Depois da carne, Argentina limita exportação de cereais

Objetivo é conter a inflação de 51% nos alimentos
-Publicidade-
Produtores de milho e trigo sofreram impacto com crise dos fertilizantes e agora têm limitações para exportar
Produtores de milho e trigo sofreram impacto com crise dos fertilizantes e agora têm limitações para exportar | Foto: Arquivo

O governo da Argentina limitou a exportação de milho e trigo para tentar conter a inflação dos alimentos no mercado interno do país. É o que informou a agência de notícias Bloomberg, na sexta-feira 17.

A ideia presidente Alberto Fernández é avaliar a quantidade de grãos para consumo interno antes de decidir quanto será. O país é o terceiro maior exportador de milho do mundo e um dos principais produtores de trigo.

Assim, a intervenção no setor ocorre no momento em que o país registra 51% de inflação no setor de alimentos.

-Publicidade-

Em maio, o governo já havia impedido temporariamente a exportação de carnes com o mesmo objetivo de conter o preço do produto no mercado interno. Empresas brasileiras sediadas no país foram afetadas.

Além disso, a intervenção argentina ocorre em um momento de escassez e alta mundial nos preços de fertilizantes.

Isso porque, a crise energética global diminuiu a produção de alguns tipos de fertilizantes.

Além disso, as sanções dos Estados Unidos ao governo de Belarus, um dos maiores produtores de potássio do mundo, também agravaram o cenário.

Intervenção desestabilizará produtores na Argentina

A consequência é que produtores rurais tiveram uma alta generalizada nos custos da produção. Apenas os exportadores conseguem compensar a perda devido à alta nos preços dos grãos no mercado internacional. Aqueles que vendem para o mercado interno acabam enfrentando maiores dificuldades.

Dessa forma, ações intervencionistas como essa têm potencial para aliviar a inflação a curto prazo. Contudo, tendem a desestabilizar os produtores em um prazo maior e impactar o país. Uma das consequências pode ser a escassez de produtos e inflação ainda maior.

O Ministério da Agricultura argentino afirmou que, mesmo com as restrições, o país será capaz de exportar 12,5 milhões de toneladas de trigo e 41,6 milhões de toneladas de milho. Porém, a pasta não especificou quando isso vai ocorrer.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Isso que eles estão tentando fazer é de aumentar a oferta desses grãos para derrubar a inflação dos alimentos. Isso só vai durar até se esgotarem os silos e o pior virá depois (A economia a gente vê depois). Como essas commodities vão circular e serem consumidas no mercado interno, o país não terá a entrada de moeda estrangeira (dollares americanos) em seu banco central. Aí, meus amigos portenhos, irão amargar um terrível “day after”. Vão faltar insumos para a próxima safra e será um “cada um por sí”, infelizmente.

    1. Verdade, Paulo, sem a reposição de insumos, a queda da produção é consequência, indo junto as empresas e os empregos, e ocasionando mais desabastecimento, fome e miséria.
      Num mundo globalizado, intercambiado, você fechar as portas sem deter tudo de que necessita de matéria prima, commodities e a da tecnologia subjacente, é determinar a morte prematura, o para quando é que se torna a dúvida.

  2. A ideia do Governo Argentino é a de quando implodir um bom número de suas empresas inviabilizando totalmente sua economia, culpar os EUA e os países que, mesmo com toda crise provocada pelo consórcio maléfico Corrupção-Metacapitalismo-China-ONU, ainda possuem alguma competência e capacidade de produção condizentes às suas necessidades e exportação; tal qual como Cuba e Venezuela por aqui, pela AL.
    Nada mais necessário do que a desgraça, a praga, o vírus, do socialismo/comunismo/progressismo/globalismo, diretamente nas veias das pessoas, para lhes corromper os sistemas cognitivo-produtivo e o ético-moral!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.