Academia elegeu Joca Ramiro

O jurista e ensaísta pernambucano José Paulo Cavalcanti é o novo imortal da Academia Brasileira de Letras
-Publicidade-
Advogado e romancista, José Paulo Cavalcanti é novo imortal da Academia Brasileira de Letras
Advogado e romancista, José Paulo Cavalcanti é novo imortal da Academia Brasileira de Letras

Na mídia, revestido de simpática e marcante nordestinidade, o jurista e ensaísta pernambucano José Paulo Cavalcanti, autor de um bom livro sobre a obra de Fernando Pessoa, parece um Joca Ramiro glabro, o jagunço barbudo e letrado de Grande Sertão: Veredas, vivido na televisão pelo extraordinário ator que foi Rubens de Falco.

Tendo obtido 21 dos 34 votos, Cavalcanti tornou-se o quinto integrante da bancada pernambucana. O Brasil meridional continua com a presença solitária do poeta Carlos Nejar. O jurista do Recife derrotou o professor e romancista catarinense Godofredo de Oliveira Neto, que obteve nove votos, e o poeta gaúcho Luiz Coronel, que recebeu apenas um, assim como o professor universitário Ricardo Cavaliere. Outros candidatos não receberam voto nenhum.

Também a Academia não é para principiantes e pairam sobre a instituição lugares-comuns, como o de simplesmente desconsiderar, por motivos políticos, o belo romance Saraminda, de José Sarney, em que a alternativa da personagem referencial é fazer um leilão de si mesma. Dela disse Carlos Heitor Cony: “Oito vezes virgem, oito vezes puta, traz nos olhos verdes e nos seios dourados o prazer e a desgraça”.

-Publicidade-

Pois é, mas quando se fala do ex-presidente, o costume é citar apenas Marimbondos de Fogo, que não é romance, como equivocadamente se repete, é um livro de poesia. Tem sido moda repetir Millôr Fernandes, que o definiu como “um livro que quando você larga não consegue mais pegar” e o grupo Casseta & Planeta, que o indicou como parte de uma trilogia a ser completada por Marimbondos de Porre e Marimbondos de Ressaca.

É tudo muito divertido, o brasileiro adora um deboche, mas até os jagunços letrados sabem como é complexo lidar com brasileiros que realmente mandaram e talvez voltem a mandar no país, sejam letrados como Zé Bebelo ou apedeutas como os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff. Michel Temer, jurista, e Fernando Collor, bacharel em ciências econômicas, já podem pleitear a vaga.

Em resumo, a Academia não é mais a Casa dos escritores brasileiros, embora às vezes até coincida que o eleito seja autor de alguns textos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Obrigado pela correção, Deraldo Mancini. Tarcísio Meira fez o Hermógenes, que mata Diadorim (Bruna Lombardi). Nossa editora vai corrigir. Um abraço e volte sempre.

  2. Tarcísio Meira foi o Hermógenes. Quem fez Joca Ramiro foi Rubens de Falco. O equívoco não compromete a análise sempre lúcida de Deonísio.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.