-Publicidade-

‘Rachadinha’ na Alerj abrange PT e outros partidos

Em 2018, o Coaf revelou que assessores do presidente petista da Assembleia, André Ceciliano, teriam movimentado R$ 49 milhões; 14 siglas estão sob suspeita
Sessão na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro | Foto: THIAGO LONTRA/ALERJ
Sessão na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro | Foto: THIAGO LONTRA/ALERJ | Sessão na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro | Foto: THIAGO LONTRA/ALERJ

Em 2018, o Coaf revelou que assessores do presidente petista da Assembleia, André Ceciliano, teriam movimentado R$ 49 milhões; 14 siglas estão sob suspeita

rachadinha
Sessão na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro | Foto: THIAGO LONTRA/ALERJ

Sob a luz dos holofotes, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz são suspeitos de embolsar recursos públicos através da chamada ‘rachadinha’ da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A prática é ilegal mas infelizmente comum no Brasil.

Em síntese, assessores de gabinete devolvem parte do salário que recebem para o parlamentar que os contratou.

Segundo relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) publicado há dois anos, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, de forma atípica. Assim sendo, parte do dinheiro supostamente foi parar nas mãos de Flávio.

Contudo, o valor é menor se comparado aos R$ 49,3 milhões supostamente desviados pelo deputado estadual André Ceciliano (PT-RJ), atual presidente da Alerj. De acordo com a Justiça, no mesmo período, quatro assessores dele teriam feito depósitos considerados incomuns.

Até o momento, porém, Ceciliano teve apenas os sigilos bancário e fiscal quebrados.

Além disso, a rachadinha abrange outros partidos. De acordo com o Coaf, a segunda movimentação de dinheiro mais expressiva teria sido praticada por funcionários e ex-funcionários do gabinete do deputado Paulo Ramos (PDT). Eles supostamente movimentaram R$ 30,3 milhões na época.

Com a medalha de bronze fica o ex-líder do governo Witzel na Alerj Márcio Pacheco (PSC). Em suma, foram identificadas movimentações financeiras feitas por nove assessores dele que somaram R$ 25,3 milhões. Portanto, desta forma, a lista de suspeitos é longa.

Outros envolvidos

Em 2018, o Coaf liberou um relatório detalhado com os nomes de parlamentares que teriam desviado dinheiro público: assim sendo, 75 servidores e ex-servidores de 22 deputados estaduais filiados a 14 partidos diferentes — entre eles PT, PSL e PSOL. O total dessas operações chega a pouco mais de R$ 207 milhões.

Os nomes que teriam feito movimentações atípicas em 2016 (em milhões)

André Ceciliano (PT)
R$ 49,3

Paulo Ramos (PDT)
R$ 30,3

Márcio Pacheco (PSC)
R$ 25,3

Luiz Martins (PDT)
(preso) R$ 18,5

Dr. Deodalto (DEM)
R$ 16,3

Carlos Minc (PSB)
R$ 16,0

Coronel Jairo (SD)
(preso) R$ 10,2

Marcos Müller (PHS)
R$ 7,8

Luiz Paulo (PSDB)
R$ 7,1

Tio Carlos (SD)
R$ 4,3

Pedro Augusto (MDB)
R$ 4,1

Átila Nunes (MDB)
R$ 2,2

Iranildo Campos (SD)
R$ 2,2

Márcia Jeovani (DEM)
R$ 2,1

Jorge Picciani (MDB)
(preso) R$ 1,8

Eliomar Coelho (PSOL)
R$ 1,7

Flávio Bolsonaro (ainda no PSL)
R$ 1,3

Waldeck Carneiro (PT)
R$ 0,7

Benedito Alves (PRB)
R$ 0,5

Marcos Abrahão (Avante)
(preso) R$ 0,3

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês