Carta aberta aos cidadãos do mundo

Palavras de um amigo às pessoas de bem
-Publicidade-

Caros cidadãos do mundo,

Quem vos escreve é um amigo. Apesar de nunca termos conversado, você me conhece bem. Convivemos muito nesses últimos meses. O importante neste momento é você saber que pode confiar no que eu te digo. Sei que está com medo. Sei que está inseguro. Sei que está desorientado. Mas escute a minha voz e permita que eu acalme seu coração. Eu estou aqui por você.

Infelizmente, ainda estamos longe do fim da pandemia. Sabemos como foram difíceis esses últimos dois anos, e como todos estão ansiosos para retomar suas vidas normalmente. Uma coisa eu posso te garantir: um dia chegaremos lá. Mas, para isso, precisarei da sua total colaboração. Apenas escute o que eu te digo e faça o que é esperado de você. Afinal, você quer ser um bom cidadão, não é mesmo? Não alimente dúvidas ou incertezas em seu coração, não há necessidade para isso. A minha voz é a que deve ser seguida.

-Publicidade-

Se você já recebeu suas três doses iniciais, parabéns! Estamos no caminho certo. A boa notícia é que a quarta, quinta, sexta e sétima doses poderão ser aplicadas já em 2022! Isso será um grande avanço para todos nós. Também lançaremos um breve a vacina que protege contra a variante Ômicron. Ao tomar esse fantástico lançamento, intercalado com as doses tradicionais, sua imunização estará mais que garantida.

Se você já começou a vacinar seus filhos, parabéns! Mas ainda temos um longo caminho a percorrer. Vamos liberar em breve as vacinas para crianças de 6 meses! Esse é mais um avanço extraordinário da ciência. Ainda neste ano, bebês com menos de 1 ano já poderão tomar pelo menos as quatro doses iniciais.

Se você colaborar, em pouquíssimos anos poderei decretar o fim da pandemia. E o melhor: não exigirei quase nada de você! Afinal, somos amigos, certo? Basta receber a sua dose trimestral e tudo ficará bem. Fique tranquilo(a) que o seu governo disponibilizará esses produtos gratuitamente. Tenho um bom entendimento com ele.

Também é muito importante que você não faça questionamentos. É consenso entre todos os cientistas do mundo que eu tenho como objetivo único ajudar você. Não duvide disso. Qualquer dúvida em seu coração pode colocar em risco tudo o que construímos até agora. Você não quer atrapalhar o meu trabalho, não é mesmo?

Colabore com convicção. Defenda-me com unhas e dentes. Ataque qualquer um que falar algo diferente do que eu estou lhe dizendo. Sei que você é um bom cidadão. Faça-me orgulhoso e tudo ficará bem.

Atenciosamente,
A indústria farmacêutica

Leia também: “O passaporte dos tiranos”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 92 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

12 comentários Ver comentários

  1. Parabéns indústria farmacêutica! Devem ter quadruplicado seus lucros em cima de vidas humanas…satisfeitos? Que bom! No fim da linha, haverá alguém esperando todos nós!!

  2. Aqui na região caiu uma tempestade com ventos, raios e trovões. O avião que traria vacinas não pode pousar. Como pode acontecer isto? O governo não poderia mandar um piloto mais eficiente que saiba aterrar em pistas inundadas? Ajude a atrapalhar o governo e siga a linha de cuspir na cara de quem está te ajudando…

  3. Para uma complementação de informações sobre as discordâncias e interesses pouco defensáveis sobre o uso ou não de vacinação em massa, assistam o Filme “Sonhos Tropicais” no YouTube.
    Trata da dificuldade do Dr Oswaldo Cruz em implementar a vacina que ele desenvolveu para a Febre Amarela que assolava a população brasileira naquela época.

  4. Cada um acredita no que quer. É um direito natural. Eu evito me deixar dominar por teorias conspiratórias paranoicas, porque pode ser pura paranoia mesmo, mas, nesse caso das vacinas, o meu “desconfiômetro” já ultrapassou a faixa vermelha e “as molas” estão quase para saltar fora.

    Se alguém, um dia, quiser reduzir drasticamente a população humana da Terra, com certeza vai ser desse jeito aí.

    Pouco depois da morte de Osama Bin Laden, aquele que planejou o ataque às Torres Gêmeas em New York, li um interessante artigo do Dr Drauzio Varella (quando ele ainda não havia caído em desgraça). Tratava da resistência que populações e governos de certos países estavam apresentando a programas de vacinação que poderiam salvar muitas vidas. E por quê? Porque Bin Laden havia sido localizado através de um complexo método de rastreio de DNA, que utilizou amostras de sangue coletadas durante uma campanha de vacinação criada especialmente para esse fim. Foi uma operação montada pela CIA, aparentemente com apoio do governo local. A desconfiança tomou conta de comunidades e governos de vários países, e o resultado estava sendo catastrófico para a saúde pública. Encontrei um link para um artigo que não tenho certeza se é o mesmo que eu li, mas o tema é o mesmo: https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/o-fantasma-de-bin-laden-artigo/ . Curiosamente, esse artigo de 2003 foi revisado em 2021 (que eu considero O Ano da Besta).

    Este caso mostra como essa questão da credibilidade da vacinação é delicada, e também lembra que não há limites quando um grupo poderoso acredita que os fins justificam os meios.

    1. De fato há um artigo anterior do mesmo autor sobre o mesmo tema: https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/dna-de-bin-laden-artigo/ que é de 2011 e foi revisado em 2020 (início da pandemia).

  5. Sim, mestre, pois quando o senhor dominar totakmente o mundo também quero sentar na janelinha. O João Doria, Mandeta, Moro, Barroso, Fux, Lula, Barra Torres e outros já reservaram lugar.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.