Pular para o conteúdo
publicidade
NAO USAR!!!! DESTAQUE ED 127
Luiz Inácio Lula da Silva | Foto: Paulo Ti/Futura Press
Edição 127

Lula e suas ‘mancadas do bem’

Discursos do ex-presidente candidato viram dor de cabeça para a esquerda e forçam o consórcio de imprensa a maquiar manchetes

Silvio Navarro
-

No último sábado, 20, os organizadores da campanha de Lula à Presidência arriscaram mais uma vez um gesto que tem tirado o sono dos seus aliados: entregar um microfone nas mãos do petista. O evento reuniu 4 mil pessoas no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo. É possível notar a apreensão no semblante da plateia, como tem ocorrido quando ele pede para discursar. As falas, mais uma vez, caíram muito mal.

“Quer bater em mulher? Vá bater em outro lugar, mas não dentro da sua casa”, disse. “Quando quero conversar com Deus, não preciso de padres ou de pastores. É assim que a gente tem que fazer para não escutar mentiras.”

O palavrório do fim de semana se soma a uma verdadeira sucessão de barbeiragens que Lula tem cometido nos últimos meses. A afirmação de que Jair Bolsonaro “não gosta de gente, só gosta de policial”, dita no fim de abril, ainda não foi contornada com a categoria. A frase ainda azedou o clima da comemoração do 1° de Maio, preparada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), para o dia seguinte. Lula teve de abrir a festa pedindo desculpas.

No mesmo dia, até o escritor Paulo Coelho, um dos cabos eleitorais do petista na lista de famosos, se manifestou: “Se Lula continuar com essa incontinência verbal. E se não investir em comunidades sociais de maneira inteligente e profissional, vai permitir que o atual inquilino do Planalto tenha sérias chances de reeleição”, escreveu no Twitter.

Na última semana, foram publicadas dezenas de notas em colunas do consórcio da imprensa sobre os “deslizes” do petista. A avaliação dos aliados é que Lula “não tem mais filtro”. Os comícios têm sido selecionados a dedo e são cada vez mais raros. Oficialmente, a campanha informa que Lula tem poupado a voz.

A fala desastrosa sobre agressão às mulheres que incendiou as redes sociais no fim de semana foi dita no mês em que há uma campanha do governo Bolsonaro em curso sobre os 16 anos da Lei Maria da Penha. A ministra da Mulher, Cristiane Britto, tem participado de rodadas de entrevistas no rádio e na TV para falar sobre novas ferramentas para o registro de denúncias on-line criadas na atual gestão.

A bancada feminina também tem se queixado da frequência com a qual ele se refere à virilidade, aos 76 anos. “Estou com tesão de 20”, costuma dizer publicamente. A avaliação delas é que a expressão soa como machista.

Outro ponto delicado é a defesa do aborto. A mensagem inicial, que agradava à militância, era assim: “Aqui no Brasil, a mulher não faz o aborto porque é proibido, quando na verdade deveria ser transformado numa questão de saúde pública e todo mundo ter direito e não ter vergonha”.

A retórica causou estrago no eleitorado evangélico. Precisou ser substituída às pressas por essa versão na carta de intenções de governo: “O Estado deve coordenar uma política pública de cuidados e assegurar às mulheres o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos, políticas essenciais para a construção de uma sociedade mais igual”.

As muitas formas de fechar uma Igreja

De todas as mancadas, o que mais preocupa o PT atualmente é o vaivém com o eleitorado evangélico. As igrejas apoiam majoritariamente a reeleição de Bolsonaro. Nesse segmento do eleitorado, a principal figura é a primeira-dama, Michelle, estrela da campanha deste ano. Pastores também estão bastante ativos nas redes sociais, o que irrita a esquerda. Mas, ao levar essa insatisfação para o palanque, Lula aumentou o incêndio.

“Eu não sou candidato de uma facção religiosa. Sou candidato do povo brasileiro” (Minas Gerais, 17 de agosto)

Os partidos que formam a coligação com o PT pediram à Justiça Eleitoral nesta semana a retirada de postagens em redes sociais que vinculem a esquerda ao fechamento de igrejas protestantes.

Os alvos são deputados ligados a igrejas, especialmente Marco Feliciano (PL-SP), que é pastor da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

“O deputado vem proferindo publicamente falas desinformadoras a respeito das consequências para os fiéis da religião evangélica caso o Partido dos Trabalhadores vença a eleição presidencial (…) ao propagar as falas, sem apresentar qualquer embasamento ou fundamento, trazendo ainda dados que não conferem com os oficiais, fere a imagem e a honra do partido.”

Feliciano respondeu em entrevistas. “Reitero firmemente que tenho muito receio que um governo encabeçado por Lula persiga os evangélicos. A base são inúmeras declarações públicas do ex-presidiário”, disse. “Existem muitas formas de fechar uma Igreja. Uma delas é calando os pastores ou obrigando religiosos a terem condutas antibíblicas. A igreja fisicamente estará aberta, mas na prática estará fechada.”

Uma das cartadas usadas pelos adversários de Lula é mostrar que é aliado do ditador Daniel Ortega, que fechou templos na Nicarágua. “O amigo de Lula anda prendendo padres e fechando igrejas”, disse o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do presidente. Nicarágua, aliás, era um dos nomes que Bolsonaro escreveu na palma da mão durante a entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo.

Uns bons drinques

Na segunda-feira 22, Lula novamente provocou ruídos, dessa vez com as Forças Armadas e com diplomatas. Ele participava do lançamento do livro do seu fotógrafo particular, Ricardo Stuckert, que o acompanha há duas décadas.

“O Itamaraty será aquilo que o governo decidir o que ele seja”, afirmou. “Como as Forças Armadas serão, como todas as instituições do Estado serão, aquilo que o governo quiser que sejam”

Na sequência, esticou mais a corda em relação ao Itamaraty. “Quem define é o Estado e é através de políticas do governo que o Itamaraty pode agir mais ou agir menos”, disse, ao afirmar que há excesso de conservadorismo na chancelaria. “Se você tem um governo que não define que política você quer, que não te dá orientação, é muito mais fácil ficar na embaixada servindo de drinque ou ir à embaixada dos outros tomar drinque”.

Não bastasse a sucessão de frases problemáticas, o petista ainda tem de conviver com a patrulha da cartilha politicamente correta da esquerda. Uma reportagem da Folha de S.Paulo publicada nesta semana lista o que é tratado como “escorregões”. O jornal cita menções à criação do “Ministério do Índio e da Índia” — diz que o correto seria “dos povos indígenas” — e do termo “escravo” quando se tratar de causa racial — deveria ser substituído por “escravizado”.

Bater em mulher

Há ainda pressões que beiram o ridículo, como a que tenta convencer o petista a ceder à linguagem neutra — “todes” — e parar de contar piadas sobre nordestinos. Pernambucano, Lula usa essas piadas em referência própria. Até o consumo de carne, como a tradicional frase que ele repete — “Os pobres vão poder comer picanha” —, virou problema com os vegetarianos.

Paralelamente, cabe ao consórcio de imprensa tentar minimizar o estrago. Se de um lado as frases de Jair Bolsonaro são consideradas “más intenções”, as de Lula são tratadas como “deslizes”, “gafes” e “escorregões”. É possível prever, por exemplo, como a fala sobre “bater em mulher” seria publicada se partisse de Bolsonaro. O site do PT mantém um arquivo com uma cronologia do que diz configurarem atitudes misóginas e homofóbicas do presidente. Sobre a recente fala de Lula, contudo, não publicou uma linha.

Fato é que restam pouco mais de 30 dias para o primeiro turno das eleições. É uma corrida curta. Se Lula continuar falando de improviso, até os institutos de pesquisa vão acabar desistindo dele até outubro.

Foto: Reprodução/Folha de S.Paulo
Foto: Reprodução/Metrópoles
Foto: Reprodução/Globo
Foto: Reprodução/Site Oficial PT
Foto: Reprodução/Universa/UOL
Foto: Reprodução/UOL

Leia também “Pesquisa estimulada”

17 comentários
  1. Jorge Apolonio Martins
    Jorge Apolonio Martins

    Fala mais, Lula.

  2. Valesca Frois Nassif
    Valesca Frois Nassif

    Fale, Lula! Não pare! Fale suas baboseiras cada vez mais!

  3. carlos roberto de moura
    carlos roberto de moura

    Ex-presidiário, fique na verdade, se puder.

  4. Audie Diogo Do Amaral
    Audie Diogo Do Amaral

    A melhor maneira de calar um idiota é deixar que ele fale!

  5. Claudinei Júlio da Silva
    Claudinei Júlio da Silva

    Para o ex-presidiário e descondenado, ganhar essa eleição, só se as “urnas tiverem vida própria”.

  6. Jorge Teixeira Carneiro
    Jorge Teixeira Carneiro

    “Fica calado aí, ô presidiário!”

  7. Robson Oliveira Aires
    Robson Oliveira Aires

    Ótimo texto. Parabéns. Pergunto-me se alguém ainda acredita nesse dito consórcio de imprensa? Se dependesse de mim, já estariam todos falidos e fechados.

  8. KRIKOR PASMADJIAN JUNIOR
    KRIKOR PASMADJIAN JUNIOR

    É esse o “grande líder” da esquerda nacional? Penso que é um grande fiasco, político, social e financeiro, graças a Deus.

  9. Tabajara Lucas De Almeida
    Tabajara Lucas De Almeida

    A frase que diz que mulheres não deveriam “ter vergonha” de abortar, nem cogita conter a palavra compaixão.
    Ou seja: insinua que mulheres não abortam por vergonha e não por consciência humana.

  10. Júlio Rodrigues Neto
    Júlio Rodrigues Neto

    Tesão de 20 ? Cinco por noite ? Sim, é possível. 2 tentativas e 3 desistências.

    1. FRANCISCO FERNANDO DOS SANTOS
      FRANCISCO FERNANDO DOS SANTOS

      kkkkkk…Ah, maldade! acho que nem há tentativa… só desistências.

  11. Mantovani

    Quanta ignorância nesse apedeuta!

  12. José Eduardo Ferreira Prado de Carvalho
    José Eduardo Ferreira Prado de Carvalho

    Achei engraçado Paulo Coelho ser chamado de intelectual, caraio véio, é a mesma coisa que Toquinho sem Vinicius, é assim Paulo Coelho sem Raul Seixas, ou seja, nada.

    1. Jorge Teixeira Carneiro
      Jorge Teixeira Carneiro

      Ser artista não significa ser intelectual.
      Paulo Coelho é escritor de ficção religiosa.

    2. FRANCISCO FERNANDO DOS SANTOS
      FRANCISCO FERNANDO DOS SANTOS

      Paulo Coelho, o que penso de suas obras?
      _Não li e não gostei!

  13. Edson Carlos de Almeida
    Edson Carlos de Almeida

    Lula é um grande cabo eleitoral para os adversários .

    1. carlos roberto de moura
      carlos roberto de moura

      E como se diz no interior do Brasil: Lula é um ‘animar’ do mar.

Anterior:
Imagem da Semana: monge em chamas
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 220
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.