-Publicidade-

O astro do faroeste à brasileira

Gilmar Mendes lidera o elenco de ministros que soltam bandidos e perseguem o xerife

As obras que inauguraram o faroeste à brasileira, surgido na primeira década deste século, patentearam uma fórmula mais audaciosa que qualquer ousadia do Cinema Novo. Os roteiros viram pelo avesso os similares norte-americanos. É o bandido que persegue o mocinho, é o vilão que vive tentando prender o xerife, as mulheres bonitas são cúmplices dos delinquentes e o final é infeliz para gente honesta: os fora da lei acabam se livrando da cadeia. Foi assim, por exemplo, em O Mensalão Não Existiu, um clássico do gênero. Alguns figurantes foram transferidos do semianonimato para a gaiola. Mas os oficiais graduados do exército de gatunos nem esquentaram o merecidíssimo catre. Logo devolvidos à liberdade, seguiram berrando que a roubalheira foi uma invencionice de inimigos dispostos a tudo para minar a popularidade do chefão que dormia sonhando com a erradicação da pobreza e acordava planejando o sumiço da miséria absoluta.

Essas manifestações de cafajestagem farisaica, elevadas à categoria de arte nos oito anos de governo Lula, parecem coisa de principiante se confrontadas com a safra mais recente de faroestes à brasileira. Agora, os bandidos perseguem o mocinho e os vilões buscam prender o xerife com a ajuda de integrantes do grupo formado por 11 juízes que podem julgar qualquer coisa ou decidir o destino de qualquer vivente e não podem ser julgados por ninguém. São nove homens e duas mulheres, que se reúnem no Supremo Tribunal Federal. Todos cobrem com togas negras o terno escuro-Brasília ou o vestido missa das 10 no interior. Entram no plenário em fila indiana, para a abertura da sessão ou para recomeçá-la, com o semblante severo de quem chegou ao velório no momento do fechamento do caixão. Falam um dialeto inacessível a quem só fala língua de gente. Referem-se uns aos outros como “eminente ministro” (ou “eminente ministra”). Alternam o latinório com citações de juristas alemães ou italianos. O mais antigo da turma é chamado de “decano”.

Bonito é pouco para qualificar o buquê de pompas e fitas. Feio é pouquíssimo para definir o papelão que anda fazendo a maioria dos doutores em tudo. Neste fevereiro sem Carnaval, o elenco se divide entre os discípulos de Gilmar Mendes e os outros. Já faz tempo que Ricardo Lewandowski, Dias Toffolli e Alexandre de Moraes se orientam pela palavra do Mestre, que anda se gabando de ter transformado o trio em quarteto com a anexação de Cármen Lúcia. Se não estiver mentindo, e contando com o líder da bancada, já são cinco. Único indicado por Jair Bolsonaro, Kássio Marques ainda engatinha no Pretório Excelso. Mas o bloco se tornará majoritário caso o caçula continue percorrendo caminhos que levam ao colo de Gilmar Mendes. Se tal desastre for consumado, tirem as crianças da sala quando os seis derem as caras na TV Justiça. E preparem o estômago, reiterou nesta semana o desempenho de Gilmar, Cármen Lúcia, Lewandowski e Marques na sessão da Segunda Turma que fez o diabo para transformar um corrupto juramentado em vítima de medonhas injustiças, Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato em algozes desalmados e a mais produtiva operação anticorrupção de todos os tempos numa tentativa de assassinato do direito de ampla defesa e do devido processo legal. Haja cinismo.

A trupe de Gilmar faz de conta que o ex-presidente foi alvo de complô

Em tese, os ministros estavam numa sala do STF para decidir se Lula deveria ou não ter acesso a mensagens supostamente trocadas por profissionais engajados na Lava Jato e furtadas por hackers. Quem vê as coisas como as coisas são enxergou nitidamente o último ensaio dos canastrões empenhados em anular a condenação de Lula pelas maracutaias que envolveram o tríplex no Guarujá. Até as cadeiras do Supremo sabem que promotores de Justiça e magistrados costumam conversar sobre processos e investigações em andamento. Sabem que o conjunto de mensagens apenas reitera que Moro e os procuradores trabalharam unidos para desmontar o maior esquema corrupto da história. Sabem que nenhum inocente foi preso. Sabem que a condenação imposta por Moro foi ratificada pelo Tribunal Regional Federal. Mas a trupe de Gilmar faz de conta que o ex-presidente foi alvo de um complô de dimensões siderais arquitetado por gente que só pensa em prender gente que presta. O líder da bancada, claro, foi o protagonista do teatrão de quinta categoria.

(Alguns leitores hão de lembrar do velho Victor Mature em Sansão e Dalila. A força de Sansão estava nos cabelos. Mas o intérprete se concentrava nas sobrancelhas. Obedientes ao script, e orientados pelos sentimentos a traduzir — paixão, fúria, angústia, altivez —, os tufos de pelos subiam e desciam, moviam-se para os lados, juntavam-se no centro da testa ou estacionavam em perfeita simetria.  Se quisesse, Mature poderia ficar mudo do início ao fim do filme. Falariam por ele as sobrancelhas. O ator Gilmar Mendes não consegue dispensar a voz, o olhar e o suporte gestual quando se exibe no palco do Supremo. Mas a performance não teria nada de mais se não fosse o beiço. O estranho fruto produzido pelo abraço dos lábios é para o superministro o que foram as sobrancelhas para Victor Mature.)

O beiço fez o possível para convencer a plateia de que Gilmar nunca vira nada tão revoltante quanto o comportamento dos responsáveis pela devassa do escândalo do Petrolão. Projetou-se como o braço do pugilista que desfere um direto de direita, por exemplo, quando o orador despejou o palavrório decorado dias antes: “Em algum lugar mais sensível e talvez mais ortodoxo em matéria de Direito, é de se dizer: essa gente estava se permitindo torturar pessoas”. O ministro não identificou os torturados, nem esclareceu se Lula está entre eles. O beiço garantia que Gilmar estava dominado pela perplexidade. A folha corrida informa que ele só fica perplexo com sentenças condenatórias. Como demonstrou Ana Paula Henkel num artigo publicado nesta Oeste, nenhuma absolvição é capaz de deixá-lo assombrado.

Entre outras obscenidades, o ministro livrou da cadeia o doutor em estupro Roger Abdelmassih, o vendedor de nuvens Eike Batista, oficiais graduados do bando de Sérgio Cabral, o irrecuperável Anthony Garotinho, o amigo José Riva (recordista de bandalheiras em Mato Grosso), o parceiro Silval Barbosa (ex-governador do Estado em que Gilmar nasceu e ladrão compulsivo) e o compadre Jacob Barata (chefão da máfia dos transportes no Rio). A fábrica de habeas corpus que administra nos porões do Supremo funciona também em fins de semana e feriados. Gilmar não se espanta com nada. O Brasil decente é que não para de espantar-se com a desfaçatez do ministro que na metade deste ano se tornará o decano do Supremo. Ele sempre sonhou com o posto que fez de Celso de Mello o Pavão de Tatuí. Antes mesmo de chegar lá, o padroeiro dos culpados capricha na pose de Maritaca de Diamantino.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site