Vagens de cacau de Samana, República Dominicana | Foto: Sylvie Corriveau/Shutterstock
Vagens de cacau de Samana, República Dominicana | Foto: Sylvie Corriveau/Shutterstock

Os nós amargos do cacau

Cacau foi vítima de bioterrorismo no fim do século passado na Bahia e agora enfrenta praga devastadora no Amazonas

Chocolate é tudo de bom. Na base de todos os chocolates estão as amêndoas torradas e moídas do cacau (Theobroma cacao). O nome científico da espécie é inspirador: alimento (broma) dos deuses (theos). Do cacaueiro, além das amêndoas, ainda se utiliza a polpa para produzir sorvetes, sucos, geleias e até destilados. Originário da Amazônia, o cacau foi domesticado e aos poucos cultivado em regiões úmidas da América, bem antes da chegada dos europeus. No Brasil, o cacau vive sucessões de dias difíceis. No fim do século passado foi vitimado pelo bioterrorismo na Bahia. Há pouco chegou ao Amazonas uma praga devastadora, a monilíase.

Plantação de Cacau no sul da Bahia
Plantação de cacau no sul da Bahia | Foto: Francisco Dreux/Shutterstock

A agricultura, em termos sanitários, se dá bem longe da natureza. Os portugueses sabiam disso e selecionaram cultivos, em locais distantes de sua origem. No século 16, Portugal já possuía experiência empírica consolidada em seleção e melhoramento de frutas. Era o processo de “educação” e aclimatação de plantas. A ponto de Luís de Camões evocar o melhoramento obtido no pêssego (Prunus persica L.), em Os Lusíadas (Canto IX – Est. 58):

“O pomo que da pátria Pérsia veio,
Milhor tornado no terreno alheio”.

Eles introduziram diversas culturas em sua invenção do Brasil (coco, laranja, cana-de-açúcar e banana…) com o cuidado de trazer as melhores plantas, não contaminadas por pragas ou doenças. Nas ilhas do Atlântico, no século 17, criaram uma rede de jardins botânicos e aclimatação com essa finalidade.

O café é originário da África e a maior produção está nas Américas e na Ásia. Mandioca e seringueira são da América e as maiores produções estão na África e na Ásia. O dendê é africano e tem sua maior produção na Ásia. Todos distantes das pragas e das doenças de suas terras de origem. O cacau é americano e os dois maiores produtores estão na África: Costa do Marfim e Gana (50% da produção mundial), bem longe das pragas e das doenças americanas. Nigéria e Camarões têm expressiva produção de cacau, bem acima da brasileira. O terceiro produtor mundial é a Indonésia. Lá, cacaueiros e seringueiras crescem felizes, separados por dois oceanos de doenças e pragas amazônicas.

Mesmo quando o Brasil foi grande produtor, o cacau era cultivado na Bahia, isolado das pragas de sua Amazônia natal. O cacau gerou muita riqueza no sul da Bahia e para o país. Uma civilização baiana do cacau, imortalizada por Jorge Amado em livros (Cacau, São Jorge dos Ilhéus) e personagens. Até um grupo militante e bioterrorista trazer da Amazônia a praga da vassoura-de-bruxa (Moniliophtora perniciosa) e introduzi-la no sul da Bahia, nos anos 1980.

Segundo seus próprios relatos, eles foram a Rondônia de ônibus, várias vezes, buscar a doença. No retorno, amarravam ramos com vassoura-de-bruxa em árvores de fazendas escolhidas com critérios políticos. A doença se espalhou e destruiu as lavouras. O objetivo revolucionário era quebrar os “barões” do cacau. Conseguiram. E não só.

Cacau atingido pela praga Vassoura de Bruxa
Cacau atingido pela praga vassoura-de-bruxa | Foto: Reprodução/USP

Com as lavouras foram destruídas vidas e sonhos de milhares de famílias de trabalhadores rurais, pequenos e grandes cacauicultores e comerciantes. Foram extintos 250.000 postos de trabalho. Isso provocou o êxodo de cerca de 800.000 homens, mulheres e crianças das fazendas. O soicídio arruinou a economia de quase cem municípios, como demonstra o filme O Nó: Ato Humano Deliberado. Resultado? Tudo será esquecido, nada será reparado, dizia Milan Kundera. 

As consequências dessa catástrofe fitossanitária provocada ainda repercutem em uma região onde vivem quase 3 milhões de pessoas. Grandes áreas de cacau sob cobertura florestal terminaram desmatadas para dar lugar à pecuária. Além da perda econômica e social, ocorreram prejuízos enormes para a fauna, a flora e a biodiversidade da Mata Atlântica.

Eles introduziram diversas culturas em sua invenção do Brasil (coco, laranja, cana-de-açúcar e banana…) com o cuidado de trazer as melhores plantas, não contaminadas por pragas ou doenças. Nas ilhas do Atlântico, no século 17, criaram uma rede de jardins botânicos e aclimatação com essa finalidade

A produção anual brasileira, da ordem de 450 mil toneladas, caiu para pouco mais de 200 mil toneladas. Com a vassoura-de-bruxa, a participação do Brasil no mercado internacional recuou de 6% para 0,2%. A presença da vassoura-de-bruxa na Bahia se faz sentir até hoje. O Brasil deixou de ser um dos maiores exportadores mundiais de cacau. Tornou-se importador. A produção nacional não atende à demanda das indústrias de chocolate. A capacidade de processamento de cacau no Brasil é superior a 300 mil toneladas de amêndoas/ano. Segundo a Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau, da qual fazem parte as três maiores indústrias moageiras, só a capacidade industrial instalada na Bahia permite moer 275 mil toneladas de amêndoas/ano. O parque moageiro tem unidades de processamento de médio e pequeno porte e pelo menos cem marcas de chocolates. Muitas utilizam diretamente as amêndoas para obter seus produtos. Com uma produção anual média de 209 mil toneladas/ano entre 2019 e 2021, as indústrias importam cacau para reduzir a ociosidade.

Amêndoa do cacau
Amêndoas do cacau | Foto: Gustavo Mellossa/Shutterstock

Das 218 mil toneladas de cacau processadas nas indústrias, 25% são de amêndoas importadas. E surgem novos problemas. Não bastassem vassoura-de-bruxa e podridão parda, ainda há a questão tributária. A entrada das amêndoas do cacau africano, comprado pela indústria nacional com isenção de impostos (drawback), derruba o preço da commodity no Brasil e prejudica os produtores brasileiros. E há risco de eventual introdução de novas pragas em cargas de amêndoas importadas do continente africano ou alhures.

Aos poucos, o país refaz a geografia do cacau. Nos últimos anos, começou uma expansão inédita da cacauicultura em áreas não tradicionais na caatinga e no cerrado, apoiada em irrigação. Há duas décadas, cresce o plantio de cacau no Pará, na região da Transamazônica. O Estado já responde por cerca de metade da produção nacional. Sua área plantada, da ordem de 210 mil hectares, gera cerca de 340 mil empregos e até R$ 1,7 bilhão por ano. Fator de desenvolvimento social, o cacau contribui na geração de renda para mais de 30 mil famílias de pequenos agricultores. O cultivo segue em expansão no Pará e inspira cuidados por correr sérios riscos sanitários.

Parte do crescimento da área cultivada entre pequenos agricultores no Pará recorre a mudas não certificadas, de viveiros não regularizados. Esse comércio clandestino de material propagativo vem até da Bahia e do Espírito Santo, onde as condições climáticas são diferentes das do Pará. O cacaueiro é uma árvore. Quem garantirá a produtividade e a rentabilidade, por anos, de mudas não avaliadas pela pesquisa e especialistas? Uma força-tarefa (Embrapa, Agência de Defesa Agropecuária do Pará, Ceplac…) busca regularizar viveiros, conscientizar produtores e combater ilícitos.

O cacau vive sob a ameaça permanente de humanos irresponsáveis, problemas econômicos, serviços de defesa sanitária sem recursos adequados, pragas e doenças. Exemplo: a monilíase (Moniliophthora roreri). Esse fungo causa grandes perdas na produção do cacau e do cupuaçu (Theobroma grandiflorum), da mesma família do cacaueiro, e eleva custos (medidas adicionais de manejo e aplicação de fungicidas).

Cacau atingido pela Monilíase
Cacau atingido pela Monilíase | Foto: Reprodução/MAPA

Detectada no século passado na Colômbia, sua dispersão progrediu por Equador (1917), Venezuela (1941), Panamá (1949), Costa Rica (1978), Nicarágua (1980), Peru (1988), Honduras (1997), Guatemala (2002), Belize (2004), México (2005) e Bolívia (2012). Até há pouco, a doença estava presente em todos os países produtores de cacau da América Latina, exceto o Brasil. O crescimento da circulação de pessoas em países amazônicos aumentava o risco de sua introdução no Brasil.

O primeiro foco foi detectado em julho de 2021, em área urbana no município de Cruzeiro do Sul, no Acre. Medidas foram tomadas para erradicar a doença. Em agosto de 2022, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prorrogou por um ano a emergência fitossanitária de risco iminente de introdução dessa praga quarentenária no Acre, Amazonas e Rondônia.

A produção anual brasileira, da ordem de 450 mil toneladas, caiu para pouco mais de 200 mil toneladas. Com a vassoura-de-bruxa, a participação do Brasil no mercado internacional recuou de 6% para 0,2%. A presença da vassoura-de-bruxa na Bahia se faz sentir até hoje. O Brasil deixou de ser um dos maiores exportadores mundiais de cacau. Tornou-se importador. A produção nacional não atende à demanda das indústrias de chocolate

No fim do ano passado, um foco de monilíase foi detectado em comunidades ribeirinhas em Tabatinga, no Amazonas, região da tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. A Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, a Embrapa e a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas confirmaram a doença. Medidas de contingência tentarão evitar a disseminação da monilíase em outras áreas de cacau e cupuaçu.

A meta do Brasil é ser autossuficiente em cacau até 2025. Até 2030, o país quer uma posição de destaque como produtor de cacau e chocolates de qualidade, conservando o meio ambiente. Isso exigirá uma grande evolução nas tecnologias, nos produtos, em processos e serviços na cacauicultura. A Ceplac desenvolve e difunde novas cultivares de cacau, mais resistentes a pragas e doenças, e tecnologias para aumentar a produtividade do cacau: manejos culturais adequados; fertilização e fertirrigação; uso de sementes híbridas e clones de alta produtividade; controle de pragas e doenças; otimização de produtos e processos no pós-colheita e na agroindústria.

Chocolate
Foto: Shutterstock

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promoveu no Cacau Conecta AgTechs 2022 uma chamada de startups para sanar gargalos na produção. Sua última etapa e premiação ocorreu em dezembro passado, durante o Chocolat Festival 2022 de São Paulo, maior evento de chocolate e cacau da América Latina.

Todo esse esforço pode fracassar se a biossegurança do cacau falhar. As atividades agropecuárias no Brasil são e estão suscetíveis ao bioterrorismo. Basta lembrar a gravidade da eventual introdução da gripe aviária, recém-chegada ao Peru, ou da reintrodução da peste suína. Como conscientizar produtores, comerciantes, consumidores e autoridades dos riscos de ataques contra a sanidade dos cultivos? Como prevenir e conter, com serviço de inteligência, o bioterrorismo? Sem união, milhares de pequenos produtores de cacau podem ser vítimas da introdução, involuntária ou criminosa, de pragas e doenças. E o chocolate seguirá caro e amargo por aqui.

Cacau no pé
Foto: Shutterstock

Leia também “O presente da agropecuária e o futuro governo”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

17 comentários Ver comentários

  1. A informação sempre é a melhor maneira de evoluirmos. Excelente abordagem, o artigo traz a história de como visões políticas com falta de conhecimento destroem futuros. E também como a ciência agropecuária e estudos técnicos se dedicam, incansavelmente, à melhoria de vida dos brasileiros.

  2. Conhece o Midas ao contrário?
    Leiam esse artigo no link abaixo.. ao qual já recorto um trecho….

    “….Uma das piores pragas biológicas que já atingiu o País pode ter tido origem em ato de sabotagem, e não sido conseqüência de fenômeno natural. Reportagem da revista “Veja” aponta que a praga devastadora conhecida como vassoura-de-bruxa (crinipellis pernicosa) que arrasou as plantações de cacau no sul da Bahia, em 1989, foi resultado de ação de integrantes do PT…..”

    https://atarde.com.br/economia/vassoura-de-bruxa-na-bahia-sabotagem-afirma-ex-militante-do-pdt-382565

  3. Como convidar amigos para ler um artigo desta grande revista? Não encontrei os botões abaixo, acredito que é falha minha, mas, não consigo. Alguem pode me ajudar?

    1. Geraldo, bom dia! Oeste agradece seu contato.

      Todo assinante tem direito de compartilhar até 2 matérias exclusivas por edição, mesmo para quem não é assinante!

      Para isso, ao se logar, um icone igual a um “pacotinho de presente” aparecerá logo abaixo do título da matéria. Clicando sobre ele, o assinante poderá copiar o link e enviar para quem quiser. Esse link libera o acesso à matéria que é exclusiva.

      Permanecemos à disposição.

      Atencisoamente,

      Revista Oeste

  4. É interessante ficarmos sabendo desse bioterrorismo em nossas culturas, eu, particularmente, desconhecia este fato.
    É muito bom ler seus artigos que muito nos esclarece.
    Continue sempre a nos informar.

  5. Este artigo do Professor Evaristo é de valor inestimável para a agricultura brasileira e não somente o setor cacaueiro.
    Demonstra sobejamente os riscos a que estamos expostos com essas atitudes condenáveis.
    Que sirva como alerta às autoridades constituídas.
    Parabéns Mestre Evaristo por mais este artigo de tamanho discernimento.

  6. Chocólatra que sou, li e reli os ensinamentos e aconselhamentos do Prof Evaristo através de seu artigo. Esclareceu me as dúvidas que tinha com relação ao tortuoso histórico desse importante ingrediente alimentar. Que sirvam de orientação aos responsáveis pela política do cacau.

  7. Os artigos do Evaristo Miranda nos traz aulas de história, geografia, geopolítica, agronomia e conhecimentos gerais. Hoje é o que eu mais tenho prazer em ler na Revista Oeste.

  8. Ate que ponto chega a maldade do ser humano. Bioterrorismo !! Inacreditavel
    Aprendo sempre com os artigos do Prof Evaristo
    Lamento profundamente que teremos agora mais invasões de “sem terra de luxo” que Deus nos proteja e que possamos um dia varrer da nossa historia essa presença nefasta
    Nao podemos desistir

  9. Um grito de alerta.
    Um chamado à razão.
    Um compêndio de informações históricas.
    Uma crônica da irresponsabilidade brasileira.

  10. Em 1980’s a arroba do cacau valia mais que carne.
    Nem precisa explicar quem espalhou a doença, sendo que os “coronéis” eram contra o comunismo, desculpe, quero dizer socialismo…

    CEPLAC é uma bosta, e na tentativa de criar uma planta resistente à praga, clonou a planta, um erro grotesco já que a florada eram de plantas gêmeas, inibindo sua germinação. reduzindo a produção a alguns frutos por árvore.

    Mataram a região do Sul da Bahia.

  11. Notável artigo do Prof. Evaristo, exibindo de forma lúcida a situação do cultivo do cacau no Brasil, com um belíssimo relato histórico, das dificuldades encontradas pelos produtores, consequentes problemas sociais gerados , advindos da falta de uma política contínua de proteção sanitária e defesa do mercado interno e externo.

  12. Os órgãos que hoje querem impedir a monoliase são os praticaram o bioterrorismo! A CEPLAC, que praticou o ato está quase extinta, acomoda os autores diretos.

  13. Infelizmente lutamos com ideologias nefastas. Empregados capturados pelo socialismo comunismo passam a ter o patrao como inimigo. Basta fazer uma rapida analise da filosofia do MALDITO MOVIMENTO DOS SEM TERRA, sem terra mas sempre com uma boa camionete cabine dupla e 4X4, esses sao os injustiçados sociais. Tudo um conto para capturar incautos e assim destruirem as riquezas do Brasil. A maior praga no Brasil tem sido a falta de educaçao. Tem muita besta que pensa que um tal de boulos, oportunista que usa os pobres como escada para subir na sua mediocre vida, é o dono da verdade e ira resolver os problemas dos parasitas com violencia e discursos vazios e sem fundamentos racionais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.