Por falta de tradução de app, Apple terá de pagar R$ 7,7 milhões

Multa aplicada pelo Procon em 2019 foi mantida. Ainda cabe recurso
-Publicidade-
Apple: multa devido à falta de tradução de <i>Política de Privacidade</i> e <i>Termos de Uso</i> de aplicativo disponível na AppStore
Apple: multa devido à falta de tradução de Política de Privacidade e Termos de Uso de aplicativo disponível na AppStore | Foto: Reprodução/Flickr

A Justiça manteve uma multa de R$ 7,7 milhões à Apple, aplicada pelo Procon de São Paulo, em agosto de 2019, por ofertar o aplicativo FaceApp — célebre por envelhecer as pessoas por meio de inteligência artificial —, sem instruções em português, em sua loja de apps, a App Store, e permitir que o aplicativo só trouxesse informações na língua inglesa em sua Política de Privacidade e em seus Termos de Uso, o que viola os direitos do consumidor brasileiro. O Google, que também oferece o aplicativo em sua loja, a PlayStore, foi multado em R$ 9,9 milhões.

Segundo a Apple, que recorreu da multa justificando que não seria responsável pela App Store, sua atividade principal é “venda, importação e exportação de computadores, equipamentos de telecomunicações, multimídia e outros correlatos”. Dessa forma, não se considera responsável pelo “desenvolvimento, distribuição ou oferta” do FaceApp, reconhecendo apenas que o aplicativo pode ser baixado em sua loja, diz uma reportagem do portal UOL. A companhia norte-americana afirmou que não é razoável exigir que todas as informações estivessem traduzidas para todas as línguas, uma vez que o app foi concebido para pessoas de diversas nacionalidades.

-Publicidade-

O juiz Sergio Serrano Nunes Filho, da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, afirmou, em sua decisão, que a Apple é responsável por escolher quais aplicativos serão disponibilizados em sua loja e por oferecê-los ao consumidor. A empresa seria, portanto, “fornecedora” de aplicativos, e não a intermediária. O juiz disse ainda que, ao atuar no mercado brasileiro, os Termos de Uso e Política de Privacidade devem constar em português. Ainda cabe recurso judicial.

Outras cláusulas consideradas abusivas pelo Procon também foram levadas em consideração na multa, como a imposição de resolução de conflitos no Estado da Califórnia, em vez de serem resolvidos pela Justiça; a possibilidade de compartilhamento de dados do usuário com outras empresas; e a possibilidade de transferir essas informações para países que não têm as mesmas leis de proteção de dados do Brasil.

Para o diretor-executivo do Procon-SP, Fernando Capez, que falou ao UOL, trata-se de “decisão histórica, na medida em que as plataformas digitais não poderão mais se isentar da responsabilidade pelos produtos e aplicativos que têm em suas prateleiras”.

Leia também: “Amazon e Apple desistem de custo extra por streaming de música”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site