Lula: “A polícia tem o direito de matar. E até eu tenho o direito de matar”

Assim era o ex-presidente na campanha para o governo de SP, em 1982, anos antes de vestir a fantasia de "Lulinha paz e amor"
-Publicidade-

Assim era o ex-presidente na campanha para o governo de SP, em 1982, anos antes de vestir a fantasia de “Lulinha paz e amor”

“Se as pessoas estiverem armadas e forem atacar a polícia, eu acho que, em legítima defesa, a polícia tem o direito de matar, obviamente. E até eu tenho o direito de matar”, afirmou Luis Inácio Lula da Silva, em 1982, durante um debate eleitoral da Rede Bandeirantes entre os candidatos ao governo de São Paulo.

-Publicidade-

“Nós temos país onde tem a pena de morte e efetivamente tem morrido menas (sic) gente do que aqui no Brasil, que não tem a pena de morte”, disse em outro trecho do vídeo. “Se você pergunta para as pessoas que foram vítimas, e se eu fosse vítima eu dizia para você não precisava nem a polícia matar, eu mesmo matava”.

Assim era Lula antes de vestir a fantasia de “Lulinha paz e amor”, que lhe garantiu a vitória na eleição presidencial de 2003. Assim é Lula em estado bruto.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.