Pular para o conteúdo
publicidade
Aparições de Janja em programas e artigos do grupo Globo | Foto: Montagem Revista Oeste/Reprodução
Edição 147

O novo departamento de propaganda do PT

Como Lula transformou a Rede Globo, maior emissora do país, em um ‘puxadinho’ do PT

Edilson Salgueiro
-

Historicamente chamada de “golpista” por militantes, intelectuais e políticos petistas, a Rede Globo está disposta a deixar essa marca no passado. Não sem motivo. A maior emissora do país, outrora irrigada com pomposa verba publicitária estatal, sofreu períodos de abstinência nos últimos anos. Vale tudo para encher novamente os cofres. Até mesmo transformar-se numa espécie de departamento de propaganda não oficial do “lulopetismo”.

A primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja, é o símbolo da conversão do plim-plim. A mulher do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi uma das convidadas especiais do programa Altas Horas, que, no sábado 7, homenageou o cantor Milton Nascimento. As câmeras da emissora buscavam Janja em praticamente todos os momentos. A cada música, um close-up. Ao fim do programa, o apresentador Serginho Groisman direcionou sua fala à primeira-dama. “Sei que teremos, a partir de agora, mais luz e mais esperança em nosso país”, afirmou.

É a terceira grande aparição de Janja na Globo desde as eleições. Em novembro, a primeira-dama concedeu uma entrevista às jornalistas Maju Coutinho e Poliana Abritta, no Fantástico. Na ocasião, disse que gostaria de “ressignificar o conteúdo do que é ser primeira-dama”. Acabou sendo escalada para organizar a cerimônia de posse do presidente eleito.

Janja voltou à emissora em 5 de janeiro. O motivo? Denunciar os supostos danos causados ao Palácio da Alvorada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e pela ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro. Na GloboNews, a socióloga se queixou dos tapetes velhos, sofás rasgados e de infiltração nas paredes e janelas quebradas.

Para dar credibilidade às críticas de Janja, a TV mobilizou sua equipe de edição de arte. Os profissionais criaram um “antes” e “depois” do Alvorada. Quem passou pelo canal “zapeando” estranhou e, por alguns instantes, achou que caíra num programa da GNT ou da Discovery H&H, com dicas de reforma de casas. Na Globo, o “antes” mostrou imagens sem brilho nem iluminação, e o “depois” ressaltou justamente… O brilho e a iluminação. O caso virou meme.

Michelle Bolsonaro alegou que o Alvorada se manteve preservado no mandato anterior, especialmente por se tratar de um patrimônio público. A ex-primeira-dama também criticou os gastos relacionados à reforma do edifício durante o governo Lula, em 2006. A obra custou R$ 18 milhões e foi financiada por 20 empresários ligados à Associação Brasileira de Indústria de Base (Abdib). “Prezando sempre o respeito pelo contribuinte, trouxemos nossos móveis do Rio de Janeiro e reutilizamos as panelas, os talheres, os copos, as toalhas e os lençóis que já pertenciam à residência presidencial”, escreveu Michelle.

A entrevista da atual primeira-dama à revista Vogue, do Grupo Globo, foi ao ar em 6 de janeiro — apenas um dia depois da “vistoria” do Alvorada. Seria a terceira tentativa de promover a imagem da petista. “Sou deste jeito: muito expansiva”, salientou. “Converso, canto, danço sozinha em casa. Não vou ser diferente porque tenho de ser a mulher ‘certinha’ do presidente da República. Tenho uma história de vida que me dá condições para discutir algumas coisas.”

‘Não deve nada à Justiça’

Mas não é apenas de Janja que vive a Globo. Lula também abastece a nova máquina de propaganda do Projac. Ainda durante as eleições presidenciais, o petista recebeu as bênçãos dos jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos. “O senhor não deve mais nada à Justiça”, disse o âncora ao então candidato à Presidência, durante entrevista no Jornal Nacional. Renata assentiu com a cabeça e mostrou-se afável ao sabatinado.

“Bonner e Renata ouviram com o coração em descompasso os ataques a Bolsonaro, e contemplaram com cara de paisagem as críticas a Lula”, observou  o colunista Augusto Nunes, em artigo publicado na Edição 127 da Revista Oeste. “A dupla do Jornal Nacional fez o que pôde para confirmar que o estúdio da Globo virou comitê eleitoral, promovida a palanque de Lula ao longo da sabatina de araque. O que se viu foi um comício da alma viva mais pura do planeta, como garante o ex-presidiário tão orgulhoso do alentado prontuário policial que se refere a si próprio na terceira pessoa do singular.”

“Sou deste jeito: muito expansiva”, salientou. “Converso, canto, danço sozinha em casa. Não vou ser diferente porque tenho de ser a mulher ‘certinha’ do presidente da República

Nunes acrescenta que Bonner “fingiu ignorar que Lula está em liberdade não por ter sido inocentado, mas pela chicana parida pelo ministro Edson Fachin e avalizada pela maioria do Supremo Tribunal Federal”. “Ao inventar a Lei do CEP, que transferiu para Brasília os processos que envolveram o ex-metalúrgico que enriqueceu sem emprego fixo, o rábula de toga sentenciou à morte por prescrição de prazo decisões de nove juízes de três instâncias que condenaram Lula a uma longa temporada na cadeia pelas negociatas expostas nos casos do triplex do Guarujá e do sítio em Atibaia. Na sabatina, o termo Mensalão foi mencionado uma única vez. Petrolão, nenhuma”, afirmou.

A sabatina com Bolsonaro teve um desfecho diferente. Bonner abriu a entrevista com uma pergunta que consumiu 110 palavras, por exemplo. Com 212, lembrou o site Poder360, Abraham Lincoln produziu o Discurso de Gettysburg — uma das maravilhas da retórica universal. Em razão do palavrório do âncora, o então candidato à reeleição brincou: disse ter ficado feliz de ter testemunhado o “Pronunciamento à Nação de William Bonner”. Os jornalistas falaram durante 40% do tempo destinado à sabatina de 40 minutos.

‘Nuvens bonitas’

Os afagos entre Globo e Lula se acentuaram depois das eleições. Na transmissão da cerimônia de posse, por exemplo, enquanto o petista se aproximava do Congresso Nacional para ser empossado na Câmara dos Deputados, Bonner celebrou a paisagem que se formava atrás do presidente.

“São imagens muito bonitas”, ressaltou o âncora do Jornal Nacional. “Bonitas também porque estão coroando o processo democrático de uma eleição. São imagens para a História. Até as nuvens de Brasília parece que ficaram mais bonitas hoje, para que o quadro tivesse essas cores.”

Bonner continuou o discurso. “É um clima muito tranquilo em Brasília, muito diferente do que o noticiário pós-eleição pudesse sugerir”, considerou.

Propaganda cinematográfica

Mas a história não termina aí. Na mesma semana em que Lula vestiu a faixa presidencial, a GloboNews exibiu o documentário Visita, Presidente. Trata-se de um registro dos 580 dias em que o petista ficou preso na Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba. A produção mostra como o período de cárcere dialoga com aquele que promete ser o governo petista.

“São imagens muito bonitas”, ressaltou o âncora do Jornal Nacional. “Bonitas também porque estão coroando o processo democrático de uma eleição. São imagens para a História. Até as nuvens de Brasília parece que ficaram mais bonitas hoje, para que o quadro tivesse essas cores”

“O documentário é resultado de um trabalho intenso de apuração que realizei em busca da história daqueles dias na prisão e de como isso nos ajuda a entender o presente”, explicou Julia, roteirista do longa-metragem. “A rotina, as visitas, as articulações políticas nesses 580 dias transformaram Lula no 39º presidente do Brasil. O petista não chega ao Palácio do Planalto sozinho; leva consigo as testemunhas que acompanharam de perto aquilo não pudemos ver.”

Cena do documentário Visita, Presidente, produzido pela jornalista Julia Dualibi | Foto: Reprodução

No filme, há depoimentos inéditos da primeira-dama, Janja; do ministro da Fazenda, Fernando Haddad; do fotógrafo oficial de Lula, Ricardo Stuckert; e de outros personagens que visitaram o atual presidente na cadeia. O título do documentário faz referência aos anúncios feitos pelos carcereiros ao petista, quando suas visitas chegavam à prisão: Visita, Presidente.

Para alavancar as visualizações, o plim-plim liberou gratuitamente o documentário. Em princípio, o longa-metragem era acessível apenas aos assinantes do streaming Globoplay e dos Canais Globo.

A Era da Grande Mentira

Como diz J.R. Guzzo, em artigo publicado na Edição 146 da Revista Oeste, “a posse de Lula é provavelmente a tentativa mais flagrante de uso da mentira como política de Estado que o Brasil já viu em sua história”. “Nada do que foi dito ou apresentado ao público em 1º de janeiro tem algum contato com qualquer coisa que se possa chamar de verdade”, observou o colunista. “Na nova religião oficial do Brasil, Lula não é um político que foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em três instâncias e por nove juízes diferentes; também não passou 20 meses trancado numa cela de cadeia. É como se tudo o que aconteceu não tivesse acontecido.”

O presidente da República pensa que a realidade do Brasil é o que aparece nos blogs “progressistas”, no noticiário da imprensa militante e na programação da Rede Globo. Para Lula, a realidade consiste no mundo encantado de Janja, nos afagos de William Bonner e em produções cinematográficas que enfatizem suas próprias qualidades. E o departamento de propaganda não oficial dos petistas está trabalhando arduamente para alimentar esses devaneios. Como se ninguém estivesse vendo.

Capa da Revista Oeste, edição 146. Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de posse, no Palácio do Planalto | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Leia também “Operação Lava Passado”

19 comentários
  1. CARLOS ALBERTO BASTOS MESCHEDE
    CARLOS ALBERTO BASTOS MESCHEDE

    O valor que o governo paga à Globo é maior do que seus anunciantes pagam? Pelo visto, acho que sim, pois a Globo vem perdendo grande parte de sua audiência, graças a falta de credibilidade. Anunciante nenhum contrata publicidade em jornal, rádio ou televisão que não tem audiência. O Sr. Roberto Marinho deve estar se revirando no túmulo com o comportamento dos seus herdeiros.

  2. LUIZ SERGIO CARDOSO DOS SANTOS
    LUIZ SERGIO CARDOSO DOS SANTOS

    Matéria paga, fato narrado proporcional ao contrato de imagem do socialismo atual. Não importa o quanto este governo levará o País ao retrocesso, me pagando transformo vcs em verdadeiros heróis da patria. O seu passado não lhe condena mais que isto: amigo de bandido e meu amigo também.

  3. Evelise Cristina Balhesteros Bergamo
    Evelise Cristina Balhesteros Bergamo

    É, quem viveu viveu!

  4. Marilza Pinto Barcelos da Silva
    Marilza Pinto Barcelos da Silva

    Tenho a sensação que nunca acordarei desse pesadelo!!

  5. Gilson Herz
    Gilson Herz

    Parabéns Edilson pelo texto. Muito esclarecedor. Quanto a globolixo, sobreviverá porque continuará parasitando o estado. E nós, o povo, trabalhando arduamente pra pagar os impostos que sustentam essa corja de FDP. O tempo desses canalhas está contado. Quem viver, verá.

  6. Alexandre Tavares Cerqueira
    Alexandre Tavares Cerqueira

    É inexplicável ! não consigo entender ! todos estes artistas chancelando a volta de um ladrão e sua quadrilha no comando do Brasil !
    Mau- caratismo ! Hipócritas !

  7. Antonia Marilda Ribeiro Alborgheti
    Antonia Marilda Ribeiro Alborgheti

    só fico sabendo do que acontece na Globo pelo que é publicado na Oeste pois a muito tempo essa emissora não é vista na minha casa

  8. Paulo Miranda
    Paulo Miranda

    DIferenças básicas entre a Michelle Bolsonaro e essa atual que estava afundada em dívidas (até o Pinóquio de São Bernardo pagar as dívidas da atual esposa); Michelle é jovem, magra, alta e bonita; a atual é baixa, velha, gorda e feia; Michelle sabe fazer sinais de libra (para surdos); a atual nada sabe, é ignorante.

  9. IMP
    IMP

    A sintese da liberdade de expressao da Revista Oeste:
    Ser claro, para nós, significa o seguinte: só escrever de maneira a permitir a compreensão imediata do que está escrito.
    Ser conservador, em nosso entendimento, é defender claramente que as coisas boas sejam conservadas.
    Achamos que os problemas do capitalismo devem ser corrigidos com mais capitalismo, e não menos.
    Estamos convencidos de que o Estado deve interferir o mínimo possível nas atividades lícitas do cidadão.
    Somos contra a propensão dos governos de atribuir a si próprios poderes que nunca demos a eles pelo voto democrático.
    O fato fundamental sobre as ideias de esquerda, para nós, é bem claro: elas não funcionam.

  10. Mara Nadia Jorge Mattos
    Mara Nadia Jorge Mattos

    Excelente texto. Não assisto a Globolixo, por prestar um desservico ao povo brasileiro . Não faz jornalismo e sim militância política. Vergonhoso.

  11. MATHEUS LUIZ LOPES BARROS
    MATHEUS LUIZ LOPES BARROS

    Tenhamos fé em Deus. Como é que diz mesmo? Brasil acima de tudo, Deus acima de todos. Fé.

  12. Valesca Frois Nassif
    Valesca Frois Nassif

    Obrigada por vcs existirem! Não fosse por essa revista ( tb a Gazeta) , não estaria mais lendo a não ser pura literatura! Muito desanimador nosso cenário! Tomara que surjam outras “Oestes”, onde a verdade seja respeitada e o profissionalismo uma meta.

    1. Edilson Salgueiro

      Olá, Valesca!

      Obrigado pelo comentário.

      Conte conosco.

  13. jose carlos gomes
    jose carlos gomes

    Não vejo mais a globolixo, Roberto Marinho não deve estar tendo sossego no caixão em ver o que se transformou o trabalho de tantos anos, lamentável !!!!!!

  14. Danieli Juliano de Souza
    Danieli Juliano de Souza

    O pior é que essa cambada vai impedir o nosso lindo país de crescer! Mas tenho esperança que mais uma vez essa farsa de Lula caia. É que a Rede Globo finalmente caia, pq ela com sua ganância e aqueles artistas e jornalistas que não se sustentam. São todos fabricados caiam
    Na realidade. O Brasil e nos brasileiros somos muito maiores que tudo isso.
    Precisamos não ver a Globo. As pessoas saírem do Itaú. Não compráramos natura. Aí eu quero ver o valor da classe média. 🦑 é um 🐷!

  15. vicente de paula gomes
    vicente de paula gomes

    Aqui com meus pensamentos: a única maneira de salvar o Brasil é enviar toda esta caterva para algum lugar tranquilo que poderia se chamar “Campos da Paz”, ” Parque da Saudade”, “Bomfim”, “Terra Angelical”, etc. etc.

  16. Maria Cecília Vieira Bretas
    Maria Cecília Vieira Bretas

    Parabéns revista maravilhosa

  17. Edson Carlos de Almeida
    Edson Carlos de Almeida

    Para quem fazia uma visita íntima em Curitiba , esta exigente demais…..

  18. Zilda Casagrande da Silva
    Zilda Casagrande da Silva

    Augusto Nunes e JRGuzzo são brilhantes em seus artigos. Coerentes, verdadeiros e honestos com a verdade.
    Tenho repulsa ao jornalismo da Globo.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.