Os “invisíveis” pagam a conta

[caption id="attachment_236277" align="alignnone" width="1920"] Foto: BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO[/caption] Quem é a favor e quem é contra o “confinamento” total, absoluto e por tempo indeterminado para combater a epidemia do coronavírus?…
-Publicidade-
SP - REDUÇÃO/TRANSPORTE - GERAL - Passageiros aguardam ônibus em ponto na Avenida Brigadeiro Luis Antônio, região central de São Paulo, na tarde desta quinta-feira (19). Autoridades já afirmaram uma redução gradual da frota. 19/03/2020 - Foto: BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
SP - REDUÇÃO/TRANSPORTE - GERAL - Passageiros aguardam ônibus em ponto na Avenida Brigadeiro Luis Antônio, região central de São Paulo, na tarde desta quinta-feira (19). Autoridades já afirmaram uma redução gradual da frota. 19/03/2020 - Foto: BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Quem é a favor e quem é contra o “confinamento” total, absoluto e por tempo indeterminado para combater a epidemia do coronavírus? Esqueça um pouco a política. Em política, é fácil: é a favor do isolamento, em linhas gerais, quem é contra o governo, e quanto mais detesta o presidente da República, mais a favor fica. Pode jogar no mesmo saco os governadores que imaginam que vão ser escolhidos para o lugar dele nas eleições presidenciais de 2022, como o de São Paulo, os que apostam que o confinamento vai destruir a economia (e com isso acabar com Bolsonaro) e os vira-casaca que sentiram cheiro de fraqueza no governo e acham que vão lucrar pulando fora do barco.

A questão são todos os outros – e esses “todos”, desta vez, não são uma “leitura” de sociólogo ou pesquisa de ibope, mas milhões de brasileiros de carne e osso. Muito simplesmente, há uma enorme parte da população que está com medo de morrer – veem todos os dias as fileiras de caixões na Itália, a computação em tempo real do crescimento do número e mortos e as previsões que anunciam, por exemplo, “2 milhões de mortos no Brasil”, e sabe lá mais quantos no mundo, e acreditam que o melhor jeito de salvar a própria vida é ficar em casa. Este é um sentimento muitíssimo poderoso. Não há ciência que vença isso: informação, lógica, cálculos, opiniões médicas divergentes e tudo o que não estiver em acordo com o duplo lema “fique em casa-fecha tudo” não vai convencer ninguém. O confinamento é a única saída.

-Publicidade-

Todas essas pessoas só vão aceitar a volta da produção, a abertura das escolas e tudo mais que compõe a vida normal de uma sociedade quando o contágio parar. Só aí vão achar que é seguro sair de casa – eventualmente, para ser assaltado e morrer com uma bala na cabeça; 50.000 brasileiros, aliás, foram assassinados em 2019. Passarão o resto da vida, de qualquer forma, convencidos de que só escaparam do coronavírus porque foram capazes de fazer a quarentena. Não há nenhuma utilidade, portanto, em determinar quem está certo e quem está errado nessa história. O cidadão isolado tem certeza das suas razões. Tem, também, o pleno direito de defender cada uma delas.

Obviamente, o isolamento completo e a proibição de permitir qualquer aglomeração de gente, em qualquer lugar – que hoje resolveram chamar de confinamento “horizontal” – reduz o contágio pelo vírus e limita o número de infectados. A questão é a maneira pela qual essas medidas devem ser executadas, e as inúmeras gradações, variáveis e ênfases envolvidas nelas. Mas isso, para quem está a favor de ficar em casa até que a peste acabe, não é uma questão moral. É apenas uma decisão de ordem prática: o que eu acho que devo fazer para aumentar as minhas chances de não pegar a epidemia? Como muita gente está certa de que o melhor é isolar-se, é daí que vem todo esse apoio dado à repressão sanitária das autoridades locais. As pessoas podem não gostar dessas autoridades; mas são a favor, descontados os exageros e as variadas exibições de estupidez, do que elas estão fazendo.

Nem poderia ser de outra maneira: nenhum governo conseguiria impor o que está sendo imposto à população se apenas uma pequena minoria estivesse a favor. Pode ser uma minoria – e as rachas no apoio ao isolamento “horizontal” podem estar começando a se tornar mais amplas e mais frequentes – mas sem dúvida há muita gente dentro dela. Quem são? Não há informações sólidas a respeito, mas de um modo geral se pode dizer que está a favor do “fica em casa-fecha tudo” quem não precisa, realmente, de dinheiro no bolso para enfrentar o dia seguinte. Coloque ai, por exemplo , a maior parte dos 12 milhões de funcionários públicos e dos aposentados – sobretudo os que têm renda suficiente para não precisar complementá-la com nenhuma atividade remunerada. Não é nenhum grupinho que possa ser ignorado; é gente que não acaba mais, somada às suas famílias.

Junta-se a todo esse povo alguns outros milhões de habitantes dos múltiplos degraus da classe média que não dependem de emprego fixo ou trabalho diário para sobreviver. Há os que podem trabalhar à distância, em suas próprias casas – a turma do “teletrabalho”. Há os que recebem aluguéis, ou outras rendas, ou que podem recorrer à reservas financeiras que acumularam ao longo do tempo. Há os que podem fazer crédito aos clientes. Há os investidores. Muitos profissionais liberais, prestadores de serviços que podem receber depois, comerciantes com fôlego para perder faturamento – ninguém, aí, vai morrer por ficar em casa, desde que a quarentena não dure pelo resto da vida. Acham mais seguro, e não correm o risco de ter dificuldades financeiras sérias ou imediatas.

O problema, como ocorre em dez de cada dez casos de desordem econômica e social, são os brasileiros que precisam trabalhar todos os dias para não cair automaticamente na miséria. São os que estão perdendo seus empregos, aos milhares a cada dia, e não têm onde achar outros. São os investidores que arriscaram suas economias numa atividade produtiva qualquer, e que se encontram subitamente às portas da falência. São as empresas que estarão mortas ou aleijadas quando os governadores lhes derem permissão para funcionar de novo. Mas essa gente é feita de celofane – os que proíbem, os que pensam por todos, os que condenam e absolvem, olham para ela e não enxergam ninguém. São invisíveis. Sempre foram. Continuarão a ser.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

16 comentários Ver comentários

  1. Bom texto Guzzo.
    Os que são a favor da quarentena que falam que todos vão perder a vida se caso contaminar – se com o virus, está mal informado. As noticias mostram que as pessoas que morreu ou que morrerão, na sua maioria porque ja tem alguma doença grave. Porque ja sabemos quem são grupos de risco. Penso que essa pessoas que devem ficar isoladas. Porque as pessoas não faz parte do grupo de risco, os mesmos se for infectados não vai passar de uma gripe.

  2. Ainda não vi reportado a diminuição dos salários nos Três Poderes da República. Aguardando a comunicação …Todos têm de sentir na pele o problema.

    1. Exatamente. Não se fala no corte das ajudas financeiras para ternos, passagens, planos de saúde caríssimos e para toda vida. Não se fala no corte das lagostas e dos vinhos envelhecidos para o pessoal do STF. Não se corta isso?

  3. ☝️ . FIQUEM EM CASA PELO TEMPO QUE FOR! …..FIQUEM EM CASA! …..Dane-se se amanhã você e seus filhos vão morrer de fome daqui algum tempo. O importante é ter respirador pra mim se eu me infectar…?

    1. Bom texto Guzzo.
      As que falam que todos vão perder a vida se caso contaminar – se com o virus, está mal informado. As noticias mostram que as pessoas que morreu ou que morreram, na sua maioria porque ja tem alguma doença grave. Porque ja sabemos quem são grupos de risco. Penso que essa pessoas que devem ficar isoladas. Porque as pessoas não faz parte deste, os mesmos se for enfectados não vai passar de uma gripe.

  4. Prezado Guzzo, o fato que essa pandemia está dando gasolina pura para os oportunistas de plantão, todos os países afetados tiveram seus erros e acertos, aqui não será diferente porém, a ordem é enfraquecer e minar o Gov. Federal, trancar em casa uns velhinhos ou idosos como nós, tudo bem, final do mês chegou com algumas contas a pagar, bom, como essa quarentena vai além do horizonte, acho que já comecei a falir bem antes do caos, Dória hoje em sua teatral apresentação, colocou dados que nem a OMS possui, lá eles afirmam até o presente momento em todo mundo foram atingidas 400.000 pessoas em três meses, aqui segundo o secretário do Dória, serão um milhão em 30 dias, alguém aí sabe de um bar clandestino pra eu tomar algo desintoxicante?

  5. A questão além de sanitária é política. Meios de comunicação estão insuflando o povo contra o governo. Com total apoio de governadores que estão em plena campanha eleitoral. Não pense que trancado dentro de casa vc não pega vírus.

  6. O senhor se engana. Não sou contra o governo, embora Bolsonaro não tivesse sido o meu candidato, nuca fui contra ele pela simples razão de que seria ir contra a melhora do Brasil. Mas, definitivamente, sou cobtra a esta atitude ignorante que ele tomou. Sim, a economia vai pro saco, na verdade já foi. E sim são os sem CPF que vão pagar por falta de dinheiro, mas eles vão pagar com a vida se não se isolarem. Cabe a nós que podemos continuar a pagar as nossas diaristas. Se cada um fizer sua parte, um ínfimo esforço diante da magnitude do problema, quem sabe não conseguimos diminuir um pouquinho esta crise medonha pela qual passamos.

    1. O presidente apenas quer encontra uma forma se minilização do alarde dos vendedores do caos, dos que tiram proveito próprio capitalizando o tirar do corpo fora com medidas absurdas, Vc já pensou que fechar tudo pode contribuir para o abrir do nada.?

    2. Parabéns pela clareza do texto. Se devemos ficar em casa ou ir trabalhar só o futuro dirá quando da criação da vacina e assim o fim da epidemia. Previsão de aproximadamente 12 meses. Será que com o confinamento total número de pessoas que morrerão de coronavirus, mais os que por desnutrição morrerão de coronavirus ou outras moléstias, mais os que morrerão pela violência do caos social que provavelmente virá será maior ou menor do que o número de pessoas que morrerão do coronavirus com o confinamento vertical? Sou a favor do que morrer menos gente. Se não sabe, faça a sua escolha e respeite quem não concordar com ela.

    3. Pagar com a vida? Se para gramde parte da população o virus pouco acomete…e quem trabalha nos mercados pode ficar em casa? Vc apoia se faltar comida em sua casa? Vc está justamente reforçando o artigo…seu medo de morrer o faz esquecer de quem naum terá o que colocar na mesa daqui a
      pouco tempo

    4. Bom texto Guzzo.
      As que falam que todos vão perder a vida se caso contaminar – se com o virus, está mal informado. As noticias mostram que as pessoas que morreu ou que morreram, na sua maioria porque ja tem alguma doença grave. Porque ja sabemos quem são grupos de risco. Penso que essa pessoas que devem ficar isoladas. Porque as pessoas não faz parte deste, os mesmos se for enfectados não vai passar de uma gripe.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.