Nova Zelândia: mais um laboratório do Totalitarismo Climático

Jacinda Ardern criou recentemente um “imposto animal” que objetiva taxar o metano lançado pelos animais por arrotarem e soltarem puns

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
Rebanho bovino
Rebanho bovino | Rebanho bovino

Quando falamos em “mudanças climáticas”, já sabemos que o assunto não será sobre clima, mas o quanto devemos pagar pelo nosso pecado de existir neste mundo. Além de consumirmos petróleo, madeira, água, usarmos o solo, as rochas etc., ainda temos que acrescentar ao nosso pecado, o simples ato de que precisamos comer. Assim, todo o abastecimento alimentício também tem uma culpa neste cartório global climático.

No caso específico, abordaremos o envolvimento da produção de carne. Para os ambientalistas que projetam a sua concepção revolucionária climática, o gás metano (CH4) é tão mortal quanto o CO2, embora até hoje não saibamos para quem está direcionada a tal ameaça de mortalidade, ou para a humanidade, ou para o planeta. Tal conjectura baseia-se, como sempre, na falsa hipótese das “forçantes radiativas” (ou farsantes radiativas) adotadas pelo IPCC, o painel do clima da ONU, onde o metano teria a infeliz propriedade de ser dez, 20 (já vi até 38) vezes mais “estufa” que o dióxido de carbono, o que o elegeria um “super-estufa”, mesmo que a sua concentração na atmosfera seja insignificante, de apenas 0,00018% (o CO2 é de cerca de 0,035 a 0,038%) ou seja, um gás traço dentro dos traços.

Ele é medido em partes por bilhão de moléculas, de forma que seria impossível que realizasse o efeito supostamente deletério que o condenam. O metano ainda tem uma ficha corrida interessante: tem vida média baixa na atmosfera, não colaborou com o IPCC nas suas taxas de crescimento (caindo, inclusive, por décadas) e suas fontes são esmagadoramente naturais, sendo bastante duvidosas as estimativas das concentrações atribuídas às atividades humanas, ou seja, deste valor insignificante da sua concentração total, a contribuição humana sequer poderia ser avaliada. Nestes termos, implicar com o metano só significa criar mais problemas para a humanidade nas atividades produtivas que já possuem os seus próprios problemas reais em demasia.

-Publicidade-

A cara do totalitarismo

Contudo, a agenda climática precede às demandas humanas, pois o planeta “pede” socorro (a humanização da matéria é sempre surreal). E na implementação de medidas urgentes de controle climático, seja lá o que isto represente na mente destes sujeitos, algo precisa ser feito e começamos a observar os seus agentes trabalhando em experimentos laboratoriais pelo mundo, onde estão a criar os meios de controle tão necessários. Assim sendo, um dos laboratórios mais avançados para tais medidas draconianas passou a ser a Nova Zelândia.

2! Ela elogiou a nova taxa, orgulhando-se de ser a primeira do mundo, em um protagonismo claramente débil, não só por taxar o metano, mas também o óxido nitroso (N2O) produzidos pelos seis milhões de cabeças de gado e 26 milhões de ovelhas no país. O interessante é que as “soluções” adotadas por esse tipo de político são sempre a nada saudável criação de mais impostos, que atrapalham ainda mais o curso natural dos processos produtivos.

Trocando em miúdos, imagine-se utilizando do transporte público em 20 dias do mês, duas vezes por dia, para ir e voltar ao seu trabalho. Como haverá a “necessidade” de se combater às mudanças climáticas, criar-se-á um “imposto do ônibus” porque este usa petróleo. Assim, você não poderá deixar de usar o transporte porque precisa ir trabalhar, pois afinal, o seu uso não é facultativo, então terá que absorver esse novo imposto no seu orçamento de alguma forma. Para o caso dos alimentos, um imposto climático só fará os mesmos encarecerem e assim, ou os consumidores absorvem este impacto orçamentário, ou deixarão de consumir o produto. No final das contas, não se fez nada pelo clima, tendo em vista que o próprio argumento é uma estupidez falaciosa, mas se criou um processo financeiro que arrecadou recursos sobre um problema inexistente e sabemos que essa arrecadação não será pouca.

Para o estudo de caso em questão, os agricultores da Nova Zelândia partiram para os protestos contra este “imposto animal” planejado por Jacinda. No final do mês de outubro, diversos comboios de veículos interromperam o tráfego em Auckland e Wellington exigindo que o governo abandonasse a adoção de tal medida. Os agricultores utilizaram de seus tratores, máquinas agrícolas, picapes e caminhões também para tomar outras cidades e estradas, onde passaram a exibir seus cartazes de protesto contra a adoção do imposto climático do atual governo de esquerda que assola o país.

O pedido de cancelamento de tal medida é totalmente legítimo, pois como explicado, isto cria não só mais custos para o sistema produtivo, como também serve de arma de controle para o governo, pois este pretende utilizar tais medidas para “atingir as metas climáticas necessárias”. Jacinda ainda alegou que tal medida irá até beneficiar os agricultores, porque poderão cobrar mais caro por “carnes ecológicas”. Com declarações tão esdrúxulas e sem fundamento, não se admirou que os protestos tivessem adesão de boa parte da população das cidades, pois já entenderam que o encarecimento da comida atingirá a todos.

Plano maligno

Aqui fica clara a insanidade e a falta total de lógica de pessoas como esta que se assentam nas cadeiras do poder. Primeiro porque tal medida visa mesmo apenas operações financeiras e nada tem a ver com clima. Segundo, que não é porque o processo produtivo ficou mais caro que ele se tornou “ecológico” e muito menos “tratou do clima”. O que se conseguiu foi reduzir a produção. Com o encarecimento dos produtos, a própria produção começa a ficar comprometida, pois o nicho do mercado que tem o poder aquisitivo para atingir o consumo de certo produto vai diminuindo.

As máscaras acabam caindo e o plano maligno fica totalmente evidente. Por isso que os agricultores e produtores rurais estão a protestar desde então. Eles sabem que a sua subsistência ficará prejudicada, como declarou o Sr. Bryan McKenzie, um dos organizadores do protesto que identificou a gravidade do problema, pois entendeu que o imposto era uma forma de punição que acabaria comprometendo a existência das comunidades rurais, algo que todos estes embusteiros climáticos desejam: que haja redução de consumo mundial, em prol do clima e do planeta.

A desculpa é sempre a mesma para se chegar ao cumprimento da Agenda 2030, mesmo que isto crie problemas produtivos. Cada vez fica mais claro para as pessoas que estão despertas que “erradicar a pobreza” e “acabar com a fome” são apenas sofismas colocados como alegorias neste discurso. De certo que casos semelhantes já ocorreram em outros países, como foi na Holanda, onde o governo resolveu também reduzir a produção de seus rebanhos. Embora neste caso o problema seja outro, aproveitou-se para se aplicar regras “climáticas” que sempre objetivam mais controle do Estado sobre o indivíduo e suas formas de produção.

O Brasil que se prepare, pois este canhão também se virará contra nós. Os produtores rurais já devem se atentar para alguns sujeitos que irão trazer essa “maravilha” para as terras de Vera Cruz, afinal, temos um dos maiores rebanhos do mundo e a boquinha de se criar mais impostos sempre é bem-vinda aos governos totalitários de esquerda, em especial, ao que nos reserva aqui no nosso país. Não se impressionem se nesta sanha de se taxar tudo e a todos, os governantes de esquerda, insanos e surreais que rugem ao nosso redor, não queiram também taxar o metano humano in situ, acrescentando algum medidor em nossos traseiros. Ideias totalitárias, não faltam.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

18 comentários Ver comentários

  1. Até quando essa idiotice insana????

    É inacreditável assistir a tudo isso…. Esse sistema globalista, com essas pautas progressistas… Narrativas insanas do meio ambiente… diversidade…lockdown… Homem x Mulher… Homo x Hetero… Negro x Branco… Rico x Pobre… 😳😳😳

    Tentam destruir as mentes das pessoas, para depois impor um regime totalitário … E alguns não enxergam isso… 👀👀😳😳😳

    Todos os órgãos internacionais estão aparelhados por eles… E pasmem, sem votos do povo… UE, ONU, OMS, Direitos Humanos, Meio Ambiente, OMC… E assim Vão impondo falsas narrativas… Apenas para dominar a todos… 👀👀😳😳😳

    1. Já somos oito bilhões e em breve 10, muitas bocas a alimentar. O sistema vai tratar de eliminar boa parte dessa gente ou aniquilar sua capacidade reprodutiva. O verdadeiro gado somos nós.

  2. O maior mal para o clima de nosso planeta não advém dos gases produzidos por animais irracionais e sim da flatulência oral que sai da boca de animais pretensamente racionais que se intitulam defensores do mundo.

  3. O metano é um gás que é liberado a todo instante e de forma natural, por materiais orgânicos em decomposição. Agora, vai tentar convencer disso qualquer um desses “ambientalistas” imbecis? É totalmente inútil. O animal ruminante apenas acelera essa liberação, é como se atuassem como catalizadores naturais. Não há mais nada a dizer sobre isso.

  4. Estamos caminhando para o gado virar pó e a grama virar comida de seres humanos. Bela Gil já está no novo ministério da agricultura. Só estou esperando o momento em que essa turba comece a dizer que a Floresta Amazônica é prejudicial ao clima e iniciem a destruição dela para aproveitar seus recursos naturais e “distribuir” para o mundo. Óbvio que metade ficará nos bolsos dis petistas ambientalistas. Com metade dos recursos da Amazônia os Macrons da vida ficarão calados. E segue o jogo.

  5. Parece q a Nova Zelândia decidiu sair do seu posto de um dos países de melhor IDH e outros indicadores de bem-estar!

    Carnes ecológicas (sintéticas)? Que absurdo! Sou da época de “ser natureba”! Ou seja, não quer carne? Coma verduras, cereais e legumes!

    Que lixo!

  6. “não queiram também taxar o metano humano in situ, acrescentando algum medidor em nossos traseiros. Ideias totalitárias, não faltam.” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. acrescento ainda ,Ricardo, que a verba arrecadada, ira financiar os “ambientalista” que na europa ja começaram a degradar obras de arte valiosíssimas a troco desta politica nefanda.

  8. Ricardo Felicio sempre na “mosca” . O ambientalismo tem como objetivo tirar dinheiro do produtor para sustentar aqueles que que não trabalham e se arvoram em papéis ” politicos” e ” defensores do planeta” . Conseguirão matar a população de fome .

  9. Esquerda – adoradores do estado máximo e controlador. Isto favorece a corrupção e anula a competição. O ideal dos corruptos e preguiçosos.

  10. Cara larga de ser chato, ninguém lê essas suas asneiras, pode até ser verdade o que escreveu mas nesse momento atual que o Brasil vive com a morte da “democracia”, vc falar em congresso nacional soa como uma piada, não existe congresso nacional, não existe poder executivo, não existe forças armadas, a ditadura da toga dominou tudo!

    1. acrescento ainda ,Ricardo, que a verba arrecadada, ira financiar os “ambientalista” que na europa ja começaram a degradar obras de arte valiosíssimas a troco desta politica nefanda.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.