Só perdedores

O grande derrotado, segundo a conclusão definitiva dos cientistas políticos, foi o presidente Jair Bolsonaro
-Publicidade-
Presidente comentou questão da vacina com apoiadores no Alvorada | Foto: Marcos Corrêa/PR
Presidente comentou questão da vacina com apoiadores no Alvorada | Foto: Marcos Corrêa/PR

J. R. Guzzo

Publicado na Gazeta do Povo, em 16 de novembro de 2020

Vacina

-Publicidade-

Toda eleição no Brasil, até para síndico de prédio, tem um elemento que não muda: a intensa fascinação do noticiário político por estabelecer quem ganhou e quem perdeu. É curioso, porque deveria estar claro que ganhou quem ficou em primeiro lugar — já agora ou, se for preciso, no segundo turno. Quem perdeu, dentro da simetria geral do universo, foi quem ficou do segundo lugar para baixo, até o último. Mas não é assim que funciona.

Dez minutos depois de serem abertas as urnas, já começam as análises interpretativas sobre os reais vencedores. Este ano, com as eleições para escolher cerca de 5.500 prefeitos e quase 60.000 vereadores, não foi diferente — embora só se tenha mencionado um perdedor, já que parece impossível cravar ganhadores. Sempre se comenta sobre ectoplasmas como “partidos”, “correntes”, “alianças” etc. mas vencedor mesmo que é bom, com nome, sobrenome e foto, nada.

O perdedor, segundo a conclusão definitiva dos cientistas políticos, foi o presidente Jair Bolsonaro. Ele teve a boa ideia, lá atrás, de não fazer campanha direta para ninguém, mas as análises olham para outra coisa: que candidatos invocaram o nome do presidente em suas campanhas, ou que se apresentaram como seus aliados, ou que são catalogados como pertencentes à sua turma. Como muitos deles perderam, ou tiveram desempenho medíocre, Bolsonaro já foi condenado como o grande derrotado de 2020.

Os partidos que obtiveram mais votos — se é que isso quer dizer alguma coisa — foram o MDB, o DEM e o ajuntamento chamado “Centrão”. Não dá para chamar nada disso de oposição, mas governo também não é — e, de qualquer forma, o peso do presidente como líder partidário é nulo, já que nunca comandou grupo político nenhum. No momento, aliás, nem partido ele tem. Quis organizar um e não deu certo. O partido que tinha e sob cuja sigla chegou à Presidência da República em 2018 nunca foi comandado por ele nem por ninguém; forma um bando onde cão come cão, e que só teve os seus 15 minutos de fama porque se jogou na onda de popularidade que levou Bolsonaro ao Palácio do Planalto.

Em suma: se não faturou em cima do vencedor de nenhuma grande capital, ou nenhum centro eleitoral de primeira grandeza, mesmo porque não foi para o palanque, só restou ao presidente a alternativa de ser lançado ao rol dos perdedores. (Seu grande inimigo oficial, o ex-presidente Lula, não elegeu um único prefeito com alguma expressão; o PT foi tão mal, no fim das contas, que não passou pela cabeça de ninguém a ideia de citar o nome de Lula, nem mesmo na lista dos perdedores.)

Qual o significado disso para o que realmente interessa do ponto de vista nacional — a eleição presidencial de 2022? Será um outro momento, com outras variáveis, outras realidades e outras condições. Até lá, a única coisa que interessa é ver se aparece, de verdade, um adversário com força eleitoral para derrotar Bolsonaro nas urnas.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. A imprensa LIXO que vem atacando o senhor Presidente da República, a qualquer pretexto, em verdade ataca o Brasil, além de agredir a inteligência do cidadão contribuinte.

  2. Uma das melhores coisas que fiz em outubro foi ter assinado essa revista. Parabéns a todos que nela trabalham e aos colaboradores. Todos de altíssimo nível, como o grande JORNALISTA GUZZO.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site