Pular para o conteúdo
publicidade
Geraldo Alckmin | Foto: Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo/AE
Edição 106

A esperança do convertido

O noivado de Lula e Alckmin é tão confiável quanto um namoro entre José Dirceu e Bolsonaro

Augusto Nunes
-

Católico praticante que em campanha eleitoral virava carola congênito, conservador juramentado, antiesquerdista desde os tempos do berçário, promovido ainda na virada do século a destaque da ala direita do PSDB, Geraldo Alckmin deve todas as vitórias nas urnas a eleitores que, para derrotar o PT, votam em qualquer alternativa. No verão de 2022, aos 69 anos, resolveu mudar de lado — e protagonizou uma das mais assombrosas conversões da história do Brasil. Esqueceu tudo o que disse desde que aprendeu a falar, passou a elogiar o inimigo que vivia chamando de ladrão, filiou-se ao Partido Socialista Brasileiro e, acampado nessa ramificação da seita que vê num corrupto o seu único deus, aguarda a oficialização da candidatura a vice-presidente na chapa encabeçada por Lula.

Neste 27 de março, depois de ganhar a carteirinha que identifica um socialista brasileiro, Alckmin discursou para a plateia formada pelo que chamou de “companheiros e companheiras” ao lado de Gleisi Hoffmann, presidente do PT e representante de Lula na cerimônia da rendição. “Já me sinto em casa”, recitou. A fulminante adaptação ao novo refúgio é outra proeza sem precedentes. Geraldo Alckmin é o primeiro grão-tucano a abandonar o ninho que habitou por 33 anos para homiziar-se numa das cavernas controladas por quem sempre foi seu Grande Satã. O voo solitário escancarou o diminuto cacife político-eleitoral do tucano que por mais tempo governou São Paulo.

Até agora, só examinam a hipótese de seguir os passos de Alckmin quatro aliados politicamente desempregados: dois ex-deputados federais, um ex-deputado estadual e um ex-prefeito de Santos. Um quarteto desse calibre não assegura a ninguém o status de condutor de multidões. Portanto, devem esperar sentados os petistas que sonham com a adesão de um mundaréu de seguidores do recém-chegado. Na eleição presidencial de 2018, candidato do PSDB pela segunda vez, Alckmin conseguiu menos de 5% dos votos — desempenho que o mandou para casa ao fim do primeiro turno e por pouco não incorporou o tucano depenado ao bloco que inclui o Cabo Dacciolo. Mais: a votação alcançada no Estado que o elegera três vezes governador confirmou que no território paulista, dividido entre lulistas e bolsonaristas, não existem alckmistas.

Nunca existiram, e Alckmin sempre soube disso. Menos carismático que político de novela interpretado por Zé de Abreu, tão sedutor quanto manequim de vitrine, ele não conseguiu criar uma tribo que pudesse chamar de sua — e o tornasse menos dependente do eleitorado antipetista. Foi sobretudo para derrotar o candidato invariavelmente indicado por Lula que milhões de paulistas de nascimento ou por adoção votaram em Geraldo Alckmin três vezes. Em 2002, o vice que assumira o cargo com a morte de Mário Covas venceu José Genoíno no segundo turno. Em 2010, derrotou Aloizio Mercadante já no primeiro. Quatro anos mais tarde, também no turno inicial, impediu a entrega do principal gabinete do Palácio dos Bandeirantes ao ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha.

Em 2006, ao estrear no horário eleitoral da TV, o médico anestesista que virou político caprichou no patético esforço para ficar mais parecido com o brasileiro comum. Aconselhado pelos marqueteiros da campanha, amputou o sobrenome difícil de escrever e apresentou-se como Geraldo. A maluquice durou pouco. Alguém decerto ponderou que, no país que dá preferência a diminutivos, Geraldo vira Gê ainda nos trabalhos de parto. O prenome completo é usado só pela mãe e pelas professoras do ensino fundamental. Também a conselho da turma do marketing, o brando paulista de Pindamonhangaba ficou mais agressivo nos duelos verbais. “O governo Lula tem duas marcas: parado na economia e acelerado nos escândalos”, afirmou durante um debate na TV Record. Em outro, Lula denunciou a existência de focos de corrupção na máquina administrativa estadual comandada pelo oponente. “De corrupção você entende”, ironizou Alckmin.

Por se achar traído por João Doria, o agora socialista brasileiro traiu milhões de eleitores

Derrotado no segundo turno, Alckmin manteria a agressividade em todos os embates seguintes. Em agosto de 2014, pouco depois da escolha de Alexandre Padilha, uma coluna publicada no site da revista Veja constatou que “em São Paulo, o PT não lança candidatos a governador; lança ameaças”. A afirmação se apoiava na fila puxada por Lula em 1982 e engrossada, nos anos seguintes, por gente como José Dirceu, Marta Suplicy, José Genoíno ou Aloizio Mercadante (duas vezes). “Posso usar essa frase na minha campanha?”, perguntou Alckmin ao colunista. Liberado, usou-a para lembrar que Padilha era o perigo da hora. Em 2018, o candidato à Presidência elevou o tom em muitos decibéis.

“Não existe a menor chance de aliança com o PT”, avisou. “Vou disputar e vencer o segundo turno, para recuperar os empregos que eles destruíram saqueando o Brasil. Jamais terão o meu apoio para voltarem à cena do crime.”  Nenhuma acusação ficou sem revide. Alckmin foi acusado mais de uma vez de tratar com especial deferência o comando do PCC. E ouviu em todas as campanhas que tratava a pontapés quem tentava instaurar alguma CPI para impedir a devassa de focos criminosos no governo estadual. Em novembro passado, examinava a ideia de concorrer pela quarta vez ao governo de São Paulo para vingar-se de João Doria, que o isolou no PSDB depois de eleger-se prefeito da capital, quando lhe foi oferecida a chance de tornar-se vice-presidente sem suar camisas listradas de mangas compridas na extenuante caça ao voto.

YouTube video

No Brasil, eleitores que escolhem o presidente por apreço ao vice são tão raros quanto a ararinha-azul. Se alguém se tornou eleitor de Lula porque Alckmin trocou de time, ganha uma viagem a Cuba (com escala na Venezuela). Mas o chefão do PT não propôs o acordo de olho no eleitorado que Alckmin não tem. O que Lula busca com a aliança é transmitir um recado: quem tem um vice com tal perfil não vai enveredar por descaminhos esquerdistas. “A esperteza, quando é muita, fica grande e come o dono”, advertia Tancredo Neves. A conversão de Alckmin pareceu tão espontânea quanto seria a adesão de José Dirceu à candidatura de Jair Bolsonaro. Por se achar traído por João Doria, o agora socialista brasileiro traiu milhões de eleitores. Para candidatar-se a vice, jogou na lata de lixo a biografia e a vergonha.

“Nós temos que ter os olhos abertos para enxergar e ter a humildade de entender que Lula é hoje aquele que melhor reflete o sentimento de esperança do povo brasileiro”, torturou a forma e espancou o conteúdo durante o falatório de estreia no PSB. A frase seguinte espalhou a suspeita de que o novo companheiro está estudando dilmês: “Lula representa a democracia porque é fruto dela. Por ter conhecido as vicissitudes, é quem interpreta o sentimento da alma nacional”. A conversa fiada tenta camuflar o principal motivo da virada de casaca. Caso se consume a vitória da dupla, Lula subirá a rampa do Planalto com 77 anos e um prontuário médico que inspira cuidados. Alckmin estará com sete anos a menos e a saúde em bom estado. Todo vice tem na esperança a principal razão de viver.

YouTube video

Alckmin já foi mais sagaz. Confiante nos critérios biológicos, parece ignorar que o PT nunca aceitou a perda do poder federal nem para adversários políticos nem para beneficiários de conversões convenientes. Depois da segunda vitória no primeiro turno, Fernando Henrique Cardoso não escapou dos gritos de “Fora FHC!”. O substituto de Dilma Rousseff, despejada pelo impeachment do Palácio do Planalto, foi acompanhado o tempo todo pelo mesmo berreiro: “Fora Temer!”. Se por qualquer motivo herdar o cargo, o presidente Geraldo Alckmin será imediatamente transformado no inimigo a abater. Órfão de eleitores e parceiros políticos, terá de resistir com a ajuda da família e meia dúzia de amigos à gritaria impiedosa e interminável: “Fora Alckmin!”

Leia também “Juiz de porta de avião”

48 comentários
  1. Fabio Augusto Boemer Barile
    Fabio Augusto Boemer Barile

    Mandou as favas a honra e a dignidade na vão esperança de “herdar” a gloria da presidencia. AO ser derrotado nas urnas junto ao seu novo “Senhor”, perceberá que irá terminar a vida sem gloria, nem honra, nem dignidade.

  2. Antônio Martins
    Antônio Martins

    Boa noite , diante dessas declarações do presidiário, tudo leva a crer que eles serão derrotados nas eleições

  3. Francisco Valberto Paes Rodrigues
    Francisco Valberto Paes Rodrigues

    Difícil acreditar que esse senhor septuagenário não tenha cultivado um pingo de vergonha sequer nesses anos todos de vivência….Simplesmente ridículo…

  4. Luiz Claudio Leite de Oliveira
    Luiz Claudio Leite de Oliveira

    Excelente texto! Fiquei com um vazio acerca de : até quando o caráter de uma pessoa pode ser mensurado?

  5. Claudio Haddad
    Claudio Haddad

    CAMUFLAR O VERMELHO É IMPOSSIVEL…..MAS O COR DE ROSA É O VERMELHO CAMUFLADO DE AZUL…..O PSDB RESISTIU E ENGANOU O QUANTO PÕDE….

  6. Vicente Anísio De Sousa Maia Gonçalves
    Vicente Anísio De Sousa Maia Gonçalves

    E pensar que também votei nesse indivíduo para não deixar o pt no poder.

    1. Carlos Alberto Silva Lopes
      Carlos Alberto Silva Lopes

      Fomos muitos. Agora chega.

  7. Amaury G Feitosa
    Amaury G Feitosa

    O picolé de chuchu sempre foi o que é e será .. puro LIXO e não por acaso se alia a quem publicamente de LADRÃO … haja espírito de corpo … ou no caso de porco?

  8. Robson Oliveira Aires
    Robson Oliveira Aires

    Nota dez pelo texto. Parabéns Augusto. Essa desgraça em forma humana merece o mais profundo desprezo de todos os brasileiros.

  9. ALINE PEREIRA DO NASCIMENTO
    ALINE PEREIRA DO NASCIMENTO

    Que vergonha, esses caras realmente acreditam que o brasileiro não pensa. Eles têm essa certeza, que as pessoas não farão conexões simples e lógicas. Bolsonaro vai ganhar no primeiro turno e essa gentalha aí vai passar vergonha.

  10. Otávio Bedinelli
    Otávio Bedinelli

    Lularápio nem candidato virá. A derrota será tão esmagadora que levaria lularápio a ser enterrado de vez

  11. Ernesto Quast
    Ernesto Quast

    Parabéns ao jornalista Augusto Nunes e a equipe da Revista Oeste pelo excelente texto. Fui apoiador do Alckmin durante o seu primeiro mandato eleito como Governador de São Paulo. Já em seguida, ficou claro que ele perdeu o rumo, mas eu nunca esperava um suicídio político desses. Votei no Amoedo em 2018 e foi uma alegria ter perdido. Agora é Bolsonaro, para que não “aceleremos” igual a Argentina!

  12. Manfred Trennepohl
    Manfred Trennepohl

    Gostei do novo prato que foi introduzido no cardapio do restaurante chamado politica brasileira: lula com xuxu regado a cachaça.

  13. Marcos Antonio Japiassu Resende Montes
    Marcos Antonio Japiassu Resende Montes

    Irretocável! Me arrependo amargamente do voto em Alckmin no primeiro turno de 2018. Agora vou logo no primeiro em Bolsonaro. Tudo menos o PT.

    1. Eduardo Barboza Junior
      Eduardo Barboza Junior

      Perfeito!!!
      O mesmo aconteceu comigo!!!Assim o farei…Bolsonaro!!! PT jamais!!!

  14. José Carlos Falcão De Andrade
    José Carlos Falcão De Andrade

    Só digo 3 palavras: Alckmin é burro.

  15. Luiz Antônio Alves
    Luiz Antônio Alves

    Só para te dizer que o interior do Brasli é surpreendente. Garibaldi, na serra gaúcha teve hoje eleições extraordinárias para prefeito. PP 82%, PT 18%. Cachaça em terra de espumante não dá certo.

    1. Erico J Pereira Da Veiga
      Erico J Pereira Da Veiga

      Está bem próximo do resultado da próxima eleição presidencial. A propósito, esse resultado repercutiu em algum órgão da velha imprensa?

  16. Silvio T Correa
    Silvio T Correa

    Eu quero que o Sorvete de Chuchu, o PT e todos os integrantes, se explodam!

  17. Luiz Americo Lisboa Junior
    Luiz Americo Lisboa Junior

    A única coisa que Geraldo Alckmin vai ganhar nessa eleição será o desprezo dos brasileiros honestos e os aplausos dos bandidos.

    1. Gerolamo Ometto Nardin
      Gerolamo Ometto Nardin

      bem dito

  18. Luiz Americo Lisboa Junior
    Luiz Americo Lisboa Junior

    A única coisa que Geraldo Alckmin vai nessas eleições será o desprezo dos brasileiros honestos e os aplausos dos bandidos.

  19. Paulo Sergio Tosi
    Paulo Sergio Tosi

    Mais um artigo cirúrgico do Grande Augusto. Expõe as vísceras podres desse cadáver político chamado Geraldo Alckmin.

  20. EUDAS MARQUES DOS SANTOS
    EUDAS MARQUES DOS SANTOS

    Parabens Augusto… Espero ansiosamente receber a REVISTA OESTE impressa em meu endereço… Quem sabe !!!

  21. Eduardo Bezerra Vieira
    Eduardo Bezerra Vieira

    O desespero bateu à porta do santo do pau oco!

  22. Dinarte Francisco Pereira Nunes de Andrade
    Dinarte Francisco Pereira Nunes de Andrade

    Um efeito colateral do desespero dos que querem manter ou alcançar o poder é como se despem de qualquer vestígio de vergonha. Nunca se viu tanta traição a aliados e a ideais antes propagados. Já me cansei de tirar de meu panteão particular heróis que sairam do armário assumindo seus verdadeiros valores opostos aos que antes fingiam ter. Juiz emblema da integridade profissional, esperança da guerra contra a corrupção, joga tudo isto no lixo pela ambição do poder. Jornalista cujos artigos não deixava de ler, nos tempos em que VEJA era decente, funda revista “ilha” que rapidamente se mostrou uma península do continente da mesmice. Só dois exemplos, sem falar em toda a corja que se elegeu literalmente às custas de Bolsonaro. Até agora sigo firme com a excelente equipe da Oeste, sem exceções. Continuem assim, o Brasil merece.

  23. LAERTE GRANEIRO RUSSINI
    LAERTE GRANEIRO RUSSINI

    A aliança de Geraldo com Lula está de acordo com os princípios do PT, falta de caráter, mentiras e chegada ao poder a qualquer custo

  24. Valdinei Soares De Oliveira
    Valdinei Soares De Oliveira

    O PSDB sempre foi uma esquerda envergonhada. Seu DNA é o mesmo do PT. Fernando Henrique quase chorou ao passar a faixa presidencial a um ex-operário e agora ex-presidiário. A astúcia do diabo é se passar pelo que não é, como dizia Baudelaire.

    1. Erico J Pereira Da Veiga
      Erico J Pereira Da Veiga

      Alguns dirigentes, pode ser, Valdinei. Os eleitores não. E os números confirmam. Menos de 5%, votando em Geraldo, comprovam que os tucanos, como nós, foram de mala e cuia, fortalecer a eleição do capitão, já no primeiro turno. Ficamos “encabulados” em participar do governo, mesmo o apoiando nas votações na camara e no senado. Perdemos representatividade e votos.

  25. Fernando Antonio Roquette Reis Filho
    Fernando Antonio Roquette Reis Filho

    Brilhante. Há muito essa ficha caiu prá mim. Lula está claramente decadente, física e mentalmente. O câncer está de volta e o Alckimin já está de olho na alça do caixão. Se não se chega a presidência pelo voto, quem sabe pelo atestado de óbito.

  26. Adelmo Sérgio Pereira Cabral
    Adelmo Sérgio Pereira Cabral

    Que coisa vergonhosa. Esse Alckmin deve ser um desmemoriado ou então um homem sem o mais mínimo pingo de vergonha na cara. Será que esse sujeito não tem um filho ou um neto que olhem para ele e digam pai, vô o senhor tá envergonhando a nossa família. O Senhor por mais de uma vez chamou o Lula de ladrão e outras coisas mais, como então o senhor está se aliando e até elogiando o ladrão.

    1. ITAMAR ANTONIO PIFFER
      ITAMAR ANTONIO PIFFER

      Esta é a natureza do PSDB. Sabiam disfarçar melhor no passado mas o síndrome de abstinência leva a atitudes desesperadas

  27. José Roberto Leonetti
    José Roberto Leonetti

    Grande dupla de salafrarios. O mau cheiro destes dois é tanto, que sente-se a quilômetros de distância. Vamos varrer está sujeira de uma vez por todas em outubro.

  28. Antonio Carlos Neves
    Antonio Carlos Neves

    Na minha avançada idade (76) e ex tucano desde Montoro e Covas, recentemente identifiquei os maus caráter FHC e Doria que admirava no passado, mas jamais imaginei o conservador, centro direita, respeitoso e extremamente religioso Geraldo Alckimin tivesse qualquer aproximação com a esquerda que merecidamente desqualificava.
    Fiquei surpreso com minha inocência, de considerá-lo ao sair do PSDB, que seu nome poderia formar uma excelente chapa BOLSONARO/ALCKIMIN, seguramente apoiada por muitos tucanos que já em 2018 votaram em Bolsonaro contra essa esquerda peçonhenta. O sucesso dessa chapa poderia ser invertida em 2026 com Alckimin/Bolsonaro e tornar um governo conservador, liberal e democrático no respeito às religiões, costumes, minorias, enfim, pacificadora vitorioso por muitos anos.
    Entendo que Alckimin deixou de frequentar as missas dominicais.

  29. PAULO SÉRGIO BARCI
    PAULO SÉRGIO BARCI

    Para mim, a adesão do Alkmin à esquerda não passa de uma tentativa de golpe do PT. O carniça sabe e já está convencido de que não tem a mínima chance de se eleger e na última hora deverá desistir e passar o cetro para ele, Alkmin. Sem duvidas, vai haver racha no PT mas, na última hora a palavra do carniça será a decisão final, como sempre foi. O PT não tem outro candidato que não seja alguém, que na realidade, sempre foi parceiro. O Alkmin está vibrando com isso e está totalmente cego de pelo prazer de ser candidato. Nomearão alguém do partido como candidato a vice e pronto, a ”m…” está feita . O que é real, é que estão desesperados e procurando alguma alternativa para retornarem ao poder. Graças a Deus o povo está acordando para uma outra realidade e o PT está nos seus dias finais. A limpeza do país vai começar em 2022.

  30. carlos roberto de moura
    carlos roberto de moura

    PiPi, a dupla Pixuleco e Picolé, não resiste debaixo da claridade da luz do sol.

  31. Marcelo Martins
    Marcelo Martins

    Sempre votei em Alckmin para governador de SP. Agora, minha decepção não tem tamanho! Alckmin jogou na lata do lixo a sua história e biografia!
    Se Lula ganhar, ainda terá uma sobrevida política e uma pequena chance de se tornar presidente pelos infortúnios da vida!
    Se Lula perder, a carreira política de Alckmin estará acabada e só lhe restará voltar para Pindamonhangaba e curtir o ostracismo político!

  32. Luzia Helena Lacetda Nunes Da Silva
    Luzia Helena Lacetda Nunes Da Silva

    Chuchu podre e escroto.

  33. Carlos Benedito Pereira da Silva
    Carlos Benedito Pereira da Silva

    Genial o comentário, parabéns. Genial, também, o premonitório samba “Balaio do gato e do rato”, cantado por Martinho da Vila, na década de 80. É um verdadeiro hino para dupla gato e rato. Vale pena ouvir. “Agora o gato e o rato estãocomerndo no mesmo prato”, e o refrão: “o gato da queijo pro rato e o rato da peixe pro gato”.

  34. Roberto Borges Silva
    Roberto Borges Silva

    O que estaria por trás dessa guinada de 180 graus nessa etapa da vida? Acredito que essa decisão envolve alguma coisa sobre a qual ainda não temos conhecimento.

  35. LUCIANO MACHADO
    LUCIANO MACHADO

    Esse homem e capaz de tudo Lula que se cuide.

  36. Eliel De Torres
    Eliel De Torres

    O prato deve estar sendo preparado em um caldeirão de bruxa: Lula com chuchu

  37. Amyr G Feitosa
    Amyr G Feitosa

    Isto vai terminar gerando um baita jacaré na cadeia.

  38. Aeduardo
    Aeduardo

    Grande e insuperável mestre Augusto Nunes!
    Texto esplêndido, definidor e que merece releitura permanente para nunca esquecermos o ‘alquimista’ Geraldo, o Gê vulgo geraldinho chuchu.
    Figuras como esta que me causam asco, costumo manter-me a certa distância segura por uma condição quase explícita nas imagens e vídeos publicados, que revelam meu temor… Explico e você nos contatos pessoais mantidos poderá esclarecer a certeza:
    “Este insignificante tem mau hálito, amigo!”
    Estamos diante portanto não de uma chapa eleitoral, mas de um cardápio inusitado!
    Chuchu com lula regado a muita cachaça. Um acepipe inimaginável e revelador que
    é oferecido à mesa eleitoral presidencial de 2022.
    Temos ainda outra iguaria sinistra neste restaurante virtual medonho:
    ‘Um marreco rouco manco na iminência de ser abatido por desconhecer o que é poleiro!”.
    Quase me esqueço em informar ser o ‘chef’ do estabelecimento um ‘formoso’ senhor de hábitos estranhos em calça apertada dançando com máscara em protesto na Paulista. (https://www.youtube.com/watch?v=S0XrL0p0bN8)
    Finalizando informo que nunca foi tão fácil a escolha para outubro de 2022.
    Grande abraço e guarde sempre: Você mostra a cobra, nós trucidamos, ok?
    AEduardo

  39. Dirceu Bertin
    Dirceu Bertin

    Xô Alckmin

  40. Luiz Wargha
    Luiz Wargha

    a decepção foi grande!!!
    Fora Alckimin!!

    1. Michael Pagno
      Michael Pagno

      Baita texto “ mestre” . Honra e dignidade, pelo jeito nunca foram o norte desta turma.

  41. Lucy Pimenta de Lima
    Lucy Pimenta de Lima

    Ah Augusto Nunes, que deleite é ler e ouvi-lo.

Anterior:
Imagem da Semana: Jornadas de Junho
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 221
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.