Conselho de Ética da Alesp adia votação de parecer sobre deputado que apalpou colega

Relator do processo, petista Emidio de Souza sugere a suspensão de Fernando Cury por seis meses; parlamentar foi acusado de assédio sexual por Isa Penna (Psol)
-Publicidade-
Fernando Cury foi flagrado apalpando Isa Penna (Psol) durante sessão da Alesp em dezembro
Fernando Cury foi flagrado apalpando Isa Penna (Psol) durante sessão da Alesp em dezembro | Foto: Reprodução/TV Alesp

O Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) adiou a votação do parecer sobre a suspensão do deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), flagrado apalpando a colega Isa Penna (Psol) no plenário da Casa, durante sessão realizada em dezembro do ano passado. A análise do texto ficou para sexta-feira 5.

Leia também: “Conselho de Ética da Alesp aceita denúncia contra deputado por assédio sexual”

-Publicidade-

O relator do caso na Alesp, Emidio de Souza (PT), sugeriu a suspensão de Cury por seis meses. Trata-se de uma solução negociada por diversas lideranças políticas, muitas das quais ligadas a Cury, para evitar a cassação do mandato. O pedido de suspensão seria uma forma de evitar que o deputado se livrasse de  punição — já que a possibilidade de que ele tenha o mandato cassado por seus pares se tornou remota nas últimas semanas.

Em seu parecer, o deputado petista classifica o ato do colega como “inaceitável” e “inadequado”. O texto também prevê que, durante esse período, seja “suspensa a percepção de qualquer subsídio pelo parlamentar e vantagens dele decorrentes”.

O parecer que pede o afastamento de Cury será apreciado pelos nove integrantes do Conselho de Ética, além do corregedor da Casa, Estevão Galvão (DEM). Se for aprovado por maioria simples, o texto seguirá para o plenário da Alesp.

Os pedidos de vista do parecer, que adiaram sua apreciação pelo Conselho de Ética nesta quarta, foram apresentados por Wellington Moura (Republicanos) e Adalberto Freitas (PSL). Cury foi acusado pela deputada do Psol de importunação sexual. O episódio também está sob investigação do Ministério Público.

Fernando Cury também está na mira do próprio partido. O Cidadania decidiu afastar o deputado, ainda em dezembro.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.