Doses de vodca | Foto: Igor Normann/Shutterstock
Doses de vodca | Foto: Igor Normann/Shutterstock

4 tragos de vodca

As coincidências de um mundo que dá voltas
  1. Velhos hábitos

Vladimir Putin tem um andar característico, flagrado em múltiplas filmagens, que já foi até objeto de artigos científicos. Em vez de movimentar os braços livremente, utilizando-os como contrapeso aos seus passos, o presidente russo caminha de forma assimétrica, com a movimentação reduzida em seu lado direito, dos ombros à mão.

Essa forma peculiar de marcha — apelidada (e glamourizada) pela imprensa internacional como “gunslinger’s gait” (o passo do pistoleiro, em tradução livre) — é atribuída ao treinamento de agentes da KGB, o serviço secreto soviético, onde Vladimir Putin chegou à patente de tenente-coronel.

Segundo os pesquisadores, a proximidade do braço ao corpo favoreceria o acesso mais rápido ao coldre e a agilidade no saque da arma numa eventual situação de emergência. Assim caminham o líder russo e seus velhos hábitos.

  1. Tempos difíceis e seus homens

Spiridon Putin, avô paterno do presidente da Rússia, era cozinheiro pessoal de Lenin e outros líderes da Revolução Russa — uma informação que, por algum motivo, foi mantida em sigilo até 2018. Quando Stalin tomou o poder e perpetrou a carnificina dos expurgos, chef Putin e sua esposa foram poupados: “Eles eram, provavelmente, valorizados por serem pessoas de confiança”, comentou Putin, o neto, nascido em 1952 em Leningrado, onde viveu com a família em um apartamento comunitário.

Putin, o pai, nasceu em 1911, com o país sob domínio czarista. Ainda na infância, testemunhou uma revolução, uma guerra mundial e a fome russa, que matou cerca de 5 milhões dos seus conterrâneos. Lutou na Segunda Grande Guerra e foi gravemente ferido por um tiro de metralhadora; sobreviveu, assim como sua mulher, que resistiu ao cerco a Leningrado, um morticínio que vitimou ao menos 2 milhões de russos, entre militares e civis. Vladimir Putin é o filho mais velho desse casal — mas só porque seus irmãos, nascidos antes, faleceram na infância.

Reza o provérbio oriental: “Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis geram homens fracos, mas homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis geram homens fortes”… Onde estaremos?

  1. Tempos fáceis e seus homens

Emmanuel Macron nasceu em 1977, formou-se em filosofia e graduou-se em administração com mestrado em políticas públicas. Tornou-se sócio do Rothschild & Cie Banque, que o fez milionário antes dos 35 anos. Já como presidente da França, lançou mão de uma estratégia velada e intelectualmente desonesta de protecionismo agropecuário contra o Brasil, amealhando quase 150 mil coraçõezinhos em sua postagem lacradora sobre a Amazônia em 2019, ilustrada pela foto de um incêndio de décadas atrás: “Nossa casa está queimando. Literalmente. A Floresta Amazônica — os pulmões que produzem 20% do oxigênio do nosso planeta — está pegando fogo. É uma crise internacional”. Claro que pulmões não produzem oxigênio, absorvem — exatamente o que faz a floresta, que consome a maior parte do gás liberado pela fotossíntese, embora contribua de outras formas para a ecologia e o clima do mundo. Mas o que salta aos olhos é a definição do presidente francês de crise internacional.

Parece que os líderes do mundo livre finalmente depararam com uma crise internacional de verdade

Outro que já usou a Amazônia para bravatear e capitalizar politicamente foi o commander in chief Joe Biden, que, num debate eleitoral, sugeriu o pagamento — estamos aguardando! — de algo como US$ 20 bilhões para que o Brasil parasse de destruir a Amazônia. O então candidato até ameaçou: “Se não parar, vai enfrentar consequências econômicas significativas”.

Parece que os líderes do mundo livre finalmente depararam com uma crise internacional de verdade, que requer sanções concretas contra agentes políticos realmente antagônicos aos valores do Ocidente. E agora?

  1. O mundo dá voltas

Há dez anos, Mitt Romney, candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, foi entrevistado pela CNN e afirmou: “A Rússia é, sem dúvida, nosso maior inimigo geopolítico”. Romney acrescentou: “Quem sempre se alinha aos piores atores globais? A Rússia, geralmente com a China ao seu lado”.

Ato contínuo, em sua campanha pela reeleição, o presidente Barack Obama fez questão de zombar seu adversário por essa resposta:

Quando você foi perguntado qual era a maior ameaça geopolítica contra a América, você respondeu Rússia, não Al-Qaeda [grupo terrorista de extremistas islâmicos responsável pelos ataques de 11 de Setembro]. E os anos 1980 estão na linha solicitando sua política externa de volta, porque a Guerra Fria acabou há 20 anos”.

Barack Obama, o sarrista, foi o único presidente americano na história a completar oito anos de gestão com as tropas do seu país em combate ativo no exterior — uma contradição flagrante à sua plataforma eleitoral, que contemplava o encerramento de conflitos e o retorno das Forças Armadas ao lar. Durante seu governo, em 2014, os russos invadiram e anexaram o estratégico território da Crimeia, antes pertencente à Ucrânia.

Embora a anexação não seja reconhecida pela ONU, a unificação ao território russo é dada como fato consumado. Especialistas avaliam que a incursão pela Crimeia foi o balão de ensaio para um movimento mais ousado de Putin na Ucrânia, que ocorreu tão logo um democrata voltou a ocupar o Salão Oval. São as coincidências de um mundo que dá voltas…


Caio Coppolla é comentarista político e apresentador do Boletim Coppolla, na Jovem Pan

Leia também “‘Bolsonazismo’ e a banalização do mal”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

18 comentários Ver comentários

  1. Ótimo artigo. Parabéns. Está claro porque o Putin faz o que faz e fica por isso mesmo. Com um bando de velhos pedófilos, bichas, veados como governantes do Ocidente o Putin não tem o que temer.

  2. “Faniquitos identitarios”. Alguém escreveu isso com precisão. Maricas, feministas e empatéticos chorões nos principais governos ocidentais ainda levarão o mundo ao desastre de dimensões planetárias. O Brasil que se cuide com Randolfes, Moros, Leites, Dorias, Tebets, Pachecos e Kalils.

    1. Ou outro grande sucesso carnavalesco do passado: ” OLHA A CABELEIRA DO ZEZÉ, SERÁ QUE ELE É, SERÁ QUE ELE É?”
      Hoje , a CABELEIRA pode ser substituída pela BARBINHA bem delineada!

      1. Caio você tem que entrar para a politica! URGENTE! O Brasil precisa de políticos inteligentes como você. Manda bala já

  3. Penso que TRUMP teria evitado esse conflito porque jamais tentaria levar a UCRANIA para a OTAN, que afinal parece ser o grave problema para a RUSSIA ficar isolada e cercada. Sem qualquer simpatia com ditaduras comunistas, por que não deixa-las se sentir protegidas de malucos como Biden, Macron, Trudeau e Johnson se até nós democratas somos atingidos por esses tipos?

  4. Não havia melhor oportunidade para o Putin implantar o tão desejado sonho de invadir a Ucrânia. Um tempo marcado por um líder fraco à frente dos EUA, e um monte de abobalhados na UE, que se escondem embaixo da mesa ao ouvir estalar um traque.

  5. Parabéns, Caio!! Brilhante como sempre.
    Como sugestão de uma pauta a ser também considerada, como enxerga a possibilidade de uma redação abordando a forma como o presidente Putin percebe a relação do ocidente com a Russia ao longo dos últimos anos… quem é mais (ou menos) confiável?
    Por favor, esta minha sugestão não vem, nem de perto, a favor da tragédia que assola a Ucrania, a qual acho absurda. Mas entendo que o presidente Putin faz pelos russos aquilo que muitos outros “líderes” lacradores deixaram de fazer.
    Parabéns novamente.

    Marcos G Rutsatz – Santa Maria / RS

  6. Excelente análise, Caio, excelente! Mas como a cegueira oportunística está em voga, nem Biden, nem Macron, passarão recibo. “Severas restrições à economia russa”??!! Aguardem, então, o Putin fechar a torneirinha do gás para ver quem fala mais alto.
    Essa guerra tem à frente a nata dos i**tas internacionais. E Putin se refestelando.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.