Toffoli pede informações sobre inquérito contra Aécio Neves

Tucano é alvo de ação que tramita na primeira instância de Minas Gerais
-Publicidade-
Aécio Neves: inquérito em primeira instância | Foto: MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO
Aécio Neves: inquérito em primeira instância | Foto: MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO | aécio neves - stf - toffoli - inquérito - minas gerais

Tucano é alvo de ação que tramita na primeira instância de Minas Gerais

aécio neves - stf - toffoli - inquérito - minas gerais
Aécio Neves: inquérito em primeira instância | Foto: MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO
-Publicidade-

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, decidiu que a Justiça mineira terá de prestar informações a respeito do inquérito que tramita em primeira instância sobre Aécio Neves. Hoje deputado federal pelo PSDB de Minas Gerais, ele é investigado em ação que apura desvio de dinheiro público para a construção da Cidade Administrativa, a atual sede do Executivo mineiro.

Leia mais: “Serra pede ajuda ao STF em inquérito sobre caixa 2”

Diferentemente do que alguns veículos de comunicação chegaram a cravar na tarde desta terça-feira, 28, Toffoli não suspendeu o inquérito contra o político tucano. Mas, sim, pediu informações a respeito do processo. “Solicitem-se as informações à autoridade reclamada acerca do alegado na petição inicial, as quais deverão ser prestadas no prazo de 48 horas”, registra o ministro em sua decisão.

A suspensão do inquérito foi, no entanto, solicitada pela defesa de Aécio. De acordo com os advogados à frente do caso, o ex-governador, ex-senador e ex-presidenciável é vítima. Entre outros pontos, eles alegam que o parlamentar do PSDB é alvo de ilegalidades processuais. Nesse sentido, garantem que a Vara de Inquéritos Policiais da Comarca de Belo Horizonte barrou o acesso aos depoimentos de delatores que citam o hoje deputado — mas que era o governador quando a Cidade Administrativa foi construída.

Recesso do STF

O inquérito contra Aécio Neves não deveria ser analisado pelo presidente do STF. Entretanto, coube a Toffoli analisar o caso devido ao recesso da Casa. Fora isso, a ação no Supremo contra o tucano é de responsabilidade de Alexandre de Moraes — que chegou à Corte indicado por Michel Temer. Antes de se tornar ministro, Moraes foi filiado ao PSDB, o mesmo partido do parlamentar investigado.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.