurar comissão contra o governador

governador wilson witzel - rio de janeiro - alerj - processo de impeachmet - stf - josé cruz - agência brasil
O governador Wilson Witzel | Foto: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) cumpriu o que prometeu no meio da última semana e, assim, ingressou no sábado, 1º, com recurso contra decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em favor do governador Wilson Witzel.

Leia mais: “Lula diz que gostaria de ver Moro disputar uma eleição

Conforme noticiado por Oeste, a Alerj já tinha definido que iria se movimentar contra a decisão do presidente do STF, Dias Toffoli. Por meio de decisão monocrática, devido ao recesso do Judiciário, ele dissolveu a comissão especial que havia sido formada para analisar o processo de impeachment contra Witzel.

De acordo com a argumentação de Toffoli, a Alerj não respeitou a chamada proporcionalidade dos partidos no Legislativo fluminense para compor a comissão. Entendimento esse que é, entretanto, questionado pela Casa. Autor do pedido contra o governador, o deputado Luiz Paulo (PSDB) disse que os procedimentos foram corretos.

Reconsideração

No pedido, a Alerj pede que Dias Toffoli reconsidere a sua posição inicial. Como argumento, o Legislativo fluminense defende que a comissão foi então formulada em sintonia com os líderes partidários. Além disso, argumenta-se que a orientação vinda do STF pode fazer com que uma nova comissão para analisar o impeachment terá de ser formada pelos 70 deputados estaduais do Rio de Janeiro.

“Não ocorreram conflitos partidários, não houve registros de chapas nem candidatos avulsos”, diz a Alerj no pedido direcionado ao STF.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês