Rússia limita exportação de fertilizantes e pode afetar o Brasil

A medida adotada pelo país será para garantir o abastecimento dos agricultores locais
-Publicidade-
O primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, fez o anúncio na quarta-feira 3
O primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, fez o anúncio na quarta-feira 3 | Foto: Dmitry Astakhov,/AP

A partir de dezembro, a Rússia vai limitar as exportações de fertilizantes por um período de pelo menos seis meses. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, Mikhail Mishustin, na quarta-feira 3.

Segundo análise da consultoria americana StoneX, em boletim divulgado aos clientes, o maior impacto para o Brasil ocorrerá na importação de nitrogenados, sobretudo a de nitrato de amônio (NAM) — os russos são o único fornecedor brasileiro desse insumo.

-Publicidade-

O país decidiu restringir as exportações depois que o presidente Vladimir Putin pediu medidas para garantir o abastecimento dos agricultores locais.

“Para evitar uma escassez de fertilizantes, reflexo da alta de preços do gás natural e, portanto, um aumento de preços dos alimentos na Rússia, o governo está temporariamente restringindo a exportação de fertilizantes nitrogenados e compostos à base de nitrogênio, por instrução do presidente”, disse o primeiro-ministro, segundo a nota divulgada no site do governo.

“Avaliando as estatísticas de exportações russas, concluímos que a medida repercutirá em redução média de 8% na oferta de nitrogenados do país [para o mercado global] e de 3,5% na de fosfatados formulações complexas”, informou a consultoria StoneX.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Coisas que o governo de direita tem que consertar. Já deu um jeito na dependência da energia para Roraima.
    Agora temos que resolver a questão da importação de nitrogenados, da questão do potássio e da falta de refinarias no Brasil.
    Desgoverno comunista chegou até a fechar fábrica de alumínio no Brasil.
    Desgovernos comunistas somente interessaram em assaltar os cofres públicos

  2. O momento é de transição para todos os países.

    Onde uns veem dificuldade, outros veem oportunidade. Essa é uma oportunidade do Brasil melhorar a segurança na cadeia logística de insumos para sua produção agrícola, seja buscando a autossuficiência, seja diversificando seus fornecedores. No curto prazo, um problema. No médio prazo, um amadurecimento e um fortalecimento.

  3. É problema nosso sim, pois estamos dependentes do russos nisso. Duvido que não tenhamos outras opções de compra junto a outros Países. Então o problema será do russos por perderem a clientela.

  4. Vão reclamar daquele vagabundo do Collor de Mello, que fechou as industrias petroquímicas do Recôncavo Bahiano e praticamente eliminou a produção nacional de fertilizantes nitrogenados e fosfatados e quanto ao potássio as maiores jazidas de feldspato estão localizadas na Amazônia, só falta estarem localizadas em alguma reserva indígena. Vou dizer um negócio: Um país como esse, não tem nada para dar certo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.