Paulo Freire
Paulo Freire

Paulo Freire e sua pedagogia do oprimido

É preciso ter um tipo de talento para ser idiota, perverso, perigoso, ingênuo, juvenil, arrogante e chato ao mesmo tempo

Se você quer ser um guru, uma boa forma de começar (isto é, se você for homem) é deixar crescer uma barba longa, bagunçada e desgrenhada. Assim como o poder de Mao Tsé-tung veio do cano de uma arma, para uma parcela surpreendente da população, a sabedoria ou a verdade emanam do movimento de uma barba. Sabedoria e barbas (considerando que as barbas não sejam arrumadas) caminham juntas como morangos e creme. Barbas são o slogan publicitário do sábio, ou do suposto sábio.

Isso sem dúvida explica por que Paulo Freire, talvez o intelectual brasileiro de seu tempo mais famoso internacionalmente, teve o tipo de barba em que, ou até com a qual, pássaros podiam fazer seu ninho. De que outra forma ele seria, nas palavras da Wikipedia, “considerado um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial”?

Com frequência é dito que muitos bons livros são esquecidos, mas que nenhum livro ruim é lembrado. Isso obviamente não é verdade, e a prova dessa inverdade é que a obra mais famosa de Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido, ainda está em catálogo e, presumivelmente, ainda é comprada e lida em países de língua inglesa meio século depois de seu lançamento. Ainda que o livro seja excepcionalmente ruim, não se pode dizer que ele não revele talento: porque é preciso ter um tipo de talento para ser idiota, perverso, perigoso, ingênuo, juvenil, arrogante e chato ao mesmo tempo. Se os desagradáveis não conseguem se controlar, eles têm pelo menos a obrigação de ser interessantes: esse é o único pequeno serviço que eles podem prestar ao mundo.

Dentro de todo guru existe um ditador tentando se soltar

Contudo, não tenho conhecimento de Paulo Freire como homem. Estou totalmente preparado para acreditar que ele teve muitas virtudes pessoais, como charme, inteligência e gentileza nas relações pessoais, e assim por diante. Ele pode mesmo ter sido um professor carismático, mas nenhuma virtude pessoal consegue disfarçar a completa sordidez de seu livro, que segue intocado pelo senso comum ou pela conscientização dos desastres que suas ideias podem causar, aliás, já causaram, se levadas a sério. Dentro de todo guru existe um ditador tentando se soltar.

Vamos usar como exemplo apenas um tema que perpassa o livro: que o propósito da educação deveria ser o de humanizar o oprimido. Ainda que ele pareça não notar, essa ideia contém em si a mesma atitude que ele tanto denuncia nos outros: a redução de pessoas a objetos, sua desumanização. O fato é que, enquanto você pode tratar as pessoas como objetos, elas não podem ser ou se tornar objetos e, portanto, não podem precisar de humanização. Elas continuam sendo seres humanos não importa o que você faça com elas, e é exatamente por isso que tratar os seres humanos de forma abominável é abominável.

Sou um oprimido ou sou um opressor? De acordo com Paulo Freire, preciso ser um ou o outro 

Durante minha vida, tive contato com uma grande variedade de seres humanos em uma grande variedade de circunstâncias. Estive em festas literárias e em guerras civis (as duas às vezes podem se parecer mais do que se imagina). Conversei com assassinos condenados em prisões e com freiras santificadas em missões africanas. Nunca me ocorreu que ninguém que conheci fosse menos que totalmente humano, ou seja, que precisasse ser tornado mais humano. Claro, não vou dizer que gostei de todo mundo que conheci, ou que achei que todo mundo que conheci fosse igualmente bom. Mas nunca pensei que ninguém que conheci fosse menos que uma pessoa ou, como Freire chama de maneira tão charmosa (pelo menos na tradução para o inglês), semi-humano.

Não importa quais sejam suas outras virtudes, Freire não é muito bom em pensar, pelo menos em minha opinião. Por exemplo, ele cita com admiração e aprovação a seguinte passagem do psicanalista e filósofo alemão Erich Fromm, o homem que tentou misturar o azeite do freudianismo com o vinagre do marxismo, como outros tentam preparar um molho de salada:

O prazer da completa dominação de outra pessoa (ou outra criatura animada) é a própria essência do impulso sádico. Outra maneira de formular o mesmo pensamento é dizer que o objetivo do sadismo é transformar o homem em uma coisa, algo animado em algo inanimado…

Agora, para qualquer mente minimamente analítica (algo que, claro, Freire não tinha) isso é obviamente besteira. Um sádico, e a única exceção possível é um escultor moderno, não tortura uma pedra: ele deseja causar dor ou sofrimento e gosta do resultado, de modo que o inanimado não interessa para ele, pelo menos na realização de seus desejos sádicos. O garoto sádico arranca as patas e as asas de uma mosca viva, não morta, porque imagina que a mosca é capaz de sofrer. Conforme se torna mais sofisticado em sua zoologia, ele pode “avançar” para criaturas mais conscientes e “chegar” ao homem: mas ele nunca se assemelha ao que Fromm descreve, e ao que Freire aceita sem críticas. Acreditar que uma grande massa de pessoas precisa ser humanizada, como Freire sugere, é um convite a tratá-las à moda Fromm ou, na melhor das hipóteses, como animais de rebanho, e não como humanos ex officio.

Existem contradições mais elementares no livro felizmente curto, mas sem dúvida muito entediante, de Paulo Freire (não se pode dizer que todos sejam breves e chatos). Por exemplo, ele critica todos os tipos de educação além da que ele propõe — até Freire, ninguém pode ser considerado formado, uma atitude de impressionante arrogância, e ignorância, da parte dele — porque eles dicotomizam. Freire parece não notar que ele é um grande dicotomizador, se não da genialidade, pelo menos da completa simplicidade, uma vez que seu livro todo depende da divisão da humanidade em oprimido e opressor, como se as sociedades modernas consistissem em Genghis Khan, de um lado, e uma pilha de caveiras, do outro. [Em 1240, sob o comando de Khan, os mongóis bateram na porta de Kiev, a atual capital da Ucrânia, e mataram 48 mil dos 50 mil habitantes, erguendo uma pirâmide de caveiras.]

Sou um oprimido ou sou um opressor? De acordo com Paulo Freire, preciso ser um ou outro. Não estou tão mal de vida, mas não sou um oligarca. Tive o inefável privilégio de poder arruinar minha própria vida, em vez de alguém tê-la arruinada por mim, mas nunca fui muito poderoso. Na visão de mundo de Freire, não existe ironia, quanto mais um sentimento de tragédia. Ele acredita em algo chamado de libertação, sem mencionar em relação a quê, que pode ser os dois, total e permanente. Não é possível ser mais superficial.


Theodore Dalrymple é o pseudônimo do psiquiatra britânico Anthony Daniels. Daniels é autor de mais de trinta livros sobre os mais diversos temas. Entre seus clássicos (publicados no Brasil pela editora É Realizações), estão A Vida na Sarjeta, Nossa Cultura… Ou O Que Restou Dela e A Faca Entrou. É um nome de destaque global do pensamento conservador contemporâneo. Colabora com frequência para reconhecidos veículos de imprensa, como The New Criterion, The Spectator e City Journal.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

26 comentários Ver comentários

  1. Impossível discordar de Dalrymple. Freire, além de ser dicotômico, consegue ser gerador de uma verborragia prolixa que carece de um tradutor. Sinceramente, pedagogos(as) que dizem entender esse lunático e, pior ainda, que propagam o que pensam ter entendido, realmente precisam de ajuda!

  2. Ufa, finalmente consigo ler uma crítica ao “patrono”. E fica meu desalento: até quando este Paulo Freire continuará “Patrono da Educação Brasileira”? E aí Bolsonaro?

  3. Esse pseudo pedagogo colocou o Brasil nas últimas posições do ranking de educação no Planeta. Apenas socialistas e comunistas consideram o ignóbil Freire um grande educador. Dá até pra entender a cabeça dessa gente pelos feitos desastrosos que acontecem nos países onde este nefasto regime impera. Excelente matéria. Parabéns!

  4. Na mosca: para o Sr. Paulo Freire, que cultivava uma barba marxista, só há opressor e oprimido, assim como para o barbudo vermelho do século XIX só havia o burguês e o proletariado. Pensar de forma binária a complexidade da sociedade é raso… a profundidade de pensamento exige muito trabalho…

  5. Artigo lamentável. Começa com a desconstrução do educador e depois apela para interpretações pessoais; algo totalmente subjetivo. Parei na metade do texto. Mais um imbecil querendo carona na perseguição réles aos desafetos de uma turma raivosa.

  6. Esse culto ridiculo a vitimização que segue dicotomizando o Brasil e subverte o mérito na escalada pelo saber. Somos podres de mimados…

  7. Charlatão, não tem outro adjetivo para melhor qualificar esse que se diz ser e que nunca chega ao ponto além de uma barba que combina muito bem com um charuto cubano. É como um Lula lendo um Paulo Coelho: o primeiro não sabe ler e pega o livro de cabeça para baixo, mas não deixa de usar seus óculos de intelectual. O segundo escreve, escreve tanta linguiça que deixa qualquer um dopado. Parece haver uma ligação entre Paulos e Lula.

  8. Um completo idiota desses alçado à condição de patrono da educação (no minúsculo, mesmo). Já começo a revivescer Lombroso, mas para pensar que esses comunistas, títeres ou marionetes rasas, têm todos um biotipo, como cara patibular, barbudo, nojentão, além de psicopata social.

  9. Eu nunca gostei do método Paulo Freire, mas é a primeira vez que alguém concorda comigo. Ufa! Finalmente. Muito obrigada e Parabéns pelo excelente artigo.

  10. Paulo Freire e sua pedagogia do oprimido vêm destruindo a Educação brasileira há pelo menos 40 anos. Será muito difícil erradicar, sem dor, este tumor malígno que assolou as salas de aula de nossas escolas. Mas, temos que tentar, antes da chegada da metástese.

  11. Se eu disser que há 21 anos esse livro serviu de base para meu estágio supervisionado na faculdade de Letras alguém acredita???
    Na época eu era uma estudante ingênua,sabia que a faculdade era toda de esquerda,mas não me toquei nesse livro que tive que ler. Achei estranho ele servir de base,pq no curso todo ele foi a leitura mais fácil e mais estranha. Continha muitas idiotices, coisas muito boas, comparações sem nexo,mas eu achava que ” eu que era a burra”,pq ali estava ‘Paulo Freire’.
    Hoje me sinto tão aliviada…por um lado por estar certa sobre o livro na época. E por outro por nunca ter colocado essas babaquices nas minhas aulaa m

  12. P Freire em 1991 exerceu o cargo de secretário de cultura da cidade de SP. Foi dele a “incrível ideia” de acabar com as provas de fim de ano para a criançada. Essa “ideia” acabou viralizando no país todo de tal forma que boa parte dos guris ao encerrar o ensino fundamental, não sabe ler correntemente, além de desconhecer tabuada. Tente fazer um teste com uma criança na faixa dos 10 anos. Muitos nem ler hora, em relógios com ponteiros, sabem.

  13. Excelente artigo. Eu também tive o desprazer de ler Pedagogia do Oprimido. Um monte de rasas considerações escritas de modo a (tentar) induzir o leitor a pensar que são ideias profundas.
    A admiração acadêmica devotada a Paulo Freire só mostra o deplorável nível de nossos docentes e discentes.
    Ideologizar a educação é mais um crime das esquerdas contra a humanidade.

  14. O Brasil ocupa as últimas posições no ranking mundial de educação … não a toa, esse sujeito é o patrono da nossa Educação … um povo sem educação de qualidade é um povo fácil ser manipulado … aí você entende pq partidos de esquerda ainda dominam o cenário político no país …

  15. Os conceitos e a aplicação dos mesmos, são e foram tão ruins, que os jovens acham que PRESIDIR, vem de PRESIDIÁRIO.
    Sou assinante ha pouco tempo, mas muito satisfeito.

  16. Precisamos de um inglês para mostrar o quão ruim é esse livro e que moldou tantos imbecis no Brasil. E pensar que ele é nosso patrono da educação!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.