Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Indignação e inconformismo

Apesar de constar em nossa Constituição que todos os cidadãos são iguais perante a lei, isso não é verdade

Muitos brasileiros estão indignados e inconformados pela forma como o Brasil tem sido conduzido nos últimos anos. Criaram excesso de governo nas esferas municipal, estadual e federal, agigantaram a máquina, não conseguiram fazer a estrutura pública funcionar de maneira eficiente, a burocracia continua infernizando a vida do cidadão, mantiveram a voracidade do Estado na arrecadação de impostos e, principalmente, baixa contraprestação de serviços aos cidadãos, o que mostra a falência do aparato estatal em cumprir seus objetivos.

A monstruosa arrecadação é suficiente apenas para custear a onerosa, lenta e gigantesca máquina estatal, e pouco sobra para os investimentos necessários à infraestrutura e ao saneamento. A população é prejudicada pela deficiência e pela má qualidade na educação, na saúde e na segurança. E não é por falta de recursos, pois estes são abundantes. Os Ministérios da Saúde e Educação, por exemplo, possuem os maiores orçamentos. É questão de falta de competência na administração e na gestão do dinheiro dos pagadores de impostos. É falsa a afirmação de que se trata de dinheiro “público”. Não existe dinheiro público, existe o dinheiro que pertence aos cidadãos, arrecadado de forma coercitiva, mas ainda assim continua sendo dinheiro do povo, e o governo é apenas o administrador desse monstruoso caixa e o faz de forma muito pouco eficaz. Na maioria das vezes, essas alocações dos recursos seguem uma ordem de prioridade de acordo com as expectativas e as necessidades dos partidos, dos políticos e dos governantes de plantão, e não do povo.

Acredito que essa indignação do povo brasileiro se intensificou devido às políticas governamentais dos sociais-democratas nos últimos 35 anos e aos resultados advindos de nossa Constituição, denominada de “cidadã”, que criou duas classes de cidadãos. Os de primeira categoria, servidores públicos, concursados ou eleitos, e os de segunda categoria, os pagadores de impostos que sustentam os primeiros. Os servidores dos Três Poderes, para ficar em apenas um exemplo, recebem o vale-refeição em dinheiro, enquanto os trabalhadores da iniciativa privada, aqueles com carteira assinada, não possuem essa mesma facilidade. Esse absurdo foi recentemente mantido na Câmara dos Deputados quando os nossos parlamentares votaram para manter essa desigualdade entre os cidadãos brasileiros, fortalecendo a separação entre os servidores, de primeira categoria, e os pagadores de impostos, de segunda categoria. Curiosamente, os funcionários da Câmara dos Deputados também recebem seu vale-refeição em dinheiro. Apesar de constar em nossa Constituição que todos os cidadãos são iguais perante a lei, isso não é verdade. Ao contrário, há uma segmentação de nossa sociedade com um grupo de pessoas encasteladas no Estado que possui remuneração, benefícios, benesses, férias, gratificações, mordomias, penduricalhos e aposentadorias jamais sonhadas na inciativa privada.

O Brasil ao longo dos anos virou um verdadeiro Estado-empresário, com mais de 600 estatais, que, com raríssimas exceções, têm sido saqueadas ao longo dos anos

Os brasileiros estão indignados pela péssima qualidade da educação que tem forte presença ideológica e não conseguiu retirar 11 milhões de brasileiros do analfabetismo e manteve 38 milhões de analfabetos funcionais. Isso nunca foi uma prioridade para os sociais-democratas. Mesmo governando o país por 35 anos, ainda continuamos com esse elevado número de analfabetos e analfabetos funcionais, negando-lhes o pleno exercício da cidadania e da inclusão social. É inadmissível que, em pleno século 21, 35 milhões de brasileiros ainda não possam fazer uso de água tratada e 100 milhões de cidadãos não tenham acesso à rede de esgoto.

Os brasileiros estão inconformados ao presenciar a inversão de valores em nossa sociedade, na qual os bandidos são mais protegidos pelas instituições públicas e pelas organizações não governamentais de esquerda que os policiais, ampliando insegurança generalizada em todo o país. Chegou-se ao ponto de o Supremo Tribunal Federal proibir que policiais mantenham a ordem e a segurança nos morros do Rio de Janeiro, onde estão instaladas as maiores quadrilhas do país. Nem mesmo helicópteros podem sobrevoar a área. Com medidas assim partindo do Estado, que deveria proteger seus cidadãos, os brasileiros têm todos os motivos para manifestar o seu inconformismo e a sua indignação. No presente momento, presenciamos candidatos sociais-democratas mais à esquerda defendendo práticas, legislações e punições mais leves e brandas para a bandidagem.

O Brasil ao longo dos anos virou um verdadeiro Estado-empresário, com mais de 600 estatais, que, com raríssimas exceções, têm sido saqueadas ao longo dos anos. As estatais dependentes custam por ano R$ 22 bilhões aos pagadores de impostos. Estatais ineficientes, mas que remuneram regiamente seus servidores com salários e benefícios diferenciados e de longe melhores que os da iniciativa privada. O Estado é comumente um infrator, e as estatais são uma violação do Art. 173 da Constituição, competindo deslealmente com a iniciativa privada. Isso tudo dá motivo ao cidadão brasileiro para se sentir indignado e inconformado.

Em minha passagem pelo governo, em que permaneci por 18 meses, conheci as entranhas do poder, vivenciei a “máquina” por dentro, fui testemunha ocular do jogo político e constatei que o Estado brasileiro foi privatizado pelas corporações dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Percebi que o Estado é o fim em si mesmo e que se serve do cidadão, em vez de servi-lo. Precisamos, urgentemente, “desprivatizar” o Estado!

A solução para as mazelas do Brasil passa pela adoção e pela implementação do ideário liberal, baseado no Estado de Direito, na liberdade política, liberdade econômica e liberdade individual, liberdade de expressão, direito de propriedade, livre mercado e o fortalecimento da iniciativa privada. Assim obteremos diminuição das desigualdades e da pobreza e, por consequência, reduziremos nossa indignação e inconformismo.


Salim Mattar é presidente do conselho do Instituto Liberal

Leia também “Estatais com lucro: é hora de vender”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

12 comentários Ver comentários

  1. A primeira coisa a fazer para mudar essa situação é aprender a votar. Nas próximas eleições em outubro desse ano não votar em candidato esquerdopata, social-democrata já é um bom começo.

  2. Sua trajetória como executivo q gera centenas de empregos, fez da sua empresa líder do mercado, desburocratizada gerido com eficiência. Lhe Pergunto: O que o sr. foi fazer no governo? lá nada funciona. Não acredito que com a competência como empresário ao ser convidado para a difícil tarefa de vender estatais, e o sr. não vendeu nenhuma, não que não quisessem, mas forças ocultas não deixaram. lhe fizeram de bobo.

  3. A partir de de zero hora de primeiro de janeiro de 2023 vamos mudar o artigo primeiro da constituição
    —-Todo Poder emana de Bolsonaro e por ele e Michele será exercido

  4. Essa privatização do país pelas corporações de funcionários públicos, principalmente do legislativo e judiciário, jamais terminará a se manter as quatro linhas dessa constituição de compadres. E lembremos que os militares também são funcionários públicos, não muito diferentes dos civis quando o assunto é “meus direitos adquiridos, minhas feria-prêmios, minha aposentadoria integral, minha pensão vitalícia para filhas solteiras, etc, etc, etc

  5. O artigo é verdadeiro.
    Mas devemos ter consciência de que no caso do Brasil, o aparato estatal precedeu o povo brasileiro e passou a existir desde o Tratado de Tordesilhas.
    Ou seja, a burocracia se instalou no país mesmo antes de existir o sentimento de brasilidade propriamente dito.
    Somente com os ideais liberais conseguiremos enxergar isso e dar ao Povo o controle do poder.
    Democracia é povo na rua, o resto é retórica!

  6. Sou adepto de sua tese no texto e a defendo. Entretanto, cabe um esclarecimento para melhorá-la. A palavra “público” vem do latim “publicus” e significa “relativo ao povo”. Portanto, você comete um equívoco quando diz que não existe dinheiro público. Traduziram mal essa frase atribuìda a Margareth Tatcher. Se o dinheiro do erário é obtido através de impostos cobrados do povo, por conseguinte, ele é obviamente píblico. O que não existe é “dinheiro do governo”. Este não produz riqueza e quando produz dinheiro, produz inflação, exatamento o que deteriora o valor da moeda (dinheiro) e o poder aquisitivo do povo (populus).

  7. Em artigo análogo fiz a mesma observação que farei nesse ótimo artigo. De que adianta saber o quê fazer se os que podem fazê-lo não o farão? Votar certo? Essa teoria já caiu por terra, pois sabemos que apenas 5% são eleitos pelo voto popular. Os outros 95% são verdadeiros inquilinos das casas legislativas, ou seja, se elegem arrastados pelos votos do “puxador de votos” e com isso, essa corja não deseja mudar o que lhes satisfaz! Se o Congresso não se renova em sua maioria, todas essas mazelas listadas pelo Salim Mattar vão se perpetuando sem que vejamos uma luz no fim do túnel. À propósito, em um outro texto poderia dizer-nos o que nós, cidadãos de segunda categoria, poderíamos fazer para mudarmos esse crime de lesa cidadão?..

    1. Uma alternativa é uma REFORMA POLÍTICA com voto distrital, mas temos que ter claro que só conseguiremos isto com povo nas ruas e mobilização, como no 7/9. Não conseguiremos esta mudança com likes e curtidas, a Cleptocracia que domina o país só tem medo de povo nas ruas.

  8. Eu trabalhei no Governo Federal por 38 anos e posso confirmar tudo o que o Salim Mattar escreveu em seu ótimo artigo ! Só reelegendo Bolsonaro nosso país poderá sair do atraso e da corrupção trazida pela maldita Constituição de 1988 e pelos governos que se seguiram a ela !

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.