Governo quer ampliar porte de armas para servidores

Projeto de lei articulado pelo governo autoriza porte de armas para profissionais de segurança mesmo fora do exercício das funções e amplia porte durante o trabalho para outras 10 categorias
-Publicidade-
Agentes da Polícia Civil deflagram operação para desmantelar milícia no Rio de Janeiro | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Agentes da Polícia Civil deflagram operação para desmantelar milícia no Rio de Janeiro | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL | Agentes da Polícia Civil deflagram operação para desmantelar milícia no Rio de Janeiro | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Projeto de lei articulado pelo governo autoriza porte de armas para profissionais de segurança mesmo fora do exercício das funções e amplia porte durante o trabalho para outras dez categorias

polícia civil
Proposta autoriza porte de arma mesmo fora do exercício das funções para profissionais de segurança | Foto: Divulgação/Agência Brasil

O governo avança nas articulações para aprovar o Projeto de Lei (PL) 6438/2019. O texto autoriza o porte de armas para diversas categorias de servidores públicos. O engajamento na pauta é uma resposta a críticas de eleitores que questionam o Executivo após a votação do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

-Publicidade-

A promessa do governo é não abandonar nenhuma pauta conservadora. O líder do Executivo, Vitor Hugo (PSL-GO), prometeu isso em um vídeo publicado ontem, quarta-feira 22, em seu Twitter. Oeste apurou com interlocutores do presidente Jair Bolsonaro que a orientação é estender essa postura para pautas mais polêmicas e igualmente desejadas pelo eleitor conservador.

Assim, o PL 6438/19 é visto como o projeto ideal para acenar positivamente ao eleitorado. O texto autoriza o porte de armas a guardas municipais, agentes socioeducativos, polícia penal, auditores agropecuários, peritos criminais, agentes de trânsito, oficiais de Justiça, agentes de fiscalização ambiental, defensores e advogados públicos.

Se o projeto for aprovado da forma como está, os integrantes dessas categorias terão o direito de andar armados durante o exercício profissional. Em determinados casos, poderão usar armas individuais em todo o território nacional.

Acordo

O texto ainda preserva o direito de profissionais de segurança terem o porte de armas individuais ou profissionais mesmo fora do exercício das funções. Isso valerá para militares, policiais, bombeiros, guardas municipais, agentes socioeducativos, auditores da Receita e agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

A proposta é parte do acordo que permitiu, em 2019, a votação do porte de armas para caçadores, atiradores e colecionadores, os CACs, aprovado por meio do PL 3723/19. Com o pacto, ficou acertado que a análise de temas mais polêmicos, como o porte de armas para mais categorias do serviço público, ficaria para depois. O governo, agora, quer cobrar a fatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Com informações da Agência Câmara

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.