A obra <i> O Profeta Daniel e a Casta Susana </i>, 1509-1512, de Francisco Henriques |  Fonte: Montagem sobre pintura do Acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo/Domínio Público
A obra O Profeta Daniel e a Casta Susana , 1509-1512, de Francisco Henriques | Fonte: Montagem sobre pintura do Acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo/Domínio Público

Quem cala consente. E quem fala?

Não apenas as pessoas têm biografias, nem apenas os dentes têm raízes, também os têm as palavras

Numa das pestes de Lisboa, inspirado em episódio bíblico tido por apócrifo, um pintor belga tratava de antigas ameaças à mulher ainda presentes nesta outra pandemia

Dois dos três homens a acusavam de adultério e ela dependia do terceiro para não ser morta a pedradas. A pintura a óleo sobre madeira de carvalho mostra uma mulher jovem e linda trajando um longo vestido vermelho com dobras. São quatro pessoas e três delas olham para um juiz sentado num trono com dossel.

O Profeta Daniel e a Casta Susana, de Francisco Henriques, 1518 | Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

Quer dizer, era no tempo em que homens julgavam as mulheres sem clemência alguma por qualquer coisinha. Faz muito tempo que ocorreu isso? Sim, foi há milhares de anos, bem longe do Brasil, mas muitos feminicídios estarão ocorrendo nesta pandemia no país que ocupa o desonroso quinto lugar entre nações que mais assassinam mulheres no mundo.

Todos os personagens do quadro morreram: a ré, os acusadores, o juiz. Poucos anos depois de concluí-lo, morria em Lisboa, levado pela peste de 1518, também seu autor, o belga Francisco Henriques. Obedecendo a seu mecenas, o rei português Dom Manuel, o artista entrara na onda de representar temas bíblicos para atender a encomendas das Cortes católicas, ainda mais quando inspirados em episódios considerados apócrifos pelos protestantes, por causa da Reforma, contra a qual já se organizava o movimento da Contrarreforma. Francisco Henriques retratou, então, a absolvição que dera à história um final feliz para a acusada e punira duramente os acusadores.

A peste que levou o pintor ia e voltava naqueles anos e foi devastadora. Ele quis sair de Lisboa, mas o soberano obrigou-o a permanecer e ele ficou. Afinal, manda quem paga e obedece quem faz o trabalho.

Todavia o povo continuava vivendo, mulheres concebiam, crianças nasciam, tanto que alguns anos depois nascia o maior poeta português, nosso velho conhecido dos anos de formação. Dentre os leitores desta revista, certamente há quem se lembre das dificuldades impostas por seus versos quando éramos obrigados a pôr em ordem sintática esclarecedora o que ele contava na primeira estrofe de Os Lusíadas de modo tão arrevesado.

Sim, leitores, falo de Camões, que no Brasil é ainda muito popular e designa conhecido prato com um ovo sobre o canto do bife para lembrar que o poeta perdeu um dos olhos em batalha travada em Ceuta, enclave espanhol situado no Marrocos, na África.

Luís de Camões | Foto: Reprodução/Estante Virtual

A etimologia ensina que, mesmo contrariando o significado de origem, o verdadeiro sentido fica mais claro quando descobrimos o que a palavra significou no passado. Ceuta é um desses casos. Veio do latim Septem, sete, em razão dos sete pequenos montes simétricos da cidade e virou Septa ou Ceuta depois do domínio árabe e por fim Ceuta. Não apenas as pessoas têm biografias, nem apenas os dentes têm raízes, também os têm as palavras ditas e escritas entre uma peste e outra, entre uma guerra e outra. Enfim, pela vida afora, desde as primeiras, apenas balbuciadas, até as últimas, talvez sussurradas, quando dá tempo.

O quadro trata da ameaça de um feminicídio avant la lettre, afinal evitado. As criaturas representadas são ainda mais famosas e conhecidas do que seu criador. Os quatro personagens em destaque podem ser identificados neste trecho do best-seller número um do mundo, a Bíblia, uma palavra vinda do grego Biblos, nome original da atual Beirute. Foi por isso que o livro se chamou biblos: ali era embarcado o papiro para fazê-lo.

O texto bíblico conta que a verdade venceu a mentira, tema também de uma marchinha de Ary Barroso, lançada no Carnaval de 1940: “Quando conheci a casta Suzana,/ Nas areias de Copacabana…/ Era namorada de um “Chinês”/ Mas olhava assim para um “Japonês“.

A marchinha e o texto bíblico revolvem temas e problemas de um julgamento. Uma mulher judia chamada Suzana, cujo significado em hebraico é lírio, casada com Joaquim, homem rico e poderoso, tem o costume de banhar-se no pomar quando o marido sai de casa. E o faz habitualmente acompanhada de duas criadas, que entretanto dispensa naquele dia. Dois voyeurs, já anciães, a surpreendem e exigem troca de favores sexuais, do contrário dirão ao esposo que ela estava em atos libidinosos com um jovem.

Ela é denunciada ao marido por recusar a bandalheira e está prestes a ser condenada ao apedrejamento quando um rapaz grita que é preciso conferir se os velhos falam a verdade, pois a mulher pode ser inocente.

Separados, os dois chantagistas têm de responder sob qual árvore Suzana estava com o suposto amante. Um responde que é uma árvore pequena. Outro que é um enorme carvalho. No texto grego, são feitos trocadilhos entre os étimos de lentisco e de carvalho com os verbos cortar e serrar.

Este episódio foi utilizado por apologistas para ilustrar o provérbio “quem cala consente” (silentium videtur confessio). Entretanto, ao correr dos séculos, o seu contrário prevaleceu, uma vez que o silêncio de Suzana foi interpretado também como eloquente, por desdenhar e fazer muxoxo da calúnia.

Convém ler ou reler e refletir sobre a sabedoria contida no frasco proverbial. Suzana diz em alta voz, depois de ser condenada à morte: “Deus sabe que esses dois estão mentindo e que eu sou inocente”. O jovem Daniel revolta-se com o que pressente ser uma injustiça e pergunta aos juízes: “Vocês estão loucos? Vão condenar sem fazer pergunta nenhuma aos acusadores?”. Então, ele é convidado pelos juízes a sentar-se com eles: “Vem pra cá, Deus te deu o privilégio da velhice!” O resultado é que enfim o Bem vence o Mal, e os dois chantagistas são punidos.

Quando a atual pandemia passar, saberemos de muito mais coisas, entre as quais o que pintavam e escreviam artistas e autores recolhidos como se fossem todos mônadas de Leibniz.

Enquanto isso, esperemos que, à semelhança dos caluniadores da casta Susana, os detratores da honra alheia, tão atuantes nesta pandemia, também sejam julgados e recebam o castigo prescrito de acordo com as leis. Afinal, o que se fez na recente CPI da Pandemia não poderia sequer ser considerada atividade legislativa, quanto mais de justiça.


Deonísio da Silva é professor e escritor. Colunista da Revista Oeste, sua obra é publicada no Brasil e em Portugal pelo Grupo Editorial Almedina

Leia também A escola antiga era melhor, não era?

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

13 comentários Ver comentários

  1. O Erico tocou em dois assuntos que me faz pensar muito. Justiça? com esses Juízes?Depois que criaram a Lei Maria da Penha, o numero de ataques as mulheres aumentou consideravelmente,

  2. Então, não nos preocupamos pois “ao final da pandemia” a verdade virá a tona. É exatamente com isso que os algozes estão contando. Que a verdade só venha ao final da pandemia pois aí não tem mais jeito. É aceitar o erro ou aceitar o erro. Soros, Zuckerberg, Gates e Falci estão contando com isso é morrendo de rir. Ou tem gente de coragem ou a humanidade vai passar maus bocados.

    1. Luzia mui querida, você vê tudo de um modo todo seu. Aquela menininha tão sagaz, rodeando o pai em noite de autógrafos no Rio, hoje é diligente editora que eu adoro. Precisamos de fotos suas porque você vê coisas que não vemos, somente você as vê. Acho que vou fazer uma plaquinha para carregar: “editado por Branca Nunes”.

  3. Meu caro Marco Polo, você leu bem. Destaco o feminicídio, e reitero minha contrariedade no espaço dos leitores, porque aumentaram os assassinatos de mulheres durante a pandemia.

    1. Ok!
      As circunstâncias, clausura e escassez de recursos sem redução das necessidades, levaram as pessoas a ficar em casa num estado absurdo de impotência.
      Nossa natureza ao sermos confinados, aflora sentimentos, sensações e reações diversas peculiares a cada um e dependentes das conjunturas.
      Mulheres, idosos, doentes e crianças, são, de fato, as parcelas mais frágeis quando conflitos passam a existir entre confinados e, infelizmente, é nesse contexto que os mais fracos vão se tornando as maiores vítimas físicas daqueles que não possuem estrutura psíquica para se manterem em paz!

    2. Opa Dionisio. tudo no texto é enriquecedor. Mas é no fim, quando fala naquela cpi palhaça, que está o melhor. Os detratores da honra alheia, não podem passar impunes. A justiça TEM, SIM, que os alcançar. Gracias, por nos proporcionar tão gratificante leitura.
      Em tempo: terá a “Maria da Penha” algo a ver com o AUMENTO de assassinatos de mulheres?

  4. Sei que esta coluna pode ser para menos leitores do que as habituais. Mas quis destacar em visão panorâmica outros pontos sobre as ameaças constantes de feminicídio vistas por um episódio bíblico de todos conhecido, o da casta Suzana, cuja execução é suspensa pelo profeta Daniel, e por um quadro quase perdido na cultura portuguesa, da autoria de pintor belga insuficientemente conhecido.

    1. Entendo, prezado Deonísio.
      Sua ênfase foi quanto ao assassinato específico de mulheres, porém interpretei como se fosse um exemplo bíblico para dar ênfase ao Estado de Injustiças e arbitrariedades que atualmente vivenciamos.

  5. O problema é que, cada vez mais, mais idiotas e ignorantes vão tomando lugar na mídia, na política e nas academias, tornado esses os lugares comuns dos limitados e prepotentes ungidos. O que esperar sair de núcleos fechados, que efetivamente interferem na sociedade, e que necessitam de suas próprias historinhas e dos seus para valida-las e valora-las?
    Chegamos a um estágio tal de avanço nas sociedades ocidentais da intelligentsia, que talvez somente através de uma grande ruptura possamos tomar novamente o controle da dinâmica social sob a realidade, onde, aí sim, a verdade se faz necessária e aparecerá!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.