-Publicidade-

A retórica democrata e os resultados republicanos

Parece pouco convincente a ideia de que Biden teria uma postura mais firme com a China. Trump, por outro lado, é o cara dos resultados

Os Estados Unidos seguem sem um presidente oficialmente definido, já que Donald Trump e os republicanos não concederam a vitória e o Colégio Eleitoral não deu o resultado final. A mídia anunciou o suposto vitorioso com base em projeções, mas a recontagem de votos é um direito legal e, como houve indício de fraudes, a judicialização era um caminho legítimo e natural, que o democrata Al Gore também tomou em 2000.

Enquanto o imbróglio não é resolvido, podemos refletir sobre qual o impacto de uma eventual e talvez provável mudança no comando da nação quanto ao relacionamento com a China. O que mudaria?

Se quisermos dividir a visão geopolítica dos democratas e dos republicanos de forma binária, temos basicamente o seguinte: os primeiros, mais progressistas, acreditam na influência pela retórica, costumam ser mais “suaves”, confiam no soft power, enquanto os últimos seriam menos românticos e mais realistas, pregando uma Realpolitik focada nos resultados concretos.

Essa divisão, um tanto simplista e arbitrária, sem dúvida, acaba servindo para traçar uma linha divisória entre esquerda e direita em geral. A esquerda adota uma visão mais estética, enquanto a direita tende a ser mais pragmática. Materialista, a esquerda normalmente culpa a “desigualdade” até pelo terrorismo, enquanto a direita dá mais peso aos valores morais e culturais.

Os democratas acreditam, em suma, que podem “comprar” aliados e, com isso, disseminar a democracia mundo afora, enquanto os republicanos desconfiam desses atalhos e entendem que os inimigos da liberdade precisam ser contidos com ameaças críveis até de atos militares. Os democratas são dovish, os republicanos são hawkish. Uns desejam solucionar tudo pelo diálogo, como se um chá das 5 pudesse dirimir conflitos, enquanto os outros querem falar grosso com seus adversários.

Quando o xerife cochila, os bandidos ficam mais ousados

Esse resumo breve serve para termos uma ideia de como seria um governo democrata no lugar do governo Trump em termos geopolíticos, e como isso afetaria o trato com a China. Historicamente, uma mistura dos dois estilos tem sido útil. É a estratégia do good cop/bad cop, que vemos nos filmes, ou do carrot and stick. Ou seja, abre-se um caminho para a conversa, desde que exista por trás a força dos canhões para “persuadir” melhor. A dissuasão não pode vir só com palavras, eis o ponto que os republicanos entendem melhor.

Vamos para exemplos concretos. Jimmy Carter era um presidente muito querido por alguns à esquerda, tido como uma referência moral. Mas, na prática, sua gestão na geopolítica foi sofrível e permitiu a revolução dos aiatolás no Irã, que se tornou, desde então, uma enorme ameaça para o Oriente Médio e o mundo. Ronald Reagan, tido como um cowboy beligerante e irresponsável, levaria o mundo a uma guerra nuclear, segundo os progressistas. Na prática, foi um dos grandes responsáveis pela queda do Muro de Berlim e do império soviético.

Durante o governo Obama, os Estados Unidos se aproximaram de Cuba e do Irã e se afastaram do velho aliado Israel. Obama levou o Prêmio Nobel da Paz antes mesmo de começar a governar, e sua gestão, calcada na visão de que não há nada de excepcional na América, que deveria ser modificada “fundamentalmente”, tornou os Estados Unidos mais fracos perante o mundo. Quando o xerife cochila, os bandidos ficam mais ousados. Vimos o avanço do Isis, do Irã e do Foro de São Paulo na América Latina, com a Venezuela virando uma ditadura socialista de vez.

Obama talvez seja o maior ícone dessa visão estética na era moderna. Tinha fala de estadista, enaltecia os órgãos internacionais e a importância da conversa, mas os resultados foram, uma vez mais, lamentáveis. O globalismo, afinal, não funciona. Se o mundo ocidental dependesse da ONU e de sua antecessora, a Liga das Nações, para preservar a liberdade, estaríamos todos falando russo, alemão ou chinês hoje. Tivemos no passado a Pax Romana, mais recentemente, nos séculos 18 e 19, a Pax Britannica, e agora, queiram ou não os antiamericanos, vivemos sob uma Pax Americana.

O “eixo do mal” prefere um presidente democrata

Cabe ao líder do mundo livre liderar, lutar pela liberdade, e a premissa básica aqui é ter ao menos clareza moral do que está em jogo. Estamos numa espécie de Guerra Fria 2.0, com a China no lugar da União Soviética. Os relativistas morais, incapazes de reconhecer qual lado defende de fato os valores certos, acabam enfraquecendo aqueles que defendem os valores ocidentais e fortalecendo seus inimigos. Para Nikki Haley, embaixadora norte-americana na ONU durante os primeiros anos do governo Trump, a China e a Rússia representam as maiores ameaças geopolíticas hoje. Trump tentava, com seu nacionalismo, fortalecer a musculatura norte-americana na mesa de negociações. Joe Biden, caso confirmado presidente, fará o mesmo?

É verdade que Biden já adotou eventualmente uma retórica mais dura contra a China, mas parece pouco convincente a ideia de que teria, de fato, uma postura mais firme. Trump, por outro lado, é o cara dos resultados. Trouxe até o coreano atômico para a mesa, conseguiu ajudar na costura de importantes acordos no Oriente Médio com Israel, deu golpes severos no regime iraniano e acabou com a política de “pai para filho” de Obama com Cuba e Venezuela.

Aqueles que temiam um confronto mundial em larga escala por conta do estilo de Trump morderam a língua. Uma vez mais, os “belicosos republicanos” entregaram bons resultados, enquanto as “pombas democratas” ficaram com os belos discursos e os prêmios internacionais.

Aqueles que se importam mais com a “imagem” dos Estados Unidos frente ao mundo desejam um presidente democrata. Afinal, os demais países adoram uma América mais fraca, sujeita aos ditames supranacionais, que fale bonito e em linha com a retórica da ONU. Já aqueles que se importam mais com a liberdade de fato, com os resultados, normalmente preferem um presidente republicano, duro na queda, patriota e que fale grosso com os adversários da nação.

A pergunta mais importante para sintetizar tudo o que foi dito é esta: os regimes de Cuba, Venezuela, Irã, Rússia e China torcem para uma vitória de Biden ou de Trump? Acho que a resposta é evidente. E, se o “eixo do mal” prefere um presidente democrata, não resta muita dúvida de que os amantes da liberdade deveriam torcer por Trump. Num governo Biden, os inimigos da liberdade ficarão mais ousados, e isso não pode ser algo positivo.

 

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

27 comments

  1. Somente um ocidental ressentido e niilista seria capaz de apoiar um presidente democrata nos tempos atuais. Os democratas, certamente, já foram exemplos de uma atitude pró-ocidente na qual os valores civilizacionais de matriz greco-romana-judaico-cristão eram defendidos sem concessões. Hoje, mergulhados num sentimento de culpa circular e irracional, defendem valores contrários a todos aqueles que nos trouxeram até aqui como uma civilização pujante e bem-sucedida. Globalismo, Marxismo cultural, Feminismo, Politicamente correto dentre tantas outras firulas culturais inúteis são sintomas desse existir medíocre de parte do homem ocidental. Não tenho um pingo de dúvida se quer que um governo democrata na atual conjuntura geopolítica mundial será um golpe praticamente mortal aos nossos valores tão caros.

    1. Excelente comentário, não teria feito melhor. Temos que nos unir nos valores conservadores para que essa patifaria pautada no marxismo cultural não sobrepuje as liberdades e as conquista históricas do ocidente em todos os campos destacados.

  2. Rodrigo Constantino deixou de ficar perdendo tempo com gente de “baixo patamar”para escrever suas idéias e dividi-las com leitores de “outro patamar”,em revista considerada pelos seus valores éticos e morais.Texto enxuto e conciso em que mostra os valores “estéticos”da onda azul democrática com Bidem e Obama.Faltou dizer que Cristina e Maduro agora são os caras.Que o “foro de S.P.”terá sede na Times Square e Lula seu Instituto em Miami,a CUT na Pensilvânia para reforçar o “muro da ferrugem”,MTST de Boulos em L.A.para os sem tetos das calçada e descriminação das drogas.Na real o único problema de Bidem é a saúde, que resolverá com os “mais médicos” de Cuba.Mas só pensou porque isso é “papo”para quem acredita em mudanças nos USA.Em visita à Biden o mandatário do México dirá:”Senhor Presidente derruba esse Muro” para liberar o pó.Em terra de cego,quem tem um olho emigra,dizia Millôr. Valeu Constantino.

  3. É fundamental defender a liberdade e a cultura ocidentaus. Não será Biden, o fracote esquerdista, que o fará. A América ficará mais vulnerável sob seu comando. Lamentável!

    1. Meu caro Célio, essa mensagem serve para todos os comentários. Biden, 78 anos, saúde fisica debilitada e mental, mais ainda. Acostumado as mordomias, sem responsabilidades, do congresso.No 1o. dia do mandato terá, no salão oval, 03 ligações de Putin, 04 senadores pedindo cargos, 02 ligações do embaixador chinês, 01 mensagem do comando do Pacífico, em que a China invadiu os mares do Japão e Taiwan, 01 ligação do 1o. ministro da Inglaterra, 01 ligação do embaixador na ONU, pedindo instruções, 01 bomba do ISIS na Arabia Saudita, Angela Merkel enchendo o saco, Macron ligando e querendo $$ para o acordo do clima, o covid fora de controle, uma nevasca no Maine, um terremoto na Califórnia, o papa pedindo para ele ajudar o Maduro, mexicanos ilegais invadindo o Texas, fraude descoberta na Pensilvânia, depredação na 5a. avenida, etc.etc….e eu pergunto :- Estará o mundo preparado para ter a “progressista” Kamalla Harris comandando o país mais poderoso do mundo ?? Este senhor não aguentará meio mandato !! Obama e Harris assumirão o país, apoiados por George Soros, Microsoft e Facebook !!

  4. Perfeito… curto e grosso! É assim mesmo!
    Ah! Estamos com você nesse episódio da perseguição esquerdopata por causa da tal história lá em SC!
    Estamos só esperando que divulguem quem são os vermes que o twiter está mocozando…
    Abraços pra você “tamo junto”!

      1. Excelente análise. Os que querem paz, em parâmetros ocidentais, mas não gostam dos americanos, deveriam pensar que não há sucessor deles à vista.

  5. Parabéns Revista Oeste pela acolhida solidária e digna ao Constantino. E mais importante, agregou mais valor a nossa Revista, Parabéns igualmente ao Constantino pelo Artigo lúcido e sereno, mas contundente na medida do exigido pelas vergonhosas circunstâncias e o “clima mafioso” desses “democratas” tipo bandidos figurantes de filmes “Mad Max”. Se der Democratas no final dessa tramoia – digna de Tema Enredo de Escola de Samba do III Grupo, tendo Joe Biden como carnavalesco. O grande vitorioso podera vir a ser Antonio Gramsci, o corcundinha psicopata que culpava o Mundo em geral e o Ocidente, em particular, por todo o HORROR que ele via, diariamente, pela manhã, quando se olhava em frente ao espelho. O mesmo que inspirou o ÓDIO imensurável, típico dos intelectualoides esquerdopatas medíocres que gastaram a vida pensando na melhor maneira de DESTRUIR O OCIDENTE. E, infelizmente motivou um incontável número de doentes mentais, com ele identificados. Se este for o final, prevejo que o ARMAGEDON parecerá coisa de Walt Disney.

  6. Excelente sua análise, Constantino. Como vc disse, o relativismo moral enfraquece sobremaneira a percepção dos brasileiros que torcem por Biden e, inacreditavelmente, por Harris.

  7. Eu te avisei… tem gente que não te aguenta.
    A imagem dos EUA nesta eleição foi arranhada. Como tu gosta de detalhes inóspitos e vulneráveis te digo o que eu pensei hoje, dia da eleição. Não fui votar por ser de alto risco e idoso que não precisa enfrentar a urna eletrônica (que é segura; o que me preocupa são os computadores do TSE e TREs). Moro a 70 metros do colégio onde esta a minha ZONA. Se aqui no Brasil o sistema fosse parecido com os yankees eu poderia remeter meu voto pelos correios, embora estivesse próximo dos mesários voluntários. Também poderia votar pela minha mulher, quem iria fiscalizar e denunciar?

    1. Idosos nao correm riscos se tomarem cuidados normais, contra covid e/ou outras doenças. Tambem idoso, temo apenas assaltos na rua. Moro a 3 km da minha zona.

  8. Na Roma antiga, quando os soldados retornavam de alguma campanha( normalmente extenuante) , era proibido desmobilizar a tropa e retornar aos seus lares de imediato. Acampavam sob neve e frio, chuva e sol, e sómente dias depois se reintegravam a urbe. Seus comandantes seguiam a risca o ditado que ” as facilidades do corpo, enfraqueciam o espirito” Creio que nos ultimos tempos, as facilidades de tudo, enfraqueceram tudo…

    1. 100% CORRETO.
      A última informação que li sobre esse declínio intelectual de nossa espécie, dava conta de que pesquisa recente, mediu pela primeira vez, o declínio dessa geração em relação a anterior.
      Confirmamos assim, que a facilidade da comida farta e quase gratuita leva a acomodação, a preguiça… e esta nos leva a perda da liberdade, a prisão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site