Coordenadora de medicina da UnB deixa cargo após exigência de vacina

Selma Kuckelhaus disse que sua decisão foi motivada pela “árdua defesa das liberdades individuais”
-Publicidade-
Alunos com condições financeiras deverão pagar mensalidade em universidades públicas | Foto: Isa Correa/Secom UnB
Alunos com condições financeiras deverão pagar mensalidade em universidades públicas | Foto: Isa Correa/Secom UnB

A coordenadora da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), Selma Kuckelhaus, solicitou na quinta-feira 27 o desligamento do cargo, após a universidade exigir passaporte de vacina para acessar qualquer prédio da instituição.

Em um comunicado aos integrantes do curso, a professora informou que, por não estar vacinada, sua situação ficou em desacordo com a gestão da faculdade. Ela disse também que a decisão foi motivada por sua “árdua defesa das liberdades individuais”.

Professora questiona vacina contra covid

-Publicidade-

Selma, que é doutora em Ciências Médicas pela UnB, diz que é sensível ao momento pandêmico, mas que as vacinas ainda estão em desenvolvimento e que, nessa fase, surgem inúmeros questionamentos sobre a segurança e a eficácia dos imunizantes.

“Para além disso, as vacinas disponíveis não impedem a infecção e tampouco o contágio, como demonstrado pelos inúmeros casos de infecção de indivíduos vacinados”, disse a professora. 

Para ela, existe uma incongruência na imposição do passaporte sanitário, porque a medida desconsidera indivíduos que se recuperaram da infecção pela covid-19 e que possuem imunidade natural, bem como aqueles que não sentem segurança nas vacinas disponíveis e julgam que o risco supera o benefício. 

Passaporte vacinal

A UnB aprovou na quinta-feira 27 o passaporte de vacina contra covid-19 para entrada em qualquer prédio da instituição. A medida, que entrará em vigor 15 dias depois da sua publicação, vale para qualquer pessoa, inclusive visitantes.

A vacinação só será considerada completa após o recebimento de todas as doses disponibilizadas no Distrito Federal para cada faixa etária, incluindo doses de reforço.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

23 comentários Ver comentários

  1. Ué, agora é assim, qualquer um pode se rebelar. Está senhora pensa que é o que para afirmar tudo isso sobre as vacinas? Ela é Juíza? Jornalista? Governadora ou prefeita? Ou parlamentar de alguma CPI? Como ela, uma simples cientista pode afirmar um absurdo assim? Creio que somente o STF tem conhecimento para tal afirmação. Lamentável

  2. Alguém saberia dizer o que significa “doutora em Ciências Médicas” e “coordenadora da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB)”?
    Acho que essa senhora não sabe nada de medicina, muito menos de ciência. Eu só acredito no Bonner.

  3. E se eu fosse funcionária ou estudante da UNB com certeza faria o mesmo que a médica, só assim eles veriam que a maioria vence.

  4. Aberrações como exigência de “passaporte” vacinal serão corrigidas em algum tempo. Responsabilidades deverão ser apuradas com o máximo rigor. A conta deverá ser paga pelos seus autores, jamais pelos pagadores de impostos. Parabéns à Dra. Selma pela sua atitude no episódio. Para os responsáveis pelos atos praticados, a Justiça com a sua clava forte.

  5. Parabéns Doutora! Todos sabemos que passaporte não libera ninguém pois vacinados contraem a doença e, doentes, saem por aí “liberados” pelo tal documento.

  6. A constituição é clara. Não se pode exigir passaporte de vacina para ninguém em nenhum ambiente. Portaria, resolução , decreto, etc….não estão acima da lei. E não existe a lei !! Logo, não se pode proibir nem exigir nada !!´O dr. Paulo Faria, na Jovem Pan, deu uma aula sobre o assunto ! E ponto final !!

  7. Parabéns para Dra Selma! Que outros bons profissionais e pessoas dignas, façam o mesmo! DIGAM NÃO ESSES ABUSOS DE PODER E SIM PARA NOSSA LIBERDADE!!!!🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  8. Todos sabem qud vacinados ou não vacinados pegam covid, transmitem e as vezes morrem. Isso não tem nada a ver com saúde. Mas com governo fraco o povo sofre.

  9. Parabéns Doutora! Simples, concisa e direta! A LIBERDADE individual é inegociável! Seja qual for a situação! Passaporte? Que passaporte?

  10. Quando um ministro da saúde tem medo de tomar alguma atitude, dá nisso. Deveria copiar a Suécia e Dinamarca e UK e outros países DESENVOLVIDOS não países desenvolvidos rm processo de subdesenvolvimento cultural e moral.

  11. 👏🏾👏🏾👏🏾👏🏾👏🏾👏🏾 falou tudo que eu penso. No fundo essas vacinas vieram p deixar muita gente bilionária

  12. Os médicos estão se dividindo em dois grupos: os que tem o dom, que estão em constante busca de conhecimento, que aprendem com os erros e aprendem também com a experiência dos seus pares. Esses tem a humildade de demonstrar suas dúvidas no caso das “vacinas”. Já o outro grupo, arrogante, não aceita questionamentos. Incapaz de empatia humana, só está na profissão para se sentir superior, e decidir entre seus pacientes, aqueles que irão viver ou morrer.

    1. Parabéns, Doutora Selma Kuckelhaus!

      Passaporte de vacina não tem a menor eficácia para o que propõe, apenas reflete o desejo de imitar os europeus para fingir que está na moda e para controlar as pessoas.
      Esses censores não controlam nem o que comem em casa e ainda querem controlar os outros!
      Covid virou uma gripezinha, só morre de coronavírus quem não se cuida, quem vai morrer de qualquer jeito esse ano ou o próximo.
      Cuide da sua saúde, todos pela liberdade e contra a lavagem cerebral!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.